Diferenças entre edições de "Rede Tupi"

| canal aberto 1 = {{Collapsible list |title=Ver mais|02 [[VHF]] ([[Belém (Pará)|Belém]] e [[Fortaleza]])|03 VHF ([[Blumenau]])|04 VHF ([[São Paulo]], [[Curitiba]], [[Goiânia]] e [[Manaus]])|05 VHF ([[Porto Alegre]], [[Salvador]] e [[Uberaba]])|06 VHF ([[Altamira]], [[Brasília]], [[Curitiba]], [[Florianópolis]], [[Recife]] e [[Rio de Janeiro]])|07 VHF ([[Óbidos (Pará)|Óbidos]] e [[Ponta Grossa]])|08 VHF ([[Aracaju]], [[Macapá]] e [[Cuiabá]])|09 VHF ([[Campina Grande]] e [[Vitória (Espírito Santo)|Vitória]])|10 VHF ([[Imperatriz (Maranhão)|Imperatriz]])|11 VHF ([[Apucarana]])|13 VHF ([[Marabá]])}}
}}
'''Rede Tupi''' foi uma [[rede de televisão]] [[brasil]]eira sediada na cidade de [[São Paulo]], capital do [[São Paulo (estado)|estado homônimo]]. Foi a primeira emissora de televisão a operar no país, sendo inaugurada em 18 de setembro de [[1950]] pelo jornalista e empresário [[Assis Chateaubriand]], que também controlava vários outros veículos de comunicação, formando um grande conglomerado, os [[Diários Associados]].<ref>[http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/artigos/132.html Almanaque da Comunicação]{{Ligação inativa|1={{subst:DATA}} }}</ref> Em 20 de janeiro de [[1951]], nasceu a [[TV Tupi Rio de Janeiro|TV Tupi Rio]], depois em 1955 a [[TV Itacolomi]] em Minas Gerais, e em 1960 a [[TV Brasília]], entre outras, que acabaram por formar a rede. Em 18 de julho de [[1980]], devido aos vários problemas administrativos e financeiros, a concessão foi cassada pelo [[Governo federal do Brasil|governo brasileiro]]. Outras 6 emissoras que foram afiliadas dela também saíram do ar.
 
== História ==
[[Ficheiro:O-direito-de-nascer-1978.jpg|miniaturadaimagem|O Direito de Nascer ; segundo versão do sucesso já apresentado na década de 60 pela Tupi, adaptado do texto original cubano de [[Félix Caignet]]]]
[[Ficheiro:Calúnia (TV Tupi).png|miniaturadaimagem|[[Vida Alves]] e [[Geórgia Gomide]] em cena de " Calúnia " (teleteatro apresentado pela Rede Tupi em 1963) ; sendo este o primeiro beijo homossexual exibido pela TV brasileira.]]
Depois de poucos meses de treinamento, alguns radialistas escolhidos por [[Assis Chateaubriand]], o Chatô, lançaram-se à aventura de fazer TV. Os estúdios eram pequenos, o equipamento precário, mas o nascimento da [[TV Tupi São Paulo|TV Tupi]] foi solene. Chateaubriand presidiu a cerimonia que contou com a participação de um cantor [[México|mexicano]], Frei [[José Mojica]], que entoou "A canção da TV", hino composto pelo poeta [[Guilherme de Almeida]], que contou também com a atriz [[Lolita Rodrigues]], especialmente para a ocasião. Um [[balé]] de Lia Marques e declamação da poetisa Rosalina Coelho, nomeada madrinha do "moderno equipamento" fizeram parte do show. A jovem atriz [[Yara Lins]] foi convocada especialmente para dizer o prefixo da emissora — [[PRF-3]] — e o de uma série de rádios que transmitiam em cadeia o acontecimento. A seguir entrou a programação na tela dos cinco aparelhos instalados no saguão do prédio dos Diários Associados.
 
