Filipe de Médici

Filipe de Médici (em italiano: Filippo de' Medici, Florença, 20 de maio de 1577 - Florença, 29 de março de 1582), foi o filho mais novo dos Grão-Duques da Toscana, Francisco I de Médici e Joana de Áustria.

Filipe de Médici
Grão-Príncipe da Toscana
Filippino di Francesco I de Medici.jpg
Filipe de Médici
Casa Casa Grã-ducal da Toscana
Dinastia Médici
Nascimento 20 de maio de 1577
  Florença, Grão-ducado da Toscana
Morte 29 de março de 1582 (4 anos)
  Florença, Grão-ducado da Toscana
Enterro Basílica de São Lourenço, Florença
Pai Francisco I de Médici
Mãe Joana de Áustria

BiografiaEditar

Filipe era o filho mais novo (e único varão) nascido do casamento de Francisco e Joana, depois de uma série de filhas, algumas mortas na infância. Uma enorme alegria invadiu a corte toscana dado que se tratava do nascimento de um herdeiro legítimo ao trono e eliminou todas as esperanças de Bianca Cappello (a amante de seu pai) que pretendia que o seu filho António viesse a ser o herdeiro da coroa Toscana.

O jovem, que foi batizado com o nome de Filipe em homenagem ao seu padrinho, o rei Filipe II de Espanha, foi então jurado como Grão-Príncipe da Toscana. Na corte sempre foi tratado pelo diminutivo Don Filippino e, aos onze meses da idade, a mãe morreu num acidente ao cair dumas escadas quando já estava em avançado estado de gravidez. O pai, casou então com Bianca Cappello.

Filipe era um dos sete filhos, dos quais apenas duas atingiram a idade adulta: Leonor de Médici (que veio a ser Duquesa consorte da Mântua) e Maria de Médici (que veio a ser rainha consorte de França). Uma outra irmã, Ana de Médici, morreu com 14 anos.

Filipe, que sempre tivera uma saúde muito débil, morreu aos quatro anos a 29 de março de 1582. Uma recente autópsia efetuada as seus restos mortais em 2004, revelou que Don Filippino padecia de uma forma leve de hidrocefalia. Quando o seu crânio foi aberto, saiu o equivalente a um copo de água. Um estudo recente dos seus restos mortais confirmou o diagnóstico.[1]

Nas Galleria degli Uffizi encontra-se um retrato póstumo que data de 1586, que o retrata como um jovem junto à sua mãe, apesar dela ter morrido muito antes dele ter alcançado essa idade.

AscendênciaEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. «The Medici Project: First Anthropological and Paleopathological Results»  Gino Fornaciari, Angelica Vitiello, Sara Giusiani, Valentina Giuffra, Antonio Fornaciari, Natale Villari, The Medici Project: First Anthropological and Paleopathological Results. (consultado a 23 de janeiro de 2011).

BibliografiaEditar

  • (em italiano) “Le donne di casa Medici” de Marcelo Vannucci, 1999, Newton Compton, Roma. ISBN 8854105260