Abrir menu principal
Piramboia (Lepidosiren paradoxa) exemplo de um peixe pulmonado que faz estivação

A estivação, também conhecida como "a dormência", é um comportamento de certas espécies, (como: certas espécies de peixe (piramboia - peixe pulmonado), anfíbios e moluscos ) que se manifestam frente a determinadas adversidades ambientais. Guerra salienta que, "A estivação ou qualquer outro tipo de ritmo, por ser uma suspensão temporária e periódica das atiνidades, pode ser encarada como parte de uma estratégia geral da evolução"[1]. Os seres vivos que entram em estivação, voltam as suas atividades metabólicas quando em contato com a água, ou seja, a estivação ocorre quando os seres vivos estão em pouco contato com a água, geralmente em espoca de estiagem e secas em certos períodos do ano e regiões. No quadro abaixo mostra um panorama geral, salientando alguns tópicos importantes sobre estivação:

Estivação (comportamentos de certos seres vivos que necessitam da água para voltar suas atividades)
Temperatura ambiente Alta
Temperatura Corporal Alta
Atividade Baixa
Metabolismo Baixa

Podemos observar que diferente da hibernação que ocorre em mamíferos e aves, onde a temperatura ambiente é baixa, na estivação a temperatura ambiente é alta.

No que diz respeito aos peixes pulmonados, resulta quase sempre de uma proteção contra o secamento temporário dos habitats, com a passagem para o estado de dormência ou quiescência sem perda da vitalidade. Algumas outras espécies também entram em estivação como observados em moluscos. Certos moluscos desenvolvem uma "proteção contra o secamento temporário dos habitats, com a passagem para o estado de dormência ou quiescência sem perda da vitalidade."[2] Longo após o estado crítico, ou seja, após o retorno das condições favoráveis, os moluscos que estavam em estivação, retornam as suas atividades normais.

O comportamento também é muito comum em anuros de regiões áridas, esses animais passam cerca de 9 a 10 meses do ano estivando, em estado de baixo metabolismo aguardando a época das chuvas em que eles podem se alimentar e reproduzir. Portanto, é o estado de latência com redução sensível no metabolismo e na temperatura corporal durante o verão, apresentado por animais homeotérmicos.

Com o retorno de condições favoráveis, os indivíduos estivados são capazes de retornar as atividades normais.

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Guerra, Rafael Torquemada; Guerra, Rafael Torquemada (1988-6). «Ecologia dos oligochaeta da Amazônia. II. Estudo da estivação e da atividade de Chibui bari, através da produção de excrementos». Acta Amazonica. 18 (1-2): 27–34. ISSN 0044-5967. doi:10.1590/1809-43921988182034  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Teles, Horacio Manuel Santana; Marques, Cristiano Correa de Azevedo (1989-02). «Estivação de Biomphalaria tenagophila (Pulmonata, Planorbidae)». Revista de Saúde Pública. 23: 76–78. ISSN 0034-8910. doi:10.1590/S0034-89101989000100010  Verifique data em: |data= (ajuda)