Hibernação

Disambig grey.svg Nota: Para o conceito computacional, veja Hibernação (computação).

A hibernação é um estado de atividade mínima e depressão metabólica sofrido por algumas espécies animais. É uma heterotermia sazonal caracterizada por baixa temperatura corporal, respiração e frequência cardíaca lentas e baixa taxa metabólica. Ocorre mais comumente durante os meses de inverno.

Morcegos hibernando em uma mina de prata

Embora tradicionalmente reservado para hibernadores "profundos", como roedores, o termo foi redefinido para incluir animais como ursos[1] e agora é aplicado com base na supressão metabólica ativa, em vez de qualquer declínio absoluto na temperatura corporal. Muitos especialistas acreditam que os processos de torpor e hibernação diários formam um continuum e utilizam mecanismos semelhantes.[2][3] O equivalente durante os meses de verão é a estivação.

A hibernação funciona para conservar energia quando não há comida suficiente disponível. Para alcançar essa economia de energia, um animal endotérmico diminui sua taxa metabólica e, portanto, sua temperatura corporal.[3] A hibernação pode durar dias, semanas ou meses – dependendo da espécie, temperatura ambiente, época do ano e condição corporal do indivíduo. Antes de entrar em hibernação, os animais precisam armazenar energia suficiente para durar todo o período de dormência, possivelmente até um inverno inteiro. Espécies maiores tornam-se hiperfágicas, ingerindo uma grande quantidade de alimentos e armazenando a energia em depósitos de gordura. Em muitas espécies pequenas, o armazenamento em cache de alimentos substitui comer e engordar.[4]

Algumas espécies de mamíferos hibernam durante a gestação, que nascem enquanto a mãe hiberna ou logo depois.[5] Por exemplo, as ursas negras entram em hibernação durante os meses de inverno para dar à luz seus filhotes.[6] As mães grávidas aumentam significativamente sua massa corporal antes da hibernação, e esse aumento se reflete ainda mais no peso da prole. A acumulação de gordura permite-lhes proporcionar um ambiente suficientemente quente e acolhedor para os seus recém-nascidos. Durante a hibernação, eles perdem 15 a 27% de seu peso pré-hibernação usando suas gorduras armazenadas como energia.[7]

Animais ectotérmicos também passam por períodos de supressão metabólica e dormência, que em muitos invertebrados é chamado de diapausa. Alguns pesquisadores e membros do público usam o termo "brumato" para descrever a dormência de inverno de répteis, mas acredita-se que o termo mais geral hibernação seja adequado para se referir a qualquer dormência de inverno.[8] Muitos insetos, como a vespa Polistes exclamans, exibem períodos de dormência que muitas vezes são chamados de hibernação, apesar de sua ectotermia.[9] Os botânicos podem usar o termo "hibernação de sementes" para se referir a uma forma de dormência de sementes.[10]

Dormência e congelamento em ectotérmicosEditar

Devido a eles não poderem ativamente regular sua temperatura corporal ou taxa metabólica, animais ectotérmicos (incluindo peixes, répteis e anfíbios) não podem hibernar. Eles podem experimentar taxas metabólicas diminuídas associadas a ambientes mais frios ou baixa disponibilidade de oxigênio (hipóxia) e apresentar dormência (conhecida como brumação). Pensava-se que os tubarões-peregrinos se estabeleceram no fundo do Mar do Norte e ficaram adormecidos, mas uma pesquisa de David Sims em 2003 desfez essa hipótese,[11] mostrando que os tubarões viajavam longas distâncias ao longo das estações, rastreando as áreas com as maiores quantidade de plâncton. Os tubarões-epaulette foram documentados como capazes de sobreviver por três horas sem oxigênio e em temperaturas de até 26 °C (79 °F<)[12] como um meio de sobreviver em seu habitat na costa, onde os níveis de água e oxigênio variam com a maré. Outros animais capazes de sobreviver por longos períodos com muito pouco ou nenhum oxigênio incluem peixes-dourados, tartarugas-de-orelha-vermelha, rãs-da-floresta e gansos-de-cabeça-listada.[13] A capacidade de sobreviver a condições hipóxicas ou anóxicas não está intimamente relacionada à hibernação endotérmica.

