Diferenças entre edições de "Companhia de Eletricidade do Estado do Rio de Janeiro"

sem resumo de edição
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 187.14.226.88, com Reversão e avisos)
Etiqueta: Reversão manual
 
== História ==
A história da CERJ é a história do pioneirismo da energia elétrica no Estadoestado do Rio de Janeiro, iniciada há mais de um século, no ano de 1883, em [[Campos dos Goytacazes]], (nortena do Estado doregião [[RioNorte de Janeiro (estado)|Rio de JaneiroFluminense]]) com a instalação de uma pequena usina termoelétrica para suprir a energia de 39 luminárias de rua — o sistema de iluminação pública da cidade. Criava-se a primeira Companhiacompanhia de Eletricidadeeletricidade da [[América Latina]]. Na [[década de 1930]], após vários anos de controle estrangeiro no sistema elétrico fluminense, o governo do estado resolve começar a investir nessa área porém só em [[1954]] cria a ''Empresa Fluminense de Energia Elétrica'' (EFE).<ref>{{Citar web|titulo=Wayback Machine|url=https://web.archive.org/web/20001010232708/http://www.cerj.com.br/port/index_ac.htm|obra=web.archive.org|data=2000-10-10|acessodata=2020-05-20}}</ref>
 
Em [[1963]], o governo fluminense decide redimensionar o setor energético estadual e cria ''holding'' Centrais Elétricas Fluminenses S.A. (CEFLCELF), que reúne diversas empresas deficitárias fornecedoras de energia elétrica,: além da EFE, a Centro Fluminense de Eletricidade S.A (CEFE), a S.A. Força e Luz Íbero-Americana e a Companhia Norte Fluminense de Eletricidade. Em [[1967]], a CELF incorpora todas as suas subsidiárias e passa a responder pelos serviços prestados por elas.
 
Após da fusão do estado do Rio de Janeiro com o estado da [[Guanabara]], em [[1975]], parte da CELF é vendida para a Companhia Brasileira de Energia Elétrica (CBEE), no ano de [[1977]], cujo controle era privado e passa, naquele ano, a ser de controle do estado do Rio. Em abril de [[1980]], a CBEE assume todas as operações da CELF e tem sua denominação alterada para Companhia de Eletricidade do Estado do Rio de Janeiro (CERJ).
 
Privatizada em leilão em [[20 de novembro]] de [[1996]], durante o governo de [[Marcello Alencar]] continuou se chamando CERJ, uma vez que o governo do estado ainda detinha uma porcentagem na empresa. A CERJ só mudou sua denominação no início dos anos 2002000, quando passou a se chamar Ampla, e atualmente chamada de [[Enel Distribuição Rio]], após ser adquirida pela [[Enel|Enel Spa]], companhia italiana.
 
Ainda é a empresa responsável pelo abastecimento energético em grande parte do estado do Rio de Janeiro (57 cidades), excetuando-se parte da [[Região Metropolitana do Rio de Janeiro]], do [[Microrregião do Vale do Paraíba Fluminense|Vale do Paraíba Fluminense]] e o município de [[Nova Friburgo]], possuindo cerca de 4,3 milhões de clientes.
 
Ainda é a empresa responsável pelo abastecimento energético em grande parte do estado do Rio (57 cidades), excetuando-se parte da [[Região Metropolitana do Rio de Janeiro]], do [[Microrregião do Vale do Paraíba Fluminense|Vale do Paraíba Fluminense]] e o município de [[Nova Friburgo]], possuindo cerca de 4,3 milhões de clientes.
 
{{Referências}}
 
 
== Ligações externas ==
8 203

edições