Estratégia

(Redirecionado de Estrategista)
 Nota: Para outros significados, veja Estratégia (desambiguação).

Estratégia (do grego antigo στρατηγία: stratēgia, tendo como significado a arte de liderar uma tropa; comandar)[1] designava o comandante militar à época da democracia ateniense. O idioma grego apresenta diversas variações, como strategicós, ou próprio do general chefe; stratégema, ou estratagema, ardil de guerra; stratiá, ou expedição militar; stráutema, ou exército em campanha; stratégion, ou tenda do general, dentre outras.

Trata-se de um plano geral para alcançar um ou mais objetivos globais ou de longo prazo sob condições de incerteza. No sentido de " arte do general", que incluía vários subconjuntos de habilidades, incluindo táticas militares, cerco, logística, etc., o termo entrou em uso no século VI d.C. na terminologia romana oriental, e foi traduzido para línguas vernáculas ocidentais apenas no século XVIII. A partir daí e até ao século XX, a palavra “estratégia” passou a denotar “uma forma abrangente de tentar prosseguir fins políticos, incluindo a ameaça ou o uso efetivo da força, numa dialética de vontades” num conflito militar, em que ambos os adversários interagir.[2]

A estratégia é importante porque os recursos disponíveis para atingir as metas são geralmente limitados. A estratégia geralmente envolve o estabelecimento de metas e prioridades, a determinação de ações para atingir as metas e a mobilização de recursos para executar as ações. Uma estratégia descreve como os fins (metas) serão alcançados pelos meios (recursos). A estratégia pode ser intencional ou pode surgir como um padrão de atividade à medida que a organização se adapta ao seu ambiente ou compete. Envolve atividades como planejamento estratégico e pensamento estratégico.[3]

Henry Mintzberg, da Universidade McGill, definiu estratégia como um padrão em um fluxo de decisões para contrastar com uma visão de estratégia como planejamento, enquanto Henrik von Scheel define a essência da estratégia como as atividades para entregar uma combinação única de valor – escolhendo realizar atividades de maneira diferente ou realizar atividades diferentes das dos rivais. Enquanto Max McKeown argumenta que “a estratégia trata de moldar o futuro” e é a tentativa humana de chegar a “fins desejáveis ​​com os meios disponíveis”. Vladimir Kvint define estratégia como “um sistema para encontrar, formular e desenvolver uma doutrina que garantirá o sucesso a longo prazo se for seguida fielmente”. Os teóricos da complexidade definem estratégia como o desdobramento dos aspectos internos e externos da organização que resulta em ações num contexto socioeconômico.[4]

Área Militar editar

 Ver artigo principal: Estratégia militar

Na teoria militar, estratégia é "a utilização, durante a paz e a guerra, de todas as forças da nação, por meio de planejamento e desenvolvimento em larga escala e de longo alcance, para garantir a segurança e a vitória".[5] O pai do estudo estratégico moderno ocidental, Carl von Clausewitz, definiu estratégia militar como "o emprego de batalhas para alcançar o fim da guerra". A definição de B. H. Liddell Hart coloca menos ênfase nas batalhas, definindo estratégia como “a arte de distribuir e aplicar meios militares para cumprir os fins da política”.[6] Conseqüentemente, ambos deram preeminência aos objetivos políticos sobre os objetivos militares. O instrutor da Escola de Guerra Naval dos EUA, Andrew Wilson, definiu estratégia como o "processo pelo qual o propósito político é traduzido em ação militar".[7] Lawrence Freedman definiu estratégia como a "arte de criar poder".[8]

Sun Tzu foi o estrategista chinês que, no século IV a.C., escreveu um tratado nominado A Arte da Guerra, que abordava de forma abrangente as estratégias militares. Segundo o mesmo, a formulação de uma estratégia deve respeitar princípios fundamentais, caso contrário você não vencerá as batalhas, conflitos ou guerras. Disse ele: "Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas". A filosofia militar oriental remonta a muito mais tempo, com exemplos como A Arte da Guerra, de Sun Tzu, datado de cerca de 500 a.C.[9]

