Diferenças entre edições de "Morsa"

5 bytes adicionados ,  15h36min de 27 de março de 2019
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 2001:8a0:6f39:5a00:ccef:3662:5aeb:60c3, com Reversão e avisos
m (Foram revertidas as edições de 177.223.225.84 para a última revisão de 179.222.62.178, de 18h15min de 17 de fevereiro de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 2001:8a0:6f39:5a00:ccef:3662:5aeb:60c3, com Reversão e avisos)
| mapa_legenda = Ocorrencia = Azul
}}
A '''morsa''' (''Odobenus rosmarus'') é um [[animalia|animal]] de grande porte que vive nas águas do [[Ártico]]. É a única [[Táxon extante|espécie não extinta]] do gênero ''Odobenus'' e da família ''Odobenidae''. Uma morsa fêmea adulta chega a 2,60 [[metros]] de comprimento e pode pesar de 400 até 1.250 kg. O macho adulto é ainda maior, podendo ter de 3 a 4 [[metros]] de [[comprimento]]. Os machos adultos do Pacífico podem pesar até mais de 2.000kg e, entre pinípedes, são ultrapassados ​​em tamanho apenas pelas duas espécies de [[elefante marinho|elefantes marinhos]]. Subdivide-se em três subespécies: [[morsa do Atlântico]] (''O. rosmarus'') que vive no [[oceano Atlântico]], a [[morsa do Pacífico]] (''O. rosmarus divergens'') que habita no [[oceano Pacífico]] e ''O. rosmarus laptevi'', que vive no mar de Laptev.
 
A morsa é imediatamente reconhecida por suas presas proeminentes, bigodes e grande volume. As morsas possuem uma [[pele]] enrugada e áspera que vai se tornando cada vez mais espessa ao longo de sua vida (15 a 30 [[ano]]s). Para nadar usam a nadadeira caudal. Deslocam-se mal em terra, utilizando as suas presas para se locomover, cravando os dentes no gelo e puxando o corpo para frente (por isso o nome Odobenus, que significa "aquele que caminha com os dentes"). Seu focinho tem um sólido bigode e dois enormes caninos ou presas que podem chegar a 90 centímetros nas fêmeas e ultrapassar 1,10 metro de comprimento nos machos. As morsas alimentam-se principalmente de [[moluscos]] (bivalentes e caracóis), ouriços, estrelas, [[caranguejo]]s e suas presas vão se desgastando-se ao longo dos anos. As morsas percebem o alimento presente no Iodo e areia devido aos seus pelos (vibrissas) presentes no seu focinho. Em sua busca por alimentos, elas realizam mergulhos profundos e prolongados, podendo chegar a cem metros de profundidade, devido as adaptações que tornam seu mergulho eficiente. Durante o mergulho, as morsas reduzem seu batimento cardíaco, transferem a circulação para os órgãos vitais como cérebro e coração, reduzem o metabolismo e utilizam a grande quantidade de oxigênio armazenada em seu sangue(devido à grande concentração de hemoglobina e mioglobina). Elas residem principalmente em habitats rasos nas prateleiras oceânicas, gastando uma proporção significativa de sua vida no gelo do mar em busca da sua dieta preferida de moluscos bivalves bentônicos. É uma vida relativamente longa animal. Sociável, a morsa é considerada uma espécie-chave nos ecossistemas marinhos do Ártico.
 
Encontra-se vulnerável de acordo com a [[IUCN]] ver. 3.1.<ref>{{Citar web|url=http://www.iucnredlist.org/details/15106/0|titulo=Odobenus rosmarus (Walrus)|acessodata=2018-05-12|obra=www.iucnredlist.org}}</ref>
 
==Migração==
No fim do ano ([[verão]] e no [[outono]]) a morsa tenta juntar dezenas de milhares de individuos em praias rochosas ou afloramentos. A migração entre o [[gelo]] e a praia podem ser de longa distância e dramática, já que normalmente são de mais de 1.8 mil quilômetros. As migrações ocorrem em função da busca de alimento e devido ao fato de serem animais muito visados pelos caçadores. No final da [[primavera]] e no verão, por exemplo, centenas de milhares de morsas do [[oceano Pacífico]] migram do [[mar de Bering]] para o [[mar de Chukchi]] através do [[estreito de Bering]].
211 929

edições