Abrir menu principal

Wikipédia β

Filologia (do grego antigo Φιλολογία, "amor ao estudo, à instrução") é o estudo da linguagem em fontes históricas escritas, incluindo literatura, história e linguística.[1] É mais comumente definida como o estudo de textos literários e registros escritos, o estabelecimento de sua autenticidade e sua forma original, e a determinação do seu significado.

Filologia clássica é a filologia do grego e latim clássico. Filologia clássica é historicamente primária, originária de Pérgamo e Alexandria[2] em torno do século IV a.C., continuou pelos gregos e romanos em todo o Império Romano e Bizantino, e eventualmente assumida por estudiosos europeus do Renascimento, onde foi logo acompanhado por filólogos de outras línguas tanto a um nível europeu (germânico, celta, eslavos, etc) e não-europeus (em sânscrito, persa, árabe, chinês, etc.). Estudos indo-europeus envolvem a filologia comparativa de todas as línguas indo-europeias.

Qualquer linguagem clássica pode ser estudada filologicamente e, de facto, como uma linguagem de descrição "clássica" e que implica a existência de uma tradição filológica associada a ele.

Devido ao seu foco no desenvolvimento histórico (análise diacrônica), a filologia passou a ser usada como um termo que contrasta com a linguística. Isto é devido a um desenvolvimento do século XX desencadeada por insistência de Ferdinand de Saussure sobre a importância da análise sincrônica, e mais tarde o surgimento do estruturalismo e linguística Chomsky com sua ênfase na sintaxe.

Índice

EtimologiaEditar

O termo filologia é derivado do grego φιλολογία (philologia), dos termos φίλος (philos), que significa "amor, carinho, amado, querido, querido amigo", e λόγος (logos),[3] que significa "palavra, a articulação, a razão", descrevendo um amor de aprendizagem,[3] da literatura, bem como de argumentação e raciocínio, refletindo o leque de atividades incluídas no âmbito da noção de λόγος. O termo mudou pouco com a philologia Latina, e mais tarde entrou para o idioma Inglês, no século XVI, a partir do francês médio philologie, no sentido de "amor pela literatura".

O adjetivo φιλόλογος (philologos) significava "Amante de discussão ou argumento, falador", em grego helenístico implicando também uma excessiva ("sofista") a preferência de discussão sobre o amor de verdadeira sabedoria, φιλόσοφος (philosophos).

Como uma alegoria da erudição literária, Philologia aparece na literatura pós-clássica do século V (Marciano Capela, De nuptiis Philologiae et Mercurii), uma ideia revivida na tardia literatura Medieval (Chaucer, Lydgate).

DefiniçãoEditar

A filologia aborda, portanto, problemas de datação, localização e edição de textos. Para tanto, ela se apoia na História e em seus ramos (como a história das religiões etc.), na linguística, na gramática, na estilística, mas também em disciplinas ligadas à arqueologia, como a epigrafia ou a papirologia.

Num registro documental o filólogo pode traçar o desenvolvimento em geral.

Nas tradições acadêmicas de várias nações, uma ampla acepção do termo filologia descreve o estudo de uma língua juntamente com a sua literatura e os contextos históricos e culturais que são indispensáveis para uma compreensão das obras literárias e de outros textos culturalmente significativos. Filologia compreende, portanto, o estudo da gramática, retórica, história, a interpretação dos autores, críticos e tradições associadas a um determinado idioma. Tal definição tão abrangente está se tornando rara, e filologia tende a referir-se a um estudo de textos a partir da perspectiva histórica da linguística.

No seu sentido mais restrito de linguística histórica, a filologia foi uma das primeiras ciências do século XIX a se aproximar da linguagem humana mas deu rumo à ciência moderna da linguística no século XX, devido à influência de Ferdinand de Saussure, que argumentava que a linguagem falada deveria ter primazia. Nos Estados Unidos, o Jornal Americano de Filologia foi fundando em 1880 por Basil Lanneau Gildersleeve, um professor de Filologia Clássica na Johns Hopkins University.


Veja tambémEditar

Referências

  1. Peile, John (2008). Philology (em inglês). [S.l.]: Harvard University. 168 páginas. Consultado em 15 de junho de 2013 
  2. Hall, F. W. (1968). A Companion to Classical Texts. Oxford, Inglaterra: Clarendon Press. p. 22–52 
  3. a b «filologia». Porto Editora. Infopédia. Consultado em 26 de junho de 2013 

Ligações externasEditar