Alguns animais podem literalmente sobreviver ao inverno congelando. Por exemplo, alguns peixes, anfíbios e répteis podem congelar naturalmente e depois "acordar" na primavera. Essas espécies desenvolveram mecanismos de tolerância ao congelamento, como proteínas anticongelantes.[14]

Gatilho de indução de hibernaçãoEditar

O gatilho de indução de hibernação (GIH) é um pouco impróprio. Embora pesquisas na década de 1990 sugerissem a capacidade de induzir torpor em animais por injeção de sangue retirado de um animal em hibernação, pesquisas posteriores não conseguiram reproduzir esse fenômeno. Apesar da incapacidade de induzir o torpor, existem substâncias no sangue dos hibernadores que podem dar proteção aos órgãos para um possível transplante. Os pesquisadores conseguiram prolongar a vida do coração de um porco isolado com um GIH.[15] Isso pode ter implicações potencialmente importantes para o transplante de órgãos, pois pode permitir que os órgãos sobrevivam por até dezoito horas fora do corpo humano. Isso seria uma grande melhoria em relação às seis horas atuais.

O suposto GIH é uma mistura derivada do soro sanguíneo, incluindo pelo menos uma substância do tipo opióide. DADLE é um opióide que em alguns experimentos demonstrou ter propriedades funcionais semelhantes.[16]

Em humanosEditar

Pesquisadores estudaram como induzir a hibernação em humanos.[17][18] A capacidade de hibernar seria útil por vários motivos, como salvar a vida de pessoas gravemente doentes ou feridas, colocando-as temporariamente em estado de hibernação até que o tratamento possa ser administrado. Para viagens espaciais, a hibernação humana também está sendo considerada, como para missões a Marte.[19]