Há muitas histórias a respeito desse dia. Uma delas é que, empolgado, Chateaubriand com problemas na vida pessoal, teria quebrado uma garrafa de [[Champanhe (vinho)|champanhe]] numa das duas câmeras [[RCA]], fazendo com que a TV no Brasil entrasse em cena com apenas metade de sua capacidade, isto é: com apenas uma câmera. Outra é que, acabada a inauguração, a equipe se deu conta de que não havia o que colocar no ar no dia seguinte, pois ninguém havia pensado nisso.
 
=== A primeira transmissão ao vivo ===
[[Imagem:Antigo Cassino da Urca.jpg|200px|thumb|Antiga sede da Rede Tupi, situada no bairro da [[Urca]], no [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]].]]
A TV Tupi de São Paulo estava decidida a transmitir ao vivo a inauguração de Brasília em 21 de abril de 1960 para São Paulo. Nesta época ainda não havia satélites. A criatividade respondeu ao desafio: colocaram três aviões voando em círculos, dois da [[Força Aérea Brasileira|FAB]] e um da [[VASP]]. As aeronaves estavam distribuídas uniformemente na rota entre Brasília e São Paulo, de modo que uma tinha alcance para transmitir as ondas para outra. Assim, a imagem era captada em Brasília e transmitida para o primeiro avião, que retransmitia para o segundo, para o terceiro, o qual, por fim, retransmitia para a antena principal da TV Tupi em São Paulo, que a retransmitia para a região de alcance.
 
A longa crise dos Diários Associados já havia começado muito antes da morte de Assis Chateaubriand, em 4 de abril de 1968. Abalada por problemas financeiros, mal administrada e sem investimentos, a Tupi perde qualidade e audiência.
 
Em 1972, a Rede Tupi de Televisão começa a ser formada. Houve várias divergências sobre qual canal seria a "cabeça da rede": o canal 4 paulistano ou o canal 6 carioca. Houve duas tentativas para que ambas comandassem a Rede Associada. Na primeira, a estação carioca comandaria as emissoras do [[Região Norte do Brasil|Norte]], [[Região Nordeste do Brasil|Nordeste]] e [[Região Centro-Oeste do Brasil|Centro-Oeste]], enquanto que a emissora de [[São Paulo]] controlaria os canais do [[Região Sul do Brasil|Sul]] e [[Região Sudeste do Brasil|Sudeste]]. Na segunda, a Tupi paulista ficaria responsável pela produção de telenovelas, e a Tupi do Rio se encarregaria pelos shows e programas de auditório. Mas as duas ideias não vingaram, e a rixa entre as diretorias das duas estações agravaram a situação da Tupi. O único ponto positivo nestas duas tentativas foi que a Tupi foi a primeira rede de TV da América Latina a possuir duas cabeças geradoras de programação.
 
No ano de 1974, foi assinado o decreto que autoriza a TV Tupi a virar "Rede Tupi de TV", decreto que foi lido por [[Gontijo Teodoro]] na [[Rádio Tupi]].
 
As emissoras concorrentes vão ocupando os espaços vazios deixados pela pioneira. Apesar de uma crise se abater, a emissora emplaca sucessos na década como "[[Mulheres de areia (1973)|Mulheres de areia]]" (1973), "[[Meu rico português]]" (1975) e "[[A Viagem (1975)|A Viagem]]" (1975). No fim dos [[década de 1970|anos 701970]] a situação piora. Os salários atrasam cada vez mais. Há dívidas astronômicas junto à [[INSS|Previdência Social]]. Proliferam muitos escândalos financeiros. Em agosto de 1977, "[[Éramos Seis (1977)|Éramos Seis]]", "[[Cinderela 77]]" e "[[Um sol maior]]" registravam os mais baixos índices de audiência da história do canal. Além da audiência, a publicidade também escapulia para as concorrentes, o caixa se esvaziava, os salários deixavam de ser pagos e a [[greve]] era questão de tempo. Em outubro de 1977, com três meses de salários atrasados, os funcionários iniciaram a primeira greve, mas ela é interrompida com o pagamento parcelado dos débitos.
 
