Abrir menu principal
Família Gambino
Carlo Gambino, chefe da família entre 1957-1976
Fundação Fundada por Salvatore D'Aquila no início do século XX
Local de fundação Nova Iorque, Harlem Italiano.
Anos ativo 1910-1976
Território (s) Manhattan, Long Island, Brooklyn, Staten Island
Atividades exploração de jogos de azar, lavagem de dinheiro, agiotagem, prostituição, extorsão, fraude e tráfico de drogas.
Aliados Famílias Genovese, Luchese, Colombo e Bonano e The Westies[1] (gangue irlandesa)
Rivais várias gangues de Nova Iorque, incluindo seus aliados.

A Família Gambino é uma organização criminosa ítalo-americana que atua na cidade de Nova Iorque desde o início do século XX. Foi nomeada a partir de Carlo Gambino, que comandou a organização desde 1957 até 1976. É uma das chamadas Cinco Famílias de Nova Iorque.

Índice

HistóriaEditar

Origem e a Guerra da Máfia-CamorraEditar

A origem da organização remonta formação da gangue de Salvatore D'Aquila em 1910. D'Aquila foi um dos membros chave da Família Morello, organização chefiada pelo Don Giuseppe Morello, que controlava o território do antigo Harlem Italiano no norte de Manhattan e seu braço direito, Ignazio "the Wolf" Lupo, que controlava o território de Little Italy no sul de Manhattan.[2] Em 1910, Giuseppe e Ignazio foram presos e condenados a trinta anos por fraude fiscal. Com o enfraquecimento dos Morello, D'Aquila formou sua própria gangue no Harlem Italiano.[2] Nessa mesma época, começou a guerra entre a máfia (siciliana) e a camorra (napolitana) de Coney Island e da Navy Street no Brooklyn.[3] Em 1917 os líderes das gangues napolitanas, Pellegrino Morano e Alessandro Vollero foram presos, e sua organização foi absorvida por Salvatore D'Aquila.[4]

A morte de D'Aquila e a Guerra CastellammareseEditar

Durante os anos de 1920 a família Morello passou ao controle de Joe "The Boss" Masseria, que em pouco tempo entrou em confronto com a Familia D'Aquila. Salvatore D'Aquila foi assassinado pelos homens de Masseria em outubro de 1928.[5] Seu posto foi assumido pelo seu principal caporegime, Alfredo Mineo e seu braço direito Stefano Ferrigno. No início de 1930, tem início a Guerra Castellammarese entre as facções de Joe Masseria de Manhattan, e de Salvatore Maranzano do Brooklyn. A família Mineo-D'Aquila aliou-se a Joe Masseria. Mas Mineo e Ferrigno foram assassinados pelos homens de Maranzano em novembro de 1930. Em abril do ano seguinte, Joe Masseria seria assassinado por seus próprios comandados, que cansados dos prejuízos financeiros do conflito, fizeram um acordo com Maranzano.[6] Com seu poder consolidado, Maranzano organizou as gangues italianas em cinco famílias. Indicando um membro de cada grupo para o cargo de capo (do português chefe). Para liderar a família Mineo-D'Aquila, Maranzano indicou Frank Scalise. Nomeando então, a si mesmo como capo di tutti capi (chefe de todos os chefes).[7]

Em setembro de 1931, Salvatore Maranzano foi assassinado a mando de Lucky Luciano, que anteriormente havia liderado o grupo de dissidentes da facção de Masseria, que selaram a paz.[8] Luciano manteve a estrutura criada por Maranzano, adicionando então uma comissão de todas as famílias mafiosas ítalo-americanas, presidida pelas Cinco Famílias de Nova Iorque. Que tinha como objetivo evitar novos confrontos armados, que prejudicavam muito os lucros nos negócios.[9] Ainda em 1931, Luciano que havia se tornado o novo capo di tutti capi, substituiu Frank Scalise por Vincent Mangano como novo chefe da família Mineo-D'Aquila, a futura Família Gambino.

Carlo Gambino assume a famíliaEditar

Antes da ascensão de Carlo Gambino, a família foi comandada por Vincent Mangano e Alberto Anastasia, respectivamente. Mangano foi o chefe da família entre 1931 e 1951. Seu irmão Philip Mangano ocupava o cargo de consiglieri e Alberto Anastasia era seu sub-chefe (sottocapo ou underboss). Apesar de trabalharem juntos, os irmãos Mangano estavam constantemente em divergência com Anastasia. Em abril de 1951, Vincent Mangano desapareceu sem deixar rastros e seu irmão Philip, foi encontrado morto.[10] Chamado para prestar esclarecimentos para A Comissão (The Commission), Anastasia negou ter assassinado os irmãos Mangano. Ainda afirmou que Vincent Mangano estaria planejando assassina-lo antes de desaparecer. Usando seu poder, e apoio de Frank Costello, chefe da Família Luciano (hoje Família Genovese), Anastasia foi efetivado como Capo da Família Mangano (Mineo-D'Aquila) e Carlo Gambino foi escolhido como seu sub-chefe (sottocapo).

Em pouco tempo, a agressividade de Anastasia criou as condições ideais para que seus principais inimigos tentassem "afastá-lo" do cargo. Dentre todos esses, Vito Genovese, o sottocapo de Costello, era o mais relevante rival de Anastasia. Sozinho, Genovese não podia enfrentar Anastasia e Costello. No entanto, a iniciativa de Anastasia de abrir cassinos em Cuba, o colocou em confronto direto com Meyer Lansky. Um poderoso investidor judeu e associado da máfia. Aproveitando a oportunidade, Genovese entrou em acordo com Lansky e os dois contrataram Carlo Gambino para assassinar Anastasia e Frank Costello. Em maio de 1957, Vincent "O Chin" Gigante falhou na tentativa de assassinar Frank Costello. Costello escapou com um tiro de raspão na cabeça, e as atenções públicas ao assunto impediriam outro atentando. Mesmo assim, Frank decidiu abdicar de seu cargo como capo da Família Luciano em favor de Vito Genovese.[11] Desde então a organização (família) fundada por Giuseppe Morello no início dos anos 1910, passando ao controle de Masseria e posteriormente Lucky Luciano, passou a se chamar Família Genovese.

Em 25 de outubro de 1957, Albert Anastasia foi brutalmente assassinado enquanto estava em uma barbearia. Conta-se que vários homens mascarados entram no estabelecimento e atiraram várias vezes contra Anastasia que tentou reagir inutilmente.[12] Com a morte de Anastasia, Carlo Gambino se tornou o chefe da que então passou a ser chamada, Família Gambino. Sob o seu comando, a Família atingiu seu apogeu, tornando-se a organização criminosa mais poderosa dos Estados Unidos.[13] Carlo Gambino, faleceu de ataque cardíaco enquanto assistia ao jogo dos New York Yankees em sua casa, no dia 15 de outubro de 1976 aos 74 anos, sem nunca ter passado sequer um dia na prisão.[14]

Paul Castellano e John GottiEditar

Após a morte de Carlo Gambino, Paul Castellano, irmão da esposa de Gambino assumiu a liderança da Família. Aniello "Mr.Niel" Dellacroce foi escolhido como seu sub-chefe. A forma como Castellano conduzia os negócios desagradou muitos membros da organização, em especial o mais importante soldado de Dellacroce, John Gotti. Sua principal crítica era que Paul estava mais para um homem de negócios que para um membro da cosa nostra. E que a maioria dos negócios seguros e lucrativos eram reservados para seu círculo central. Após a morte de "Niel" Dellacroce por câncer em 2 de dezembro de 1985,[15] Gotti decidiu eliminar de vez Castellano.

Em 16 de dezembro de 1985 Paul Castellano e Thomas Billoti, seu novo sub-chefe chegavam para um almoço e reunião com um dos capos da Família, Frank DeCicco no Sparks Steak House, quando foram assassinados por quatro homens não identificados.[16]

