Abrir menu principal
Brasão da Casa de Tudor, uma casa real inglesa.

Casa Real é expressão de múltiplo sentido que tanto se refere ao local físico onde se aloja o rei, o seu palácio, como à realeza ou família real reinante de uma dinastia, a todo um conjunto de funcionários (servidores do rei e da sua família mais direta) que participavam na administração e funcionamento da referida casa.[1]

Enquanto a família é geralmente representada pelos membros, seniores e juniores, de uma família ou cadetes sucursais, que são vagamente relacionados, mas não necessariamente do mesmo parentesco. Contrariamente à maioria das ocidentais, muitas das famílias reais do mundo não têm nomes familiares, e aqueles que tenham adotado, raramente utilizam. Por sua vez, eles referem os seus títulos, muitas vezes relacionados com uma área excluída ou deliberada/escolhida pela família. O nome de uma casa real não é um apelido, é apenas uma maneira conveniente de identificação dinástica dos indivíduos.

ExemplosEditar

Devido aos casamentos entre famílias reais e à criação de cadetes sucursais, uma casa real geralmente não corresponde inteiramente a uma família imediata ou local; membros da mesma casa em diferentes ramos podem declarar inteiramente diferentes países e ser apenas vagamente relacionados, a família pode se ter originado inteiramente noutro lugar. A dinastia Capetiana (que inclui qualquer descendente direto de Hugo Capeto da França) é o mais antigo dirigente da continuidade dinástica na Europa - originada em 987 e presente nas atuais casas dirigentes em Espanha e no Luxemburgo.

A casa de Wettin, outro exemplo, tem origem no Sacro Império Romano-Germânico (atual Alemanha) como uma família condal. Hoje em dia, já não possui qualquer estatuto na Alemanha, mas diferentes ramos sentaram-se em vários tronos, incluindo o do Reino Unido e da Comunidade de Nações, bem como na Bélgica. Antigos monarcas de Portugal e da Bulgária também pertenciam a esta casa, mas eles não eram especial e estreitamente relacionados com as citadas linhas, como eles descendem de vários ramos, alguns deles distintos por muitas gerações.

Até recentemente, a realeza não tinha apelidos, e eram conhecidos apenas pelos seus títulos, ou pelas suas denominações cristãs, seguido do nome da casa, feudo, estado ou país a que pertenciam.

Os nomes das casas reais na Europa foram geralmente extraídos do pai; nos casos em que uma rainha regente se casasse com um príncipe de outra casa, os seus filhos (e, portanto, um monarca posterior) pertenciam à sua casa. Assim, a rainha Vitória do Reino Unido pertencia à Casa de Hanôver, mas a sua linhagem descendente masculina pertencia à casa do seu marido Alberto, que era a de Saxe-Coburgo-Gota. O nome foi alterado para Casa de Windsor, em 1917. Contudo, esta regra tinha várias exceções noutros países: após o casamento da imperatriz Maria Teresa de Áustria, no século XVIII, com o duque de Lorena Francisco III, a sua casa tomou o nome de Habsburgo-Lorena, a fim de associar-se intimamente com a anterior dinastia de Habsburgo. Após 1834, em Portugal, o casamento da rainha Maria II de Portugal e de Fernando de Saxe-Coburgo-Gota (depois rei consorte Fernando II de Portugal, após o nascimento do seu primeiro filho com a rainha) permaneceu exclusivamente Casa de Bragança, bem como o nome da família e da dinastia, permaneceram inalterados, seguindo as tradições celtiberas matriarcas portuguesas. Mais recentemente, no século XX, as crianças da rainha regente nos Países Baixos e no Luxemburgo, têm mantido a sua casa à associação materna, e no Reino Unido, a rainha Isabel II, apesar da descendência pelo seu marido, Filipe da Grécia e da Dinamarca, permaneceu oficialmente Windsor, apesar de ser tecnicamente casa de Eslésvico-Holsácia-Sonderburgo-Glucksburgo, que, por sua vez, é uma linha da Casa de Oldemburgo. A casa de Eslésvico-Holsácia-Sonderburgo-Glucksburgo é regente na Noruega e na Dinamarca, e governou na Grécia, sendo que na Grécia, os membros da família real são convidados a utilizar o título de Príncipe da Dinamarca, passando a serem cadetes do ramo da casa regente na Dinamarca.

Outra forma em que a casa real de um dado país pode mudar é quando um príncipe estrangeiro é convidado a preencher uma vaga no trono ou de um lado dos parentes de uma casa estrangeira. Isso ocorreu com a morte dos filhos da rainha Ana da Grã-Bretanha da casa de Stuart: ela foi sucedida por um príncipe da casa de Hanôver, que era o seu parente protestante mais próximo.

Casas reinantesEditar

Reinos extintos ou depostosEditar

País na época da monarquia País atualmente Última casa real Ramo de
  Reino do Afeganistão   República Islâmica do Afeganistão Barakzai
  Império Alemão   República Federal da Alemanha Hohenzollern
  Reino da Albânia   República da Albânia Saboia
  Império Austro-Húngaro   República da Áustria Habsburgo-Lorena Habsburgo
  Hungria
  Império do Brasil   República Federativa do Brasil Bragança
  Reino da Bulgária   República da Bulgária Saxe-Coburgo-Gota Wettin
  Império do Grande Qing   República Popular da China Quingue
  Mongólia
  República da China (Taiwan)
  Império da Coreia   República da Coreia (Coreia do Sul) Joseon
  República Popular Democrática da Coreia (Coreia do Norte)
  Reino do Egito   República Árabe do Egito Maomé Ali
  Império Etíope   República Democrática Federal da Etiópia Salomônica
  Império Francês   República Francesa Bonaparte (imperial)
  Reino da França Orléans (real) Bourbon
  Reino da Grécia   República Helênica (Grécia) Eslésvico-Holsácia-Sonderburgo-Glucksburgo Oldemburgo
  Primeiro Império Haitiano  Haiti Dessalines
  Reino do Haiti Christopher
  Segundo Império Haitiano Soulouque
  Reino do Havaí   Havaí Kamehameha
  Império Mogol   República da Índia Mogol
  República Islâmica do Paquistão
  República Popular do Bangladexe
  Reino de Israel e Judá   Estado de Israel Casa de Davi
  Reino de Israel
  Reino do Iraque   República do Iraque Haxemitas
  Império da Pérsia   República Islâmica do Irão Pálavi
  Reino da Irlanda   República da Irlanda Tudor
  Reino de Itália   República Italiana Saboia
  Reino da Líbia   Líbia Senussi
  Império Mexicano   Estados Unidos Mexicanos Habsburgo-Lorena Habsburgo
  Reino de Portugal   República Portuguesa Bragança-Saxe-Coburgo-Gota Borgonha
  Reino da Romênia   Roménia Hohenzollern-Sigmaringen Hohenzollern
  Império Otomano   República da Turquia Osmã
  Império Russo   Federação Russa Romanov Oldemburgo
  Reino da Sérvia   República da Sérvia Karadjordjevitch
  Império do Vietnã   República Socialista do Vietnã Nguyễn

Ver tambémEditar

Referências