Felipe Bragança

Felipe Bragança (Rio de Janeiro, 25 de Dezembro de 1980) é um cineasta carioca formado pela UFF, tendo crescido entre o centro do Rio de Janeiro e a Baixada Fluminense. É fundador da Duas Mariola Filmes. Em Julho de 2015, aos 34 anos, filmou sua estreia na direção solo de um longa-metragem: “Não Devore Meu Coração”. O filme é baseado no livro Curvas do Rio Sujo (2003), de Joca Reiners Terron e se passa na fronteira do Brasil com o Paraguai. O filme teve estreia nacional em 23 de novembro de 2017 e teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Sundance em 22 de janeiro de 2017 e em seguida no Festival de Berlin. O filme conta com Cauã Reymond no elenco.[1] Em janeiro de 2020, lançou "Um Animal Amarelo", seu quarto longa-metragem, o segundo como diretor-solo, em Competição no Festival de Rotterdam.[2]

Felipe Bragança
Nascimento 25 de dezembro de 1980
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação diretor de cinema, roteirista

Antes, começou sua vida no cinema co-dirigindo curtas e longas ao lado de Marina Meliande, entre eles se destacando os longas independentes e de baixíssimo orçamento: “A Fuga da Mulher Gorila” (Competição Cineasti di Presente no Festival de Locarno 2009) e “A Alegria” (estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes 2010). Entre 2003 e 2015, seus demais curtas e médias foram apresentados em festivais como Rotterdam, Tampere, Bienal de Sharjah e Berlinale. No Brasil, já teve filmes apresentados nos Festivais de Brasília, Gramado, Rio, Tiradentes e Mostra SP.[3]

Desde 2005, é parceiro constante de Karim Aïnouz, de quem foi diretor-assistente e roteirista em "O Céu de Suely" e roteirista em "Praia do Futuro", que esteve em Competição no Festival de Berlin 2014. Em 2013, Bragança foi artista convidado do DAAD Artists Programm Berlin e teve retrospectivas de seus trabalhos como diretor em cidades como Los Angeles (CalArts), Berlin (Kino Arsenal) e Paris (Jeu de Paumme).[4]

Felipe Bragança também é idealizador do projeto transmídia CLAUN sobre o universo mitológico do carnaval de rua carioca, que conta com uma web-série e um livro em quadrinhos lançado em 2014 pela Boitempo Editorial.

FilmografiaEditar

Como diretorEditar

2003 - “Por dentro de uma gota D’água” - Ficção, 16mm, Cor, 10 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2004 - “O Nome Dele (O Clovis)” - Ficção, 35mm, 15 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2006 - “Jonas e a Baleia” - Ficção, 35mm - 20 min;

2009 - “A Fuga da Mulher Gorila” - Ficção, HD, 82 min, 2009, Co-Direção: Marina Meliande;

2010 - “A Alegria” - Ficção, 35mm, 100 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2011 - “Desassossego” - Ficção, HD 63 min, Direção coletiva - direção de 1 episódio;

2012 - “Zahy” - Experimental, HD, 5 min;

2013 - “Fernando Que Ganhou Um Pássaro do Mar” - Ficção, HD, 20 min, Co-direção: Helvécio Maris Jr.;

2013 - “Claun” - web-série, HD, 3 episódios de 23 min;

2015 - “Escape From My Eyes” - Documentário, HD, 33 min;

2017 - "Não Devore Meu Coração"- Ficção, DCP, 106 min;

2019 - "Tragam-me a cabeça de Carmen M." - Experimental, Colorido, DCP, 60 min, Co-direção: Catarina Wallenstein.

2020 - "Um Animal Amarelo"- Ficção, Colorido, DCP, 115 min.

Como roteiristaEditar

2003 - “Por dentro de uma gota D’água” - Ficção, 16mm, Cor, 10 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2004 - “O Nome Dele (O Clovis)” - Ficção, 35mm, 15 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2006 - “Jonas e a Baleia” - Ficção, 35mm - 20 min;

2006 - “O Céu de Suely” - Ficção, 35mm - 88 min;

2008 - “Alice” - HD, Série de TV HBO - 13 episódios de 45 minutos;

2009 - “A Fuga da Mulher Gorila” - Ficção, HD, 82 min, 2009, Co-Direção: Marina Meliande;

2010 - “A Alegria” - Ficção, 35mm, 100 min, Co-Direção: Marina Meliande;

2011 - “Desassossego” - Ficção, HD 63 min, Direção coletiva - direção de 1 episódio;

2011 - “Girimunho” - Ficção, HD - 80 min;

2011 - “Heleno” - Cinebiografia, 35mm, 100 min

2012 - “Zahy” - Experimental, HD, 5 min;

2013 - “Fernando Que Ganhou Um Passário do Mar” - Ficção, HD, 20 min, Co-direção: Helvécio Maris Jr.

2013 - “Claun” - web-série, HD, 3 episódios de 23 min;

2014 - “Praia do Futuro” - Ficção, 35mm, 100 min;

2015 - “Escape From My Eyes” - Documentário, HD, 33 min;

2017 - "Não Devore Meu Coração" - Ficção, DCP, 106 min;

2019 - "Tragam-me a cabeça de Carmen M." - Experimental, Colorido, DCP, 60 min, Co-direção: Catarina Wallenstein.

2020 - "Um Animal Amarelo"- Ficção, Colorido, DCP, 115 min.

Referências

  1. «Não Devore Meu Coração: Entrevista Exclusiva Com Felipe Bragança». Papo de Cinema. Consultado em 10 de maio de 2021 
  2. «Cineasta em crise e Brasil 'escamoteado' inspiram filme de Felipe Bragança». Globo. Consultado em 10 de maio de 2021 
  3. «Felipe Bragança». Filme B. Consultado em 10 de maio de 2021 
  4. «Felipe Bragança». FilmIn Portugal. Consultado em 10 de maio de 2021