Europa regina

Europa regina, do latim para Rainha Europa, é a representação do mapa do continente europeu como uma rainha.[1][2] Introduzida e popularizada durante o período maneirista, a Europa é representada na posição vertical com a Península Ibérica a formar a cabeça coroada e a Boémia como o seu coração.[3]

Europa regina na "Cosmographia" de Sebastian Münster.

OrigensEditar

Durante a Idade Média europeia, os mapas normalmente aderiram-se ao mapa T e O, representando Jerusalém no meio e a Europa, Ásia e África aos extremos.[4] Os mapas separados da Europa eram extremamente raros; os únicos exemplos conhecidos são um mapa da enciclopédia medieval Liber Floridus de Lambert de Saint-Omer, publicada em 1112 e um mapa bizantino do século XIV.[4] O seguinte mapa centrado na Europa foi publicado pelo cartógrafo Johannes Putsch em 1537, no início da Idade Moderna.[4]

O mapa de Putsch foi o primeiro a representar a Europa como Europa regina,[3][4][5] com as regiões europeias a formarem uma figura humana do sexo feminino com uma coroa, um ceptro e um orbe.[4] O mapa foi impresso pela primeira vez pelo calvinista Christian Wechel.[6] Embora muito sobre a origem e perceção deste mapa sejam desconhecidas,[5] sabe-se que Putsch (cujo nome foi latinizado como Johannes Bucius Aenicola, 1516-1542)[6] manteve relações estreitas com o imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Fernando I de Habsburgo[5][6] e que a popularidade do mapa aumentou significativamente durante a segunda metade do século XVI.[5] O termo moderno Europa regina não era utilizado ainda pelos contemporâneos de Putsch, que em vez disso utilizaram a frase em latim Europa in forma virginis ("Europa na forma de uma donzela").[6]

Em 1587, Johann Bussemacher publicou uma gravura de cobre de Matthias Quad, mostrando uma adaptação da Europa regina de Putsch, como "Europae descriptio".[5] Desde 1588,[5] outra adaptação foi incluída em todas as edições posteriores de "Cosmographia" de Sebastian Münster,[4][5] as edições anteriores haviam incluído ela apenas algumas vezes.[6] Na obra "Itenerarium sacrae scripturae" de Heinrich Bünting, que tinha um mapa da Europa com as características femininas incluídas na sua edição de 1582, mudou para Europa regina na sua edição de 1589.[5] Com base nestes e noutros exemplos, o ano de 1587 marca o ponto em que muitas publicações passaram a adotar a imagem da Europa regina.[5]

DescriçãoEditar

Europa regina é representada como uma mulher jovem e graciosa.[7] Sua coroa, colocada na Península Ibérica, é formada após com uma coroa de estilo carolíngio.[7] A França e o Sacro Império Romano-Germânico formam a parte superior do seu corpo, com a Boémia sendo o seu coração.[7] Seu vestido longo estende-se até a Hungria, Polónia, Lituânia, Livónia, Bulgária, Moscóvia, Albânia e a Grécia. Em seus braços, formados pela Itália e Dinamarca, ela segura um ceptro e um orbe (Sicília).[7] Na maioria das representações, a África, Ásia e a península Escandinava são parcialmente mostradas,[7] assim como as esquematizadas Ilhas Britânicas.

SimbolismoEditar

Europa regina e a Casa de Habsburgo
Uma imagem rodada da Europa regina, sendo comparada aos reinos (em verde) de Habsburgo sob Carlos V, que era imperador do Sacro Império Romano-Germânico (que compreende a Europa Central, não mostrada)

Em 1537, quando a Europa regina foi introduzida, o imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Carlos V de Habsburgo, uniu as terras de Habsburgo nas suas mãos, incluindo o seu país de origem, Espanha.[6] Assim, o mapa é orientado para o oeste a ter a Espanha como a cabeça coroada,[6] apontando para Habsburgo a reivindicar serem os imperadores universais da Europa.[7] As ligações mais óbvias para o imperador do Sacro Império Romano-Germânico eram a coroa carolíngia e a insígnia imperial - o ceptro e o orbe.[7] Outra ligação com Carlos V é o vestido, que se assemelha ao código de vestuário contemporâneo na corte de Habsburgo e o rosto da rainha, que alguns dizem que se assemelha a esposa de Carlos V, Isabel.[8] Como nos retratos contemporâneos de casais, a Europa regina está com a cabeça virada para a direita e também segura o orbe com a mão direita, que tem sido interpretada como uma cobertura e oferta de poder do seu marido imaginário, o imperador.[8]

Mais generalizada, a Europa é mostrada como a res publica christiana,[6] a Cristandade unida na tradição medieval[7] e grande,[1] ou até mesmo a potência dominante no mundo.[8]