Os antropólogos também estão estudando se a hibernação era possível nas primeiras espécies de hominídeos.[20]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Do Black Bears Hibernate?». North American Bear Center. North American Bear Center. 28 de janeiro de 2008. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  2. Watts PD, Oritsland NA, Jonkel C, Ronald K (1981). «Mammalian hibernation and the oxygen consumption of a denning black bear (Ursus americanus)». Comparative Biochemistry and Physiology A. 69 (1): 121–3. doi:10.1016/0300-9629(81)90645-9 
  3. a b Geiser, Fritz (2004). «Metabolic Rate and Body Temperature Reduction During Hibernation and Daily Torpor». Annual Review of Physiology. 66: 239–274. PMID 14977403. doi:10.1146/annurev.physiol.66.032102.115105 
  4. Humphries, M. M.; Thomas, D.W.; Kramer, D.L. (2003). «The role of energy availability in mammalian hibernation: A cost-benefit approach». Physiological and Biochemical Zoology. 76 (2): 165–179. PMID 12794670. doi:10.1086/367950 
  5. Hellgren, Eric C. (1998). «Physiology of Hibernation in Bears» (PDF). Ursus. 10: 467–477. JSTOR 3873159 
  6. DeMaster, Douglas P.; Stirling, Ian (8 de maio de 1981). «Ursus maritimus». Mammalian Species (em inglês) (145): 1–7. ISSN 0076-3519. JSTOR 3503828. doi:10.2307/3503828  
  7. Molnar PK, Derocher AE, Kianjscek T, Lewis MA (2011). «Predicting climate change impacts on polar bear litter size». Nat Commun. 2: 186. Bibcode:2011NatCo...2..186M. PMC 3105343 . PMID 21304515. doi:10.1038/ncomms1183 
  8. Ultsch, Gordon R. 1989. Ecology and Physiology of Hibernation and Overwintering Among Freshwater Fishes, Turtles, and Snakes. Biological Reviews 64(4), pp. 435-515. doi:10.1111/j.1469-185X.1989.tb00683.x
  9. González, Jorge M.; Vinson, S. Bradleigh (2007). «Does Polistes exclamans Vierek (Hymenoptera: Vespidae) Hibernate Inside Muddauber Nests?». Southwestern Entomologist. 32 (1): 67–71. doi:10.3958/0147-1724-32.1.69 
  10. Cruzan, Mitchell B. (2018). Evolutionary Biology: A Plant Perspective. Nova Iorque: Oxford University Press. p. 146. ISBN 9780190882686. Consultado em 21 de setembro de 2019. Com exceção de algumas espécies tropicais, a germinação das sementes é tipicamente postergada por algum período que é determinado pelas características das sementes e pelas condições ambientais a que estão expostas [...]. [...] as sementes podem não germinar e persistir no solo por muitos anos. Nesse caso, a latência é induzida por condições ambientais externas, de modo que essas sementes estão efetivamente em hibernação. [...] Por causa da hibernação e dormência das sementes, muitas populações de plantas consistem em indivíduos adultos, bem como Bancos de Sementes que podem ser compostos de sementes produzidas ao longo de várias estações de cultivo. 
  11. Sims, DW; Southall, EJ; Richardson, AJ; Reid, PC; Metcalfe, JD (2003). «Seasonal movements and behavior of basking sharks from archival tagging» (PDF). Marine Ecology Progress Series. 248: 187–196. doi:10.3354/meps248187  
  12. «A Shark With an Amazing Party Trick». New Scientist. 177 (2385). 46 páginas. 8 de março de 2003. Consultado em 6 de outubro de 2006. Arquivado do original em 26 de abril de 2003 
  13. Douglas Fox (8 de março de 2003). «Breathless: A shark with an amazing party trick is teaching doctors how to protect the brains of stroke patients». New Scientist. 177 (2385). p. 46. Consultado em 9 de novembro de 2006. Arquivado do original em 29 de fevereiro de 2012 
  14. Vitt, Laurie J.; Caldwell, Janalee (2014). Herpetology: an introductory biology of amphibians and reptiles 4th ed. Amsterdam: [s.n.] ISBN 978-0-12-386919-7. OCLC 839312807 
  15. Bolling, S.F.; Tramontini, N.L., Kilgore, K.S., Su, T-P., Oeltgen, P.R., Harlow, H.H. (1997). «Use of "Natural" Hibernation Induction Triggers for Myocardial Protection». The Annals of Thoracic Surgery. 64 (3): 623–627. PMID 9307448. doi:10.1016/s0003-4975(97)00631-0 
  16. Oeltgen PR, Nilekani SP, Nuchols PA, Spurrier WA, Su TP (1988). «Further studies on opioids and hibernation: delta opioid receptor ligand selectively induced hibernation in summer-active ground squirrels». Life Sci. 43 (19): 1565–74. PMID 2904105. doi:10.1016/0024-3205(88)90406-7 
  17. Britt, Robert (21 de abril de 2005). «New Hibernation Technique might work on humans». LiveScience 
  18. Harlow, John (27 de maio de 2007). «Race to be first to 'hibernate' human beings». Times Online (from The Sunday Times). Arquivado do original em 7 de agosto de 2008 
  19. «Hibernating astronauts would need smaller spacecraft». European Space Agency. 18 de novembro de 2019 
  20. Antonis Bartsiokas, Juan-Luis Arsuaga (dezembro de 2020). «Hibernation in hominins from Atapuerca, Spain half a million years ago». L'Anthropologie. 24 (5): 102797. doi:10.1016/j.anthro.2020.102797. Consultado em 21 de dezembro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Carey, H.V.; Andrews, M.T.; Martin, S.L. (2003). «Mammalian hibernation: cellular and molecular responses to depressed metabolism and low temperature». Physiological Reviews. 83 (4): 1153–1181. PMID 14506303. doi:10.1152/physrev.00008.2003 
  • «Hibernation». McGraw-Hill Encyclopedia of Science and Technology. 1–20 11th ed. McGraw-Hill. 2012 

Ligações externasEditar

 
O Wikcionário tem o verbete hibernação.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Hibernação