Abrir menu principal
Adão e Eva são figuras bíblicas que demonstram teológicamente que há algo de errado no homem.

A filosofia da natureza humana também se chama de antropologia filosófica,[1] envolve-se na pergunta o que é o ser humano?[2] De acordo com o filósofo Tomás de Aquino natureza é a substância, o princípio do movimento, que tem um caráter disposicional, com tendência a união(ad unum), quando não existem obstáculos. A natureza humana é básicamente o terreno de todo desenvolvimento do homem.[2]

Filosofia helenísticaEditar

Segundo Aristóteles, o estudo filosófico da própria natureza humana se originou com Sócrates.[3] Sócrates teria estudado a questão de como uma pessoa deveria viver melhor, mas não deixou obras escritas. É claro a partir dos trabalhos de seus alunos Platão e Xenofonte, e também pelo que foi dito por Aristóteles (estudante de Platão), que Sócrates era um racionalista e acreditava que a melhor vida e a vida mais adequada à natureza humana envolvesse virtude. A escola socrática foi a principal influência sobrevivente na discussão filosófica na Idade Média, entre os filósofos islâmicos, cristãos e judeus.

Platão, um dos estudantes de Sócrates, acreditava que seres humanos são imperfeitos, contudo existe um mundo que transcende o mundo atual, Platão argumentou que a própria noção do perfeito em nossa mente nos diz que há algo além, de acordo com a Teoria das Formas devemos buscar a forma ideal nas coisas imperfeitas do mundo, porque já sabemos, em princípio, que caminho temos que seguir para atingir a idealização(ou perfeição).[4]

A filosofia de Plotino sempre exerceu um fascínio peculiar sobre aqueles cujo descontentamento com as coisas como elas são levaram a buscar as realidades além das aparências e do sentido.

A filosofia de Plotino: livros representativos das Eneadas, p. vii[5]

Uma figura importante no neoplatonismo, Plotino, diz que é da natureza humana a busca da felicidade, a autêntica felicidade humana consiste do verdadeiro humano identificando-se com o que é melhor no universo. Porque a felicidade está além de qualquer coisa física, Plotino salienta o ponto em que a fortuna não controla a verdadeira felicidade humana, e, portanto, " ... não existe nenhum ser humano que não tenha potencialmente ou efetivamente essa coisa que temos para constituir a felicidade." (Eneadas I. 4.4) A questão da felicidade de Plotino foi uma das maiores impressões no pensamento ocidental, ele é um dos primeiros a introduzir a ideia de que a eudaimonia (felicidade) é atingível apenas dentro da consciência.

O verdadeiro ser humano é um contemplativo incorporal da capacidade da alma, e superior a todas as coisas corpóreas. Em seguida, ele segue que a verdadeira felicidade humana é independente do mundo físico. A verdadeira felicidade é, em vez disso, dependente da metafísica e o ser humano autêntico encontrado este na maior capacidade da Razão. "Para o homem, e especialmente o proficiente, não é o a união da alma e do corpo: a prova é que o homem pode ser desengatado do corpo e desdém os seus valores nominais de bens." (Eneadas I. 4.14) O ser humano que tem alcançado a felicidade não será incomodado por motivo de doença, desconforto, etc., como seu foco é sobre as melhores coisas. A autêntica felicidade humana é a utilização da mais autêntica capacidade humana de contemplação. Mesmo na ação física diária, o ato de florescimento humano "... é determinado pela etapa superior da alma." (Eneadas III.4.6) Mesmo nos mais dramáticos argumentos, Plotino considera (se o proficiente está sujeito a extremos de tortura física, por exemplo), ele conclui que isso só fortalece a sua alegação de a verdadeira felicidade de ser metafísica, como o ser humano verdadeiramente feliz iria entender que o que está sendo torturado é apenas um mero corpo, e não o eu consciente, e a felicidade pode persistir.

Plotino oferece uma descrição detalhada de sua concepção de uma pessoa que atingiu eudaimonia. "A vida perfeita" envolve um homem que comanda a razão e a contemplação. (Eneadas I. 4.4) Uma pessoa feliz, não vai oscilação entre feliz e triste, como muitos de Plotino contemporâneos acreditavam. Para os estoicos, por exemplo, a questão da capacidade de alguém para ser feliz (pressupondo a felicidade é a contemