Evangelho dos Nazarenos

O Evangelho dos nazarenos (também nazoreanos) é o nome tradicional dado por alguns estudiosos para distinguir algumas das referências ou citações de não - canônico Evangelhos judaico-cristãos existentes em escritas patrísticos de outras citações que se acredita derivarem de diferentes Evangelhos.

O nome Evangelho dos Nazarenos Editar

O nome 'Evangelho dos Nazarenos' foi usado pela primeira vez em latim por Paschasius Radbertus (790-865), e na mesma época por Haimo, embora seja uma progressão natural do que Jerônimo escreveu.

O nome hipotético refere-se a uma possível identificação com a Comunidade Nazarena do período romano da Palestina.[1] É um evangelho hipotético, que pode ou não ser igual ou derivado do Evangelho dos Hebreus ou do Evangelho de Mateus canônico. O Evangelho Hebraico e o Desenvolvimento da Tradição Sinótica , Wm. B. Eerdmans, ISBN 978-0-8028-6234-1 pp. 120-25</ref> O título Evangelho dos Nazarenos é um neologismo, pois não foi mencionado nos Catálogos de a Igreja Primitiva nem por qualquer um dos Padres da Igreja.[2] Hoje, tudo o que resta de seu texto original são notações, citações e comentários de vários Pais da Igreja, incluindo Hegesippus, Origen, Eusébio e Jerônimo.

O Evangelho dos Nazarenos tem sido o assunto de muitas discussões críticas e suposições ao longo do último século. Discussões recentes em um crescente corpo de literatura lançaram considerável luz sobre os problemas relacionados com este evangelho. Suas únicas testemunhas literárias são breves citações encontradas na literatura patrística e citações dos Padres da Igreja.[3] Isso tem grande significado porque a alta crítica argumenta que o Evangelho de Mateus canônico não é uma reprodução literal do autógrafo original de Mateus, mas sim a produção de um redator desconhecido, composto em grego póstumo para Mateus.[4] Isso se alinha com a avaliação de Jerônimo, na qual ele afirmou: "Mateus, também chamado de Levi, apóstolo e ex-publicano, inicialmente compôs um evangelho de Cristo publicado na Judeia, em hebraico, por causa daqueles da circuncisão que creram, mas isso foi posteriormente traduzido para o grego, embora seja incerto por qual autor."[5]

Antecedentes - NazarenosEditar

O termo Nazareno foi aplicado a Jesus de Nazaré (Evangelho de Mateus 2:23). A menção de uma "seita dos nazarenos" (plural) ocorre primeiro com Tertullus (Atos 24: 5). Depois de Tertulo, o nome não aparece novamente, exceto por uma referência pouco clara em Eusébio "Onomasticon", até que um nome semelhante, "Nazoreanos", seja distinguido por Epifânio em seu Panarion no século IV.[6]

Foi o termo usado para identificar a predominantemente seita Judaica que acreditava que Jesus era o Messias. Quando esta seita se ramificou no mundo Gentio, eles se tornaram conhecidos como Cristãos.[7]

Por volta do século IV, os nazarenos são geralmente aceitos como sendo os primeiros cristãos que aderiram à lei mosaica que foram liderados por Tiago, o Justo, o irmão de Jesus.Tradicionalmente ele liderou a Igreja de Jerusalém e de acordo com 1 Coríntios (15: 7) teve uma aparição da ressurreição de Jesus especial, e somente “então, a todos os apóstolos ”.[8]

Fontes primárias - testemunho patrísticoEditar

Com relação à sua origem, Jerônimo relata que os nazarenos acreditavam que o Evangelho hebraico que ele recebeu enquanto em Cálcis foi escrito por Mateus. Em sua obra Sobre Homens Ilustres , Jerônimo explica que Mateus, também chamado de Levi, compôs um evangelho de Cristo, que foi publicado pela primeira vez na Judeia em escrita hebraica por causa de aqueles da circuncisão que acreditaram ( Sobre Homens Ilustres , 2) Enquanto isso, em seu Comentário sobre Mateus, Jerônimo se refere ao Evangelho dos Nazarenos e o Evangelho dos Hebreus .

Epiphanius é da mesma opinião; ele declara em seu Panarion que somente Mateus expôs e declarou o evangelho em hebraico entre os escritores do Novo Testamento: "Pois, na verdade, somente Mateus, dos escritores do Novo Testamento, expôs e declarou o Evangelho em hebraico usando escrita hebraica. "[9]

Orígenes acrescenta a isso afirmando que, entre os quatro evangelhos, Mateus, o publicano que mais tarde se tornou um apóstolo de Jesus Cristo, primeiro compôs o evangelho para os convertidos do Judaísmo, publicado na língua hebraica.[10]

Posições acadêmicasEditar

Existem duas visões sobre a relação das citações sobreviventes do "Evangelho dos Nazarenos":

Evangelho dos Nazarenos dependente de Mateus CanônicoEditar

Devido às contradições no relato do batismo de Jesus, e outras razões, a maioria dos estudiosos da Bíblia considera que o Evangelho dos nazarenos, Evangelho dos hebreus e Evangelho dos Ebionitas são três Evangelhos separados, embora Jerônimo tenha ligado os nazarenos aos ebionitas no uso do Evangelho dos hebreus .[11]

Philipp Vielhauer escreve sobre os fragmentos gregos / latinos coletados como o Evangelho dos Nazarenos que "Seu caráter literário mostra a BN secundária em comparação com o Mt canônico; novamente, do ponto de vista da crítica da forma e da história da tradição, como bem como da linguagem, não apresenta nenhum proto-Mateus, mas um desenvolvimento do Evangelho grego de Mateus (contra Waitz). É dificil supor que nele estamos lidando com um desenvolvimento independente de antigas tradições aramaicas; a suposição já é proibida pela estreita relação com o Monte."[12] Da mesma forma, no que diz respeito à Fragmentos siríacos, Vielhauer escreve "a BN aramaica (siríaca) não pode ser explicada como uma retroversão do Monte grego; as expansões novelísticas, novas formações, abreviações e correções proíbem isso. Em termos literários, a BN pode ser melhor caracterizada como uma tradução semelhante a targum do Mateus canônico. "[13] Deste ponto de vista, Os fragmentos de BN estão ligados à versão canônica de Mateus, com pequenas diferenças.

Mateus depende do Evangelho dos NazarenosEditar

James R. Edwards (2009) argumenta que o canônico Mateus é baseado em um original hebraico, e que as citações do Evangelho dos Nazarenos são parte desse original.[14]

A visão de Edwards é anterior à de Edward Nicholson (1879), Bibliotecário de Bodley. Suas conclusões foram as seguintes:

  1. "Descobrimos que existia entre os nazarenos e ebionitas um Evangelho comumente chamado de Evangelho segundo os hebreus, escrito em aramaico, mas com caracteres hebraicos. Sua autoria foi atribuída por alguns aos apóstolos em geral, mas por muitos - incluindo claramente os próprios nazarenos e ebionitas - a Mateus. "[15]
  1. "Os Padres da Igreja, enquanto o Evangelho segundo os Hebreus ainda existia na sua totalidade, referiam-se a ele sempre com respeito, muitas vezes com reverência: alguns deles sem hesitar o aceitaram como sendo aquilo que a tradição afirmava. Seja - a obra de Mateus - e mesmo aqueles que não registraram sua expressão desta opinião não a questionaram. Tal atitude é consistente com a suposição de que o "Evangelho segundo os hebreus" foi uma obra de heresia. tendências? Isso se aplica com força dez vezes maior a Jerônimo. Depois de copiá-lo, ele, se tivesse visto heresia nele, o teria traduzido para divulgação pública em grego e latim, e continuado a favorecer a tradição de sua autoria mateia? E Jerônimo, note-se, não apenas cita todas as três passagens sem desaprovação; ele na verdade cita duas delas (Fr. 6 e Fr. 8) com aprovação. "[16]

A posição de Nicholson de que O Evangelho dos Hebreus era o verdadeiro Evangelho de Mateus ainda é assunto de acalorado debate. No entanto, a maioria dos estudiosos[17]

A evidência do Talmude é para os primeiros evangelhos cristãos, [carece de fontes?] combinada com a referência de Papias à "logia" hebraica (Eusebius, Church History III. 39. 16) [18] e a descoberta de Jerome do Evangelho dos hebreus em aramaico (Jerônimo, Contra Pelágio 3.2) lideraram estudiosos como C. C. Torrey (1951) para considerar um aramaico ou evangelho hebraico, significando o Evangelho dos hebreus que os nazarenos usaram.[19]