Uma terceira alegoria é a atribuição da Europa como o paraíso pela colocação especial dos corpos de água.[6] Como a iconografia contemporânea descreveu o paraíso como uma forma fechada, a Europa regina é cercada por mares e rios.[6] O rio Danúbio é descrito de uma forma que se assemelha ao curso do rio bíblico que flui através do paraíso, com o seu estuário formado por quatro braços.[6]

Aquela Europa regina rodeada por água é também uma alusão à antiga mitologia Europa, que foi raptada por Zeus e levada para a água.[8]

Europa regina pertence à alegoria moderna de Europa triumphans, ao contrário de Europa deplorans.[2]

Mapas relacionadosEditar

A arte da modelação de um mapa numa forma humana também pode ser encontrada num mapa desenhado por Opicino de Canistris, que mostra o mar Mediterrâneo.[4] Este mapa publicado em 1340, que precede o mapa de Putsch, mostra a Europa como um homem e o Norte de África como uma mulher.[3]

Enquanto que nos mapas da Europa regina a geografia real seja subordinada à forma feminina, a abordagem oposta é vista num mapa desenhado por Hendrik Kloekhoff e publicado por Francois Bohn em 1709. Neste mapa intitulado "Europa. Volgens de nieuwste Verdeeling" ("Europa, de acordo com a classificação mais recente"), uma mulher é sobreposta a um mapa que mostra uma geografia bastante precisa da Europa, e embora o mapa seja orientado para o oeste com a Península Ibérica a formar a cabeça como a imagem da Europa regina, isto resulta numa mulher abaixada, correspondente com a Europa deplorans em vez da alegoria de Europa triumphans.[9]

Referências

  1. a b Landwehr & Stockhorst 2004, p. 279
  2. a b Werner 2009, p. 243
  3. a b c Bennholdt-Thomsen 1999, p. 22
  4. a b c d e f g Borgolte 2001, p. 16
  5. a b c d e f g h i Schmale 2004, p. 244
  6. a b c d e f g h i j k Wendehorst & Westphal 2006, p. 63
  7. a b c d e f g h Werner 2009, p. 244
  8. a b c d Werner 2009, p. 245
  9. Bennholdt-Thomsen 1999, p. 22-24

BibliografiaEditar

  • Baridon, Laurent (2011). Un atlas imaginaire, cartes allégoriques et satiriques (em francês). Paris: Citadelles et Mazenod. ISBN 978-2-85088-515-0 
  • Bennholdt-Thomsen, Anke (1999). Bennholdt-Thomsen, Anke; Guzzoni, Alfredo, eds. Zur Hermetik des Spätwerks. Col: Analecta Hölderlianas (em alemão). 1. Vurzburgo: Königshausen & Neumann. ISBN 3-8260-1629-7. Resumo divulgativoGoogle Livros 
  • Borgolte, Michael (2001). «Perspektiven europäischer Mittelalterhistorie an der Schwelle zum 21. Jahrhundert». In: Lusiardi, Ralf; Borgolte, Michael. Das europäische Mittelalter im Spannungsbogen des Vergleichs. Col: Europa im Mittelalter. Abhandlungen und Beiträge zur historischen Komparatistik (em alemão). 1. Berlim: Akademie Verlag. p. 13–28. ISBN 3-05-003663-X. Resumo divulgativoGoogle Livros 
  • Werner, Elke Anna (2009). «Triumphierende Europa - Klagende Europa. Zur visuellen Konstruktion europäischer Selbstbilder in der Frühen Neuzeit». In: Ißler, Roland Alexander; Renger, Almut-Barbara. Europa – Stier und Sternenkranz Von der Union mit Zeus zum Staatenverbund. Col: Gründungsmythen Europas in Literatur, Musik und Kunst (em alemão). 1. Bona, Gotinga: Universidade de Bona, Vandenhoeck & Ruprecht. p. 241–260. ISBN 3-89971-566-7 
  • Landwehr, Achim; Stockhorst, Stefanie (2004). Einführung in die europäische Kulturgeschichte. Col: Uni-Taschenbücher M (em alemão). 2562. Paderborn: Verlag Ferdinand Schöningh. ISBN 3-8252-2562-3. Resumo divulgativoGoogle Livros 
  • Schmale, Wolfgang (2004). «Europa, Braut der Fürsten. Politische Relevanz des Europamythos im 17. Jahrhundert». In: Bussmann, Klaus; Werner, Elke Anna. Europa im 17. Jahrhundert. Ein politischer Mythos und seine Bilder. Col: Kunstgeschichte (em alemão). Estugarda: Franz Steiner Verlag. ISBN 3-515-08274-3 
  • Wendehorst, Stephan; Westphal, Siegrid (2006). Lesebuch altes Reich. Col: Bibliothek Altes Reich (em alemão). 1. Munique: Oldenbourg Wissenschaftsverlag. ISBN 3-486-57909-6 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Europa regina», especificamente desta versão.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Europa regina