=== O fim ===
 
Os constantes atrasos dos salários mantinham o clima tenso na pioneira. As perspectivas de pagamento dos atrasados eram cada vez mais remotas e as explicações dadas aos funcionários, cada vez mais inconsistentes. Para piorar ainda mais a situação, em outubro de 1978 um incêndio no prédio da emissora, em São Paulo, tirou a Tupi do ar por alguns minutos e destruiu os novos equipamentos adquiridos pela emissora no mesmo ano, e que nem chegaram a entrar em funcionamento. Ainda em 1978, iniciou a construção de sua nova antena transmissora, que seria a maior torre de TV da América do Sul (essa torre seria concluída pelo [[Sistema Brasileiro de Televisão|SBT]] alguns anos depois). No ano seguinte, o elenco de "[[O Espantalho (telenovela)|O Espantalho]]", de [[Ivani Ribeiro]] (exibida pela [[RecordTV]] em 1977), processou a Tupi por não pagar os direitos conexos aos atores que trabalharam na trama. Entre 1979 e 1980, nova greve. A crise chegou a [[Brasília]]. O então presidente da República, [[João Figueiredo]], se dispôs a receber uma comissão de dirigentes dos sindicatos envolvidos.
 
A greve durou até o início de fevereiro de 1980, quando a emissora fechou seu departamento de dramaturgia e dispensou os 250 funcionários que trabalhavam nesse setor. Foram interrompidas as novelas "[[Drácula, Uma História de Amor]]", que só teve 4 capítulos exibidos, e "[[Como salvar meu casamento]]", a 20 episódios de seu desfecho. Além disso, outra trama, "[[Maria Nazaré]]", estava em fase de pré-produção e 32 cenas já estavam gravadas na época, mas não chegou a entrar no ar. Para substituir ''Drácula, uma História de Amor'', foi colocada a reprise da novela [[Éramos Seis (1977)|Éramos Seis]], e em substituição à ''Como Salvar Meu Casamento'', foi colocada a reprise de [[A Viagem (1975)|A Viagem]].
 
No dia [[16 de julho]], a Tupi teve 7 de suas 10 concessões declaradas peremptas (termo jurídico que significa "não-renovável") pelo Governo Federal. A decisão foi publicada no [[Diário Oficial]] no dia seguinte; ainda no dia 17, os funcionários da Tupi do Rio iniciaram uma vigília que durou 18 horas, comandada pelo apresentador [[Jorge Perlingeiro]], com o objetivo de impedir que o canal fosse fechado. Várias personalidades, como o cantor [[Agnaldo Timóteo]] e o humorista [[Costinha (humorista)|Costinha]] deram apoio aos funcionários.
 
Pouco antes do meio-dia de [[18 de julho]], três engenheiros do [[Departamento Nacional de Telecomunicações]], acompanhados por um delegado da [[Polícia Federal]] e mais quatro agentes, subiram ao décimo andar do edifício-sede da TV Tupi de São Paulo, na avenida Professor Alfonso Bovero, nº 52, no bairro do [[Sumaré (bairro de São Paulo)|Sumaré]], para lacrar os transmissores, o que foi feito pontualmente às 12h36. Minutos antes, fora exibida uma missa do [[Papa João Paulo II]] realizada no início daquele mês no [[Aterro do Flamengo]], simultaneamente à locução, feita pelo ator Cévio Cordeiro, de uma mensagem dirigida ao presidente Figueiredo pedindo para que a estação não fosse fechada. Durante o vídeo e a mensagem citados, os funcionários puseram na tela os dizeres ''"Até breve, telespectadores amigos"''. A última imagem transmitida pela Rede Tupi foi a de seu logotipo nas cores da bandeira nacional.<ref>{{citar web|url=https://www.youtube.com/watch?v=FiHMJcfXEAI|titulo=Rede Tupi – a última transmissão (1980) - Youtube|data=08-07-2020|acessodata=09-07-2020|publicado=Vídeo Archives Brasil|ultimo=|primeiro=}}</ref>
{{Quote
|Desta feita, senhor presidente, só vossa excelência poderá nos salvar. Receba os agradecimentos dos empregados da Rede Tupi, em seu nome, e em nome de sua esposa, de seus filhos, cujo o único desejo, única reindivicação, é trabalhar. Deixe-nos trabalhar, Senhor presidente. Senhor presidente [[João Figueiredo|João Baptista de Oliveira Figueiredo.]] Só isso que desejamos. Vossa excelência, é o único capaz de realizar esse milagre. Nem [[João de Deus]] poderia fazê-lo. Só o João de Brasilia. Deus que te abençoe, presidente.
}}
 