De John Gotti aos dias de hojeEditar

Com o assassinato de Paul Castellano, John Gotti foi escolhido como novo chefe da Família Gambino. Para seu sottocapo, indicou Frank DeCicco. A mudança no entanto foi percebida pelas outras famílias da Comissão. Vincent the Chin Gigante, que então era o chefe da Família Genovese, orquestrou juntamente com Vittorio "Vic" Amusio (chefe da Família Luchese) o assassinato de John Gotti. Em 13 de abril de 1986, a armadilha preparada para Gotti, vitimou seu sub-chefe Frank DeCicco enquanto este se dirigia para uma reunião com os caporegimes da Família. Segundo o plano de Gigante, uma bomba seria colocada no carro utilizado para reunião. Carro que ele pensava que estaria John Gotti e não DeCicco.[17] Após a prisão de seu primeiro sucessor, Joseph Armone, Salvatore "Sammy The Bull" Gravano se tornou o novo sottocapo da Família.[18] John Gotti seria indiciado pela justiça pelo menos três vezes, sendo inocentado em todas. Mas a sorte de John teve fim, quando uma escuta foi plantada no local em que este costumava organizar suas reuniões, em um discreto apartamento em Little Italy. Nas conversas, a polícia ouviu John organizando suas operações ilegais e reclamando sobre muitos de seus subordinados. Entre eles, "Sammy" Gravano. Que temendo por sua integridade, tornou-se testemunha de acusação. Em abril de 1992, sob o testemunho de Gravano, John Gotti e seu consiglieri Frank LoCascio foram condenados a prisão perpétua por diversos crimes.[19]

Depois da prisão de John Gotti, seu filho de mesmo nome, assumiu o posto de chefe atuante no lugar do pai, que ainda comandava a organização da cadeia. No entanto, John "Junior" Gotti, como era chamado, foi preso em 1999, sendo condenado a 77 mêses na cadeia por extorsão.[20] Em 2002, John Gotti (pai) morreu na prisão, e seu irmão Peter Gotti assumiu o comando por um tempo, antes de ser preso em 2003.

Hoje em dia, a Família Gambino ainda controla operações em portos do Brooklyn e de Staten Island, infiltrados em sindicatos e associações trabalhistas.[21] Diversas operações e investigações entre 2009 e 2010, mostram que a Família Gambino ainda está muito ativa na cidade de Nova Iorque. Durante o ano de 2009, muitos membros importantes da organização foram libertados da prisão.[22] Em agosto de 2015, o chefe da organização Domenico Cefalù se aposentou como chefe e o poderoso capitão com conexões com a máfia siciliana Frank Cali foi apontado como o novo chefe da Gambino.

Lideranças ao longo da HistóriaEditar

  • 1910-1928: Salvatore "Toto" D'Aquila.
  • 1928-1930: Alfredo "Alfred" Mineo.
  • 1930-1931: Francesco "Don Cheech" Scalise.
  • 1931-1951: Vincenzo "Vincent" Mangano.
  • 1951-1957: Umberto/Albert "Mad Hatter" Anastasia.
  • 1957-1976: Carlo "The Godfather" Gambino.
  • 1976-1985: Paul "Big Paul" Castellano.
  • 1985-2002: John "The Dapper Don" Gotti.
    • Atuante em 1992-1999: John A. Gotti, conhecido por John "Junior" Gotti (preso).
    • Atuante em 1999-2002: Peter "One Eye" Gotti.
  • 2002-2011: Peter "One Eye" Gotti (preso).
    • Atuante em 2002-2005: Arnold Squitieri.
    • Atuante em 2005-2008: Nicholas Corozzo (preso).
    • Atuante em 2008-2010: Comitê de Comando; Daniel Marino (preso), Bartolomeu Vernace (preso), John Gambino.
  • 2011-2015: Domenico "Italian Dom" Cefalù.
  • 2015-2019: Frank "Franky Boy" Calli (Assasinado)[1]

Citações nos meios de comunicaçãoEditar

  • No filme Testemunha da Máfia, a história sobre o período em que John Gotti comandou a Família é contada sob o ponto de vista de Salvatore "Sammy The Bull" Gravano.
  • No filme Goodfellas de Martin Scorsese (No Brasil, Os Bons Companheiros), os Gambino estão diretamente ligados ao enredo da história através de um de seus membros, William "Billy Batts" DeVino.
  • No jogo Grand Theft Auto IV da Rockstar Games, a Família Gambetti é uma alusão direta a verídica família Gambino.

Referências

  1. Eastern District of New York (27 de novembro de 2012). «Alleged Gambino Associate, Westies Member, and Demon Knights Motorcycle Gang Member Charged with Violent Extortion». U.S. Attorney’s Office. Consultado em 29 de novembro de 2012 
  2. a b Critchley, David (2008). The origin of organized crime in America : the New York City Mafia, 1891–1931. London: Routledge. 156 páginas. ISBN 0-415-99030-0 
  3. Dash, Mike (2009). First family : terror, extortion, revenge, murder, and the birth of the American mafia. [Toronto]: Doubleday Canada. 252 páginas. ISBN 0-385-66751-5 
  4. Dash. [S.l.: s.n.] 262 páginas http://books.google.com/books?id=FfxoHNZr4K4C&pg=PP25&dq=%22Alessandro+Vollero&hl=en&sa=X&ei=siNMT6GVE6rz0gHVxpmxDg&ved=0CDYQ6AEwAA#v=onepage&q=%22Alessandro%20Vollero&f=false  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. Critchley. [S.l.: s.n.] 157 páginas  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. Raab. [S.l.: s.n.] 29 páginas  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  7. Bonanno, Joseph (1983). A Man of Honor: The Autobiography of Joseph Bonanno 2003 St. Martin's Paperbacks ed. New York: Simon and Schuster. 124 páginas. ISBN 0-312-97923-1 
  8. Gage, Nicholas (10 de julho de 1972). «The Mafia at War Part 1». New York Magazine. Consultado em 1 de março de 2012 
  9. «The Gambino Crime Family - Crime Library on truTV.com». Crimelibrary.com. Consultado em 8 de outubro de 2008. Arquivado do original em 9 de maio de 2008 
  10. «Aide of Joe Adonis is Found Shot Dead». New York Times. 20 de abril de 1951. Consultado em 26 de fevereiro de 2012 
  11. «Costello is Shot Entering Home; Gunman Escapes». New York Times. 3 de maio de 1957. Consultado em 14 de janeiro de 2012 
  12. Capeci, Jerry (8 de outubro de 2008). «Answers About the New York Mafia». New York Times. Consultado em 12 de janeiro de 2012 
  13. LaPrade, Enrique Cirules. Transl. by Douglas E. (2004). The Mafia in Havana : a Caribbean mob story. Melbourne [u.a.]: Ocean Press. 111 páginas. ISBN 1-876175-42-7 
  14. Gage, Nicholas (16 de outubro de 1976). «Carlo Gambino, a Mafia Leader, Dies in His Long Island Home at 74». New York Times. Consultado em 21 de agosto de 2007. Carlo Gambino, the pre-eminent figure in organized crime in the country died early yesterday morning in his Massapequa, L.I., home of natural causes. He was 74 years old. 
  15. Blumenthal, Ralph (4 de dezembro de 1985). «ANIELLO DELLACROCE DIES AGE 71; REPUTED CRIME-GROUP FIGURE». New York Times. Consultado em 19 de dezembro de 2011 
  16. Lubasch, Arnold H. (4 de março de 1992). murder&st=cse&pagewanted=1 «Shot by Shot, an Ex-Aide to Gotti Describes the Killing of Castellano» Verifique valor |url= (ajuda). New York Times. Consultado em 7 de janeiro de 2012 
  17. «The Gambino Crime Family - Crime Library on truTV.com». Crimelibrary.com. Consultado em 8 de outubro de 2008. Arquivado do original em 17 de maio de 2008 
  18. Buder, Leonard (23 de dezembro de 1987). «4 Convicted At Mob Trial In Brooklyn». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2012 
  19. Lubasch, Arnold H. (24 de junho de 1992). «Gotti Sentenced to Life in Prison Without the Possibility of Parole». New York Times. Consultado em 3 de março de 2012 
  20. Chen, David W. (4 de setembro de 1999). «Younger Gotti Is Sentenced To Six Years». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2012 
  21. Marzulli, John (10 de dezembro de 2010). «Feds dig up bags o' cash intended as Christmas payoff to Genovese family from longshoreman». New York Daily News. Consultado em 25 de fevereiro de 2012 
  22. Weiss, Murray (9 de março de 2009). «It's A Mob Scene». NYPOST.com. Consultado em 27 de março de 2011 

Ligações externasEditar