Felice Fontana

Felice Fontana
Nascimento 15 de abril de 1730
Pomarolo
Morte 19 de março de 1805 (74 anos)
Florença
Irmão(s) Gregorio Fontana
Ocupação entomologista, anatomista, físico, naturalista, botânico
Empregador Universidade de Pisa

Felice Gaspare Ferdinando Fontana (Pomarolo, Tirol, 15 de abril de 1730Florença, 10 de março de 1805)[1] foi um físico italiano que descobriu a reação de deslocamento do gás da água em 1780. Ele também é responsável pelo lançamento da toxicologia moderna e pela investigação do olho humano.

JuventudeEditar

Ele nasceu em Pomarolo e estudou Anatomia e Fisiologia na Universidade de Pádua.

EnsinoEditar

Em 1755 mudou-se para Bolonha. Em 1765 mudou-se, desta vez para Pisa, onde ensinou Lógica. Em 1766 ele também ensinou Física, tornou-se físico da corte, com a tarefa de criar um museu de história natural e física. O museu, então no Palazzo Pitti em Florença, foi inaugurado em 1775. É neste período que ele se interessa por venenos e movimentos da íris, entre outras coisas.

1775-1780: ViagensEditar

De 1775 a 1780, ele viajou pela Europa. Já em 1775 ele publicou um tratado, 'Ricerche fisiche sopra l'aria fissa', sobre o dióxido de carbono (opondo-se, entre outros, à teoria de Torbern Bergman de que era ácido em si) e 1779-1780 vê sua pesquisa seminal sobre o curare. Em 1779, ele ofereceu à Royal Society de Londres duas memórias sobre química: 'Experimentos e observações sobre o ar inflamável respirado por vários animais', onde negou que o ar inflamável fosse adequado para respirar, de acordo com Joseph Priestley, e 'Relato dos ares extraído de diferentes tipos de água; com pensamentos sobre a salubridade do ar em diferentes lugares”. Em 1783, foi eleito membro do Sociedade Filosófica Americana na Filadélfia.[2]

Princípios Gerais de Solidez e Fluidez de CorposEditar

Em 1783, ele publicou Principi generali della solidità e della fluidità dé corpi, expondo uma teoria sobre seus próprios estados materiais: ele pensava que a matéria estava sujeita a duas forças newtonianas, uma atrativa e outra expansiva. Este último, porém, não era repulsivo como Newton pensava, mas o resultado de uma combinação de matéria simples (sólida em seu estado natural) com "matéria térmica" que separava moléculas transformando corpos em fluidos e vapores. No caso dos gases, que nunca se tornavam líquidos na ausência de calor, ele considerou a interferência de outro princípio: o "flogisto", princípio da fluidez e inflamabilidade.

Principais obrasEditar

 
Traité sur le vénin de la vipere, sur les venons americains
  • Dei moti dell'iride (Lucca, 1765);
  • Nuove osservazioni sopra i globetti rossi del sangue (1766);
  • De irritabilitatis legibus... (1767);
  • Ricerche fisiche sopra il veleno della vipera (Lucca, 1767);
  • Descrizione ed uso di alcuni stromenti per misurare la salubrità dell'aria (Firenze, 1775);
  • Ricerche fisiche sopra l'aria fissa (Firenze, 1775);
  • Recherches physiques sur la nature de l'air nitreux et de l'air déphlogistiqué (Paris, 1776);
  • Traité sur le vénin de la vipere, sur les poisons americains... (Firenze, 1781, 2 voll.);
  • Opuscoli scientifici (Firenze, 1783).

Em 1792, foi eleito membro estrangeiro da Real Academia de Ciências da Suécia.

Ele morreu em Florença.

ReferênciasEditar

  1. «Felice Fontana». www.whonamedit.com. Consultado em 14 de abril de 2021 
  2. «APS Member History». search.amphilsoc.org. Consultado em 14 de abril de 2021 


Links externosEditar

  • Felice Fontana
  •   Herbermann, Charles, ed. (1913). «Felice Fontana». Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  • Zoologica Göttingen State and University Library Traité Sur Le Vénin De La Vipere Sur Les Poisons Americains Sur Le Laurier-Cerise Et Sur Quelques Autres Poisons Végetaux 1781
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.