A cabeça de rede paulistana foi extinta exatamente 29 anos e dez meses depois de sua inauguração. Saíam também do ar a TV Tupi do [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio]], a [[TV Itacolomi]] de [[Belo Horizonte]], a [[TV Marajoara]] de [[Belém (Pará)|Belém]], a [[TV Piratini]] de [[Porto Alegre]], a [[TV Ceará (Rede Tupi)|TV Ceará]] de [[Fortaleza]], e a [[TV Rádio Clube de Pernambuco|TV Rádio Clube]] de [[Recife]]. Permanece, entretanto, um acervo de duzentos mil rolos de filmes, 6.100 fitas de videotape e textos de telejornais que contam 30 anos de muitas histórias do Brasil e do mundo.
 
=== Recuperação judicial ===
Após o fechamento da Rede Tupi, o governo federal passou o ativo da emissora para empresários. Abriu-se concorrência em <span>23 de julho de</span> 1980 e entraram no páreo o [[Grupo Abril]], o [[Grupo Silvio Santos]] (que controla o SBT), o [[Grupo Bloch]] ([[Rede Manchete]]), além de outras companhias menores. Como na época, a [[Revista Veja]] estava incomodando o governo com críticas, eles decidiram passar em 23 de abril de 1981, uma nova licença do canal 4 paulistano para a [[Sistema Brasileiro de Televisão|TVS]], o canal 6 carioca para o Grupo Bloch e a partir de 1985, os outros ativos da emissora (prédio, equipamentos e outro canal não utilizado) para os Grupos Silvio Santos e Abril.
 