O Evangelho dos Nazarenos (nazoraeanos) enfatizou o caráter judaico de Jesus. De acordo com várias fontes anteriores, incluindo Jerome ( Against Pelagius 3) e Epiphanius ( Panarion 29-30) o ' 'Evangelho dos Nazarenos' 'era sinônimo de' 'Evangelho dos Hebreus' 'e do' 'Evangelho dos Ebionitas' '. } Ron Cameron considera este um link duvidoso.[20]

Hora e local de autoriaEditar

A hora e o local da autoria são disputados, mas como Clemente de Alexandria usou o livro no último quarto do segundo século, ele consequentemente é anterior a 200 DC. Seu lugar de origem pode ser Alexandria, Egito, já que duas de suas principais testemunhas, Clemente e Orígenes, eram alexandrinos. No entanto, o idioma original do Evangelho dos Nazarenos era hebraico ou aramaico, sugerindo que foi escrito especificamente para cristãos judeus de língua hebraica na Palestina, Síria e contingências.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Craig A. Evans Ancient texts for New Testament studies: a guide to the background literature ISBN 978-1-56563-409-1, 2005 "The Jewish Gospels. With one or two notable dissenters, most scholars in the last century have followed Philipp Vielhauer and Georg Strecker (in Hennecke and Schneemelcher NTApoc), and more recently A.F.J. Klijn (1992), in extrapolating from the church fathers three distinct extracanonical Jewish gospels: the Gospel of the Nazarenes, the Gospel of the Ebionites, and the Gospel of the Hebrews. A recent study by Peter Lebrecht Schmidt (1998), however, has called this near consensus into question. Critically assessing the discussion from Schmidtke to Klijn, Schmidt thinks that originally there was only one Jewish gospel, probably written in Aramaic about 100 CE, called the "Gospel according to the Hebrews," which was subsequently... " cf. Hans-Josef Klauck Apocryphal gospels: an introduction 2003 p37
  2. FL Cross e E.A. Livingston, Dicionário Oxford da Igreja Cristã , 1989, Oxford University Press, p. 626.
  3. Jerônimo, Comentário sobre Miqueias , 7.
  4. The Interpreters Bible , Vol. VII, Abington Press, Nova York, 1951, pp. 64-66.
  5. Jerônimo, Vidas de Homens Ilustres , Capítulo 3.
  6. Lawrence H. Schiffman, James C. VanderKam Enciclopédia dos Manuscritos do Mar Morto: N-Z Nazarenos - 2000 - 1132 "... ocorre apenas uma vez na literatura grega pós-Novo Testamento entre Atos e Epifânio, no Onomasticon de Eusébio, embora permaneça duvidoso se o termo aqui se refere aos nazoreanos (em vez de aos cristãos em geral). "
  7. F.L. Cross & E.A. Livingston, The Oxford Dictionary of the Christian Church , Oxford University Press, 1989. p. 957 e 722.
  8. Dicionário Oxford da Igreja Cristã, FL Cross e E.A. Livingston (editores), Oxford University Press, 1989. p. 957 e 722.
  9. Panarion 30.3.7.
  10. Eusébio, Historia Ecclesiastica , 6,25.
  11. O Dicionário Oxford da Igreja Cristã , FL Cross, E.A. Livingston (eds), Oxford University Press, 1989 p. 439.
  12. Wilhelm Schneemelcher, tradução de Robert McLachlan Wilson, New Testament Apocrypha: Gospels and related escritas 1991 p. 159.
  13. Vielhauer, Geschichte der urchristlichen Literatur (Berlin / New York: de Gruyter, 1975) p652
  14. James R. Edwards, The Evangelho hebraico e o desenvolvimento da tradição sinótica , © 2009, Wm. B. Eerdmans Publishing Co.
  15. The Gospel According to the Hebrews, Edward Byron Nicholson, C. Kegan Paul & Co., 1879. p.26
  16. O Evangelho Segundo os Hebreus , Edward Byron Nicholson, C. Kegan Paul & Co., 187 9. p.82
  17. «Gospel of Matthew». Earlychristianwritings.com. 3 de fevereiro de 2004. Consultado em 18 de abril de 2018 
  18. Bart Ehrman, Jesus: Profeta Apocalíptico do Novo Milênio , © 1999 Oxford University Press, p.43
  19. A Bíblia dos Intérpretes , Vol. VII, Abington Press, Nova York, 1951, p.67
  20. Ron Cameron, ed., The Other Gospels: Non-Canonical Gospel Texts (Filadélfia, PA: The Westminster Press 1982), pp. 97-102