Faustina (esposa de Constâncio II)

Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Faustina.

Faustina foi uma imperatriz-consorte romana do oriente, terceira esposa do imperador Constâncio II. A principal fonte sobre ela é o relato de Amiano Marcelino,[1] mas nada se sabe sobre suas origens ou seus demais nomes.

Faustina
Imperatriz-consorte romana do oriente
Reinado 361
Consorte Constâncio II
Antecessor(a) Eusébia
Helena
Sucessor(a) Cárito
Dinastia Constantiniana
Floruit 360–366
Filho(s) Flávia Máxima Constância

CasamentoEditar

Constâncio se casou com Faustina em Antioquia em 361 depois da morte de sua segunda esposa, Eusébia, em 360.[1] Amiano relata simplesmente que o casamento ocorreu quando ele passava o inverno na cidade num dos intervalos da guerra romano-persa.[2]

Ela estava grávida quando Constâncio morreu repentinamente em 5 de outubro do mesmo ano e deu à luz a filha póstuma dele, Flávia Máxima Constância, que se casaria futuramente com o imperador Graciano.[1]

ViúvaEditar

Em 28 de setembro de 365, Faustina estava presente quando Procópio recebeu o título de imperador em Constantinopla. A presença de Faustina e de sua filha pequena sugere que ele seria o herdeiro legítimo da Dinastia constantiniana, que ainda era tida em grande estima[1] e Amiano acredita que isto teria ajudado a fomentar a lealdade por sua causa:

Valente convocou suas tropas e, juntando-se a Lupicínio e uma poderosa força de auxiliares, se apressou para Pessino, uma antiga cidade da Frígia, agora da Galácia. Tendo guarnecido de forma segura o local para que não sofresse nenhuma surpresa por ali, marchou seguindo o sopé de um grande monte chamado Olimpo e caminhos rochosos em direção à Lícia, planejando atacar Gomoário enquanto ele vagava por lá meio dormindo. Mas ele [Valente] foi recebido com uma resistência geral e obstinada, por esta razão em particular - que seu inimigo (como já foi mencionado), tanto na marcha e quando estava quase entrando em combate, levava consigo numa liteira a filha pequena de Constâncio e a mãe dela, Faustina; e, desta forma, inflamava as paixões dos soldados para que lutassem mais bravamente pela defesa da linhagem imperial, à qual ele [Procópio] alegava estar conectado
 
Amiano Marcelino, História[3].

Depois da Batalha de Tiatira e a queda de Procópio em 366, Faustina desaparece dos registros históricos.

Ver tambémEditar

Faustina (esposa de Constâncio II)
Nascimento: fl. 360 Morte: fl. 366
Títulos reais
Precedido por:
Eusébia
Imperatriz-consorte romana do oriente
361
Sucedido por:
Cárito
Precedido por:
Helena

Referências

Ligações externasEditar