TV Cultura: diferenças entre revisões

420 bytes adicionados ,  12h56min de 21 de setembro de 2020
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 187.26.72.73 para a última revisão de Douglasboavista, de 21h06min de 17 de setembro de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
Após quatro meses de transmissões experimentais que iniciaram no dia [[4 de abril]], foi reinaugurada a TV Cultura às 19h30 do dia [[15 de junho]], com a apresentação dos discursos do então governador, [[Abreu Sodré]] e do presidente da [[Fundação Padre Anchieta]], [[José Bonifácio Coutinho Nogueira]] (que posteriormente veio a fundar a [[EPTV]], rede de quatro emissoras afiliadas à [[Rede Globo]] no [[interior de São Paulo]] e no [[Sul de Minas Gerais]]). Em seguida, foi exibido um clipe mostrando o surgimento da emissora, os planos para o futuro e uma descrição dos programas que passariam a ser apresentados a partir do dia seguinte. Além disso foi exibida uma fita com o [[Papa Paulo VI]] dando bênção à TV Cultura.
 
O primeiro programa a ser exibido pela Cultura foi o documentário ''Planeta Terra'', no dia [[16 de junho]], às 19h30, que trazia como tema [[terremoto]]s, [[Vulcão|vulcões]] e fenômenos que ocorrem nas profundezas do planeta. Em seguida, às 19h55, foi levado ao ar um boletim [[Meteorologia|meteorológico]] chamado ''A Moça do Tempo'', apresentado por Albina Mosqueiro. Às 20h iniciava uma série chamada de ''Curso de Madureza Ginasial'' (onde [[Ruth Cardoso]], ex-primeira-dama presidencial era uma das professoras que dava aula pela televisão), sendo um dos seus maiores desafios o de provar que uma aula transmitida por televisão poderia ser, ao mesmo tempo, eficiente e agradável. Estiveram entre os primeiros programas da emissora, a peça ''O Feijão e o Sonho'', de [[Orígenes Lessa]]; ''Quem Faz o Quê'', sobre profissões; ''Sonatas de Beethoven'', com o pianista Fritz Jank; e ''O Ator na Arena'', com [[Ziembinski]]. O primeiro logotipo da TV Cultura em sua fase na Fundação Padre Anchieta foi adaptação do desenho original dos designers [[João Carlos Cauduro|João Cauduro]] e Ludovico Martino, do escritório paulista Cauduro-Martino<ref>{{citar web|URL=http://enciclopedia.itaucultural.org.br/instituicao6617/cauduro-martino-arquitetos-associados|título=Cauduro Martino Arquitetos Associado|autor=|data=10 de fevereiro de 2017|publicado=Enciclopédia Itaú Cultural|acessodata=}}</ref>, o seu "bonequinho" - como apelidaram seu símbolo{{carece de fontes}}, que inicialmente era acompanhado da assinatura "TV-2 Cultura". O verde desde sua fundação é tido como a cor oficial da instituição.
 
No dia [[28 de fevereiro]] de [[1986]] outro incêndio atinge a sede da TV Cultura, na cidade de São Paulo. O [[fogo]] destruiu 90% dos equipamentos da emissora, fazendo com que ela ficasse três horas fora do ar. A emissora, com equipamentos emprestados das TVs Globo, [[Rede Manchete|Manchete]] e [[Rede Bandeirantes|Bandeirantes]], retorna ao ar noticiando o incêndio e cobrindo todo o trabalho dos bombeiros.<ref>{{citar web| ultimo=Rocha | primeiro=Liana Vidigal | titulo=A história da TV Cultura em quatro fases: de 1969 a 2006 | publicado=[[Universidade Federal do Tocantins|UFT]] e ALCAR |data=outubro de 2010 | obra= | url=http://www.ufrgs.br/alcar/noticias-dos-nucleos/artigos/A%20historia%20da%20TV%20Cultura%20em%20quatro%20fases%20de%201969%20a%202006.pdf | acessodata=08-04-2016 }}</ref>