Atualmente o prédio da emissora é a sede da [[Abril Radiodifusão]], que por 23 anos, gerou o canal [[MTV Brasil]], atualmente em [[televisão por assinatura]] diretamente pela [[Viacom (1952–2006)|Viacom]], sob o nome [[MTV (Brasil)|MTV]]. Apesar de não conseguir a licença do canal 4 em [[VHF]], necessário para realizar o projeto de criação de sua rede de televisão, em janeiro de 1987, o Grupo Abril conseguiu o seu canal em [[UHF]]. Após conseguir seu canal próprio, e com a maturidade da MTV Brasil no mercado, a Abril Radiodifusão efetuou em 2003, o pedido de várias licenças de [[Retransmissora|retransmissão de TV]] em várias localidades do país. Após uma rápida crise no grupo e a enorme queda de audiência, não apenas para concorrentes diretos, mas também para a [[internet]], a MTV Brasil fechou em 30 de setembro de 2013, dando lugar a [[Ideal TV]] que, anteriormente, foi um [[canal por assinatura]], agora como emissora provisória, uma vez que a Abril não manifesta interesse em manter o canal. Em 18 de dezembro de 2013, o Grupo Abril anunciou a venda da Abril Radiodifusão, que transmite a Ideal TV, para o [[Grupo Spring de Comunicação]], que edita a edição brasileira da revista [[Rolling Stone Brasil|Rolling Stone]].<ref>{{citar web |url=http://grupoabril.com.br/pt/imprensa/releases/nota-abril-radiodifusao |título=Nota - Abril Radiodifusão |acessodata=18 de dezembro de 2013 |data=18 de dezembro de 2013 |obra=Assessoria de Imprensa |publicado=[[Grupo Abril]] |arquivourl=https://web.archive.org/web/20131219031457/http://grupoabril.com.br/pt/imprensa/releases/nota-abril-radiodifusao |arquivodata=2013-12-19 |urlmorta=yes }}</ref><ref name="venda2013_1">{{citar web|último=Ribeiro|primeiro=Igor|título=Abril vende espólio da MTV a Spring|url=http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/18/Abril-vende-espolio-da-MTV-a-Spring.html|obra=Meio & Mensagem|acessodata=19 de dezembro de 2013|data=18 de dezembro de 2013}}</ref> Os valores da transação não foram divulgados, mas segundo fontes ouvidas pelo jornal [[Folha de S. Paulo]], a venda foi fechada em cerca de R$ 350 milhões e foi realizada pelo banco americano [[JPMorgan Chase|JP Morgan]].<ref>{{citar web |url=http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/12/1387628-grupo-da-rolling-stone-compra-o-canal-da-antiga-mtv.shtml |título= Grupo da 'Rolling Stone' compra o canal da antiga MTV |acessodata=21 de dezembro de 2013 |data=18 de dezembro de 2013 |obra=Ilustrada |publicado=[[Folha de S. Paulo]]}}</ref><ref name="venda2013_2">{{citar web|último=Possebon|primeiro=Samuel|título=Abril vende outorgas de TV para ex-VP da Band e do SBT|url=http://www.telaviva.com.br/18/12/2013/abril-vende-outorgas-de-tv-para-ex-vp-da-band-e-do-sbt/tl/364632/news.aspx|obra=Tela Viva|publicado=Converge Comunicações|acessodata=19 de dezembro de 2013|data=18 de dezembro de 2013|arquivourl=https://web.archive.org/web/20150106234548/http://www.telaviva.com.br/18/12/2013/abril-vende-outorgas-de-tv-para-ex-vp-da-band-e-do-sbt/tl/364632/news.aspx|arquivodata=2015-01-06|urlmorta=yes}}</ref> A venda foi aprovada pelo [[Ministério das Comunicações (Brasil)|Ministério das Comunicações]] e pelo [[Conselho Administrativo de Defesa Econômica|CADE]].<ref name="venda2013_3">{{citar web|último=Castro|primeiro=Daniel|título=Abril vende canal da MTV para editora da revista Rolling Stone|url=http://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/mercado/abril-vende-canal-da-mtv-para-editora-da-revista-rolling-stone-1569|obra=Notícias da TV|publicado=[[Universo Online]]|acessodata=19 de dezembro de 2013|data=18 de dezembro de 2013|autorlink=Daniel Castro|coautores=Pacheco, Paulo}}</ref> No ano seguinte, o presidente em exercício [[Michel Temer]] e [[Gilberto Kassab]], então titular do [[Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações]].<ref>{{citar web |url=http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/Dsn/Dsn14414.htm |título=DECRETO DE 20 DE OUTUBRO DE 2016 |acessodata=15 de agosto de 2017}}</ref><ref>{{citar web |url=http://propmark.com.br/midia/decreto-autoriza-abril-a-repassar-concessao-de-tv-para-spring |título=Decreto autoriza Abril a repassar concessão de TV para Spring |autor=Paulo Macedo |data=21 de outubro de 2016 |publicado=Porpmark |acessodata=15 de agosto de 2017}}</ref><ref>{{citar web |url=http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=5278479&disposition=inline |título=PARECER (SF) Nº 41, DE 2017 |publicado=[[Senado Federal do Brasil]] |acessodata=15 de agosto de 2017}}</ref>
* MORAIS, Fernando. Chatô: Rei do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1994
* RAMOS, José Mário Otiz. Televisão, publicidade e cultura de massa. Petrópolis: Vozes, 1995
* {{Citar livro |sobrenome=Alves |nome=Vida |autorlink=Vida Alves |título=TV Tupi |subtítulo=Uma Linda História de Amor |url=http://aplauso.imprensaoficial.com.br/livro-interna.php?iEdicaoID=146 |local=[[São Paulo (cidade)|São Paulo]] |editora=[[Imprensa Oficial do Estado de São Paulo]] |ano=2008 |página= |páginas=416 |isbn=9788570605924 |acessodata=26 de setembro de 2015}}
 
{{Referências}}