O Livro dos Cinco Anéis foi escrito em 1645 pelo guerreiro mais famoso do Japão, o samurai Miyamoto Musashi. A sua técnica de arte marcial, Niten Ichi Ryu, tornou-o imbatível por muitos duelos durante toda a sua vida. Nicolau Maquiavel, autor do livro O Principe, texto sobre política prática, também escreveu uma obra chamada Dell'arte della guerra (A Arte da Guerra), além de outras obras de suma importância ao estrategismo.

Carl von Clausewitz é, talvez, o autor estratégico mais importante na ciência militar moderna, sendo o autor de Da Guerra, embora a sua obra não tenha sido completa devido à morte do autor. Da Guerra tornou-se um dos mais respeitados clássicos de estratégia militar.[10] Ele declarou: "Subordinar o ponto de vista político ao militar seria absurdo, pois foi a política que criou a guerra... A política é a inteligência orientadora e a guerra apenas o instrumento, e não vice-versa".[11] O general francês André Beaufre produziu uma das definições de estratégia mais brilhantes e elegantes quando disse: "Estratégia é a arte da dialética das vontades valendo-se da força para resolver o seu conflito".[12]

Elementos editar

O professor Richard P. Rumelt descreveu a estratégia como um tipo de solução de problemas em 2011. Ele escreveu que uma boa estratégia tem uma estrutura subjacente que chamou de Núcleo. O núcleo tem três partes: 1) Um diagnóstico que define ou explica a natureza do desafio; 2) Uma política orientadora para lidar com o desafio; e 3) Ações coerentes destinadas à execução da política orientadora. [13] O Presidente Kennedy ilustrou estes três elementos de estratégia no seu Discurso à Nação sobre a Crise dos Mísseis de Cuba, de 22 de Outubro de 1962:

  1. Diagnóstico: "Este governo, como prometido, manteve a vigilância mais próxima do aumento militar soviético na ilha de Cuba. Na semana passada, evidências inequívocas estabeleceram o fato de que uma série de locais de mísseis ofensivos estão agora em preparação naquele aprisionado ilha. O objetivo dessas bases não pode ser outro senão fornecer uma capacidade de ataque nuclear contra o Hemisfério Ocidental".
  2. Política Orientadora: "Nosso objetivo inabalável, portanto, deve ser impedir o uso desses mísseis contra este ou qualquer outro país e garantir sua retirada ou eliminação do Hemisfério Ocidental".
  3. Planos de Acção: O primeiro entre sete passos numerados foi o seguinte: "Para deter esta acumulação ofensiva, está a ser iniciada uma quarentena estrita de todo o equipamento militar ofensivo enviado para Cuba. Todos os navios de qualquer tipo com destino a Cuba, de qualquer nação ou porto, se que contenha cargas de armas ofensivas, seja devolvido".[14]

Rumelt escreveu em 2011 que três aspectos importantes da estratégia incluem “a premeditação, a antecipação do comportamento dos outros e o desenho proposital de ações coordenadas”. Ele descreveu a estratégia como a resolução de um problema de design, com compromissos entre vários elementos que devem ser organizados, ajustados e coordenados, em vez de um plano ou escolha.[15]

Formulação e implementação editar

A estratégia normalmente envolve dois processos principais: formulação e implementação. A formulação envolve a análise do ambiente ou situação, o diagnóstico e o desenvolvimento de políticas orientadoras. Inclui atividades como planejamento estratégico e pensamento estratégico. A implementação refere-se aos planos de ação realizados para atingir as metas estabelecidas pela política orientadora.[16][15]

Bruce Henderson escreveu em 1981 que: “A estratégia depende da capacidade de prever as consequências futuras das iniciativas presentes”. Ele escreveu que os requisitos básicos para o desenvolvimento da estratégia incluem, entre outros fatores:

  1. amplo conhecimento sobre o ambiente, o mercado e os concorrentes;
  2. capacidade de examinar esse conhecimento como um sistema dinâmico interativo; e
  3. imaginação e lógica para escolher entre alternativas específicas. Henderson escreveu que a estratégia era valiosa por causa de: "recursos finitos, incerteza sobre a capacidade e intenções de um adversário; o compromisso irreversível de recursos; necessidade de coordenação de ações ao longo do tempo e distância; incerteza sobre o controle da iniciativa; e a natureza das ações mútuas dos adversários. percepções um do outro".[17]

Estratégia Antiterrorista editar

Dado que o contraterrorismo envolve esforços sincronizados de numerosas entidades burocráticas concorrentes, os governos nacionais criam frequentemente estratégias abrangentes de contraterrorismo a nível nacional. Uma estratégia nacional de contraterrorismo é um plano do governo para usar os instrumentos do poder nacional para neutralizar os terroristas, as suas organizações e as suas redes, a fim de torná-los incapazes de usar a violência para incutir o medo e coagir o governo ou os seus cidadãos a reagir. de acordo com os objectivos dos terroristas. Os Estados Unidos tiveram várias estratégias deste tipo no passado, incluindo a Estratégia Nacional dos Estados Unidos para o Contraterrorismo (2018); a Estratégia Nacional de Contraterrorismo da era Obama (2011); e a Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo (2003). Houve também uma série de planos auxiliares ou de apoio, como a Estratégia de 2014 para Combater o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, e o Plano de Implementação Estratégica de 2016 para Capacitar Parceiros Locais para Prevenir o Extremismo Violento nos Estados Unidos. Da mesma forma, a estratégia antiterrorista do Reino Unido, CONTEST, procura "reduzir o risco do terrorismo para o Reino Unido e os seus cidadãos e interesses no estrangeiro, para que as pessoas possam viver as suas vidas livremente e com confiança".[18] [19]

Teoria de gestão editar

A essência da formulação de uma estratégia competitiva é relacionar uma empresa com seu ambiente. - Michael Porter[20]

A estratégia empresarial moderna emergiu como um campo de estudo e prática na década de 1960; antes dessa época, as palavras “estratégia” e “concorrência” raramente apareciam na literatura de gestão mais proeminente. Alfred Chandler escreveu em 1962 que: "Estratégia é a determinação dos objetivos básicos de longo prazo de uma empresa, e a adoção de cursos de ação e a alocação de recursos necessários para a realização desses objetivos".[21] Michael Porter definiu estratégia em 1980 como a "...fórmula ampla de como uma empresa vai competir, quais deveriam ser seus objetivos e quais políticas serão necessárias para atingir esses objetivos" e o "... combinação dos fins (metas) pelos quais a empresa está se esforçando e dos meios (políticas) pelos quais ela está procurando chegar lá”.[20]

Henry Mintzberg descreveu cinco definições de estratégia em 1998:

  • Estratégia como plano – um curso de ação direcionado para atingir um conjunto pretendido de metas; semelhante ao conceito de planejamento estratégico;
  • Estratégia como padrão – um padrão consistente de comportamento passado, com uma estratégia realizada ao longo do tempo, em vez de planeada ou pretendida. Nos casos em que o padrão realizado era diferente da intenção, ele referia-se à estratégia como emergente ;
  • Estratégia como posição – localizar marcas, produtos ou empresas no mercado, com base na estrutura conceitual dos consumidores ou outros stakeholders; uma estratégia determinada principalmente por fatores externos à empresa;
  • Estratégia como estratagema – uma manobra específica destinada a enganar um concorrente; e
  • Estratégia como perspectiva – executar a estratégia com base numa “teoria do negócio” ou extensão natural da mentalidade ou perspectiva ideológica da organização. [22]

Teoria dos jogos editar

Na teoria dos jogos, a estratégia de um jogador é qualquer uma das opções que o jogador escolheria em um ambiente específico.[23]

Ver também editar

Bibliografia editar

  • Harvard Business Essentials - Estratégia - Editora Record
  • Whittington, Richard - O que é estratégia - Editora Thomson
  • Filipe, José; Carvalho, José - Manual de Estratégia - Conceitos, Prática e Roteiro

Referências

  1. «Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon». Perseus. Consultado em 18 de novembro de 2015 
  2. Wragg, David W. (1973). A Dictionary of Aviation (first ed.). Osprey. p. 251. ISBN 9780850451634. Freedman, Lawrence (2023). Strategy. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-932515-3.
  3. Freedman, Lawrence (2013). Strategy. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-932515-3.
  4. Henry Mintzberg (May 1978). "Patterns in Strategy Formation" (PDF). Management Science. 24 (9): 934–48. doi:10.1287/mnsc.24.9.934. S2CID 154086210.
  5. Henry Mintzberg (May 1978). "Patterns in Strategy Formation" (PDF). Management Science. 24 (9): 934–48. doi:10.1287/mnsc.24.9.934. S2CID 154086210
  6. Liddell Hart, B. H. Strategy London: Faber, 1967 (2nd rev ed.) p. 321
  7. Wilson, Andrew (2012). Masters of War: History's Greatest Strategic Thinkers. The Teaching Company.
  8. Freedman, Lawrence. (2 September 2013). Strategy : a history. Oxford. ISBN 9780199349906. OCLC 858282187.
  9. Giles, Lionel A Arte da Guerra de Sun Tzu . Livros de edição especial. 2007.
  10. «Carl von Clausewitz | Prussian general | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2022 
  11. Carl von Clausewitz (2 September 2008). On War. Princeton University Press. ISBN 978-1-4008-3740-3.
  12. BEAUFRE, A.; Introduccion a la Estrategia; Editorial Struhart & Cia; Buenos Aires, 1982
  13. Rumelt, Richard P. (2011). Good Strategy/Bad Strategy. Crown Business. ISBN 978-0-307-88623-1
  14. «American Rhetoric: John F. Kennedy - Cuban Missile Crisis Address to the Nation». www.americanrhetoric.com. Consultado em 7 de novembro de 2023 
  15. a b Rumelt, Richard P. (2011). Good Strategy/Bad Strategy. Crown Business. ISBN 978-0-307-88623-1.
  16. Mintzberg, Henry and, Quinn, James Brian (1996). The Strategy Process: Concepts, Contexts, Cases. Prentice Hall. ISBN 978-0-132-340304.
  17. Henderson, Bruce (1 January 1981). "The Concept of Strategy". Boston Consulting Group.
  18. Dan E.; Miller, Chris; Donnatucci, Lauren (7 de outubro de 2019). "A Estratégia Nacional de Contraterrorismo dos EUA de 2018: Uma Visão Sinóptica" . Resumo da Lei de Segurança Nacional da American University. Washington DC. SSRN3466967.
  19. «Counter-terrorism strategy (CONTEST) 2018». GOV.UK (em inglês). 20 de agosto de 2018. Consultado em 7 de novembro de 2023 
  20. a b Porter, Michael E. (1980). Competitive Strategy. Free Press. ISBN 978-0-684-84148-9.
  21. Chandler, Alfred Strategy and Structure: Chapters in the history of industrial enterprise, Doubleday, New York, 1962
  22. Mintzberg, H. Ahlstrand, B. and Lampel, J. Strategy Safari : A Guided Tour Through the Wilds of Strategic Management, The Free Press, New York, 1998.
  23. Ben Polak Game Theory: Lecture 1 Transcript ECON 159, 5 September 2007, Open Yale Courses.

Ligações externas editar

 
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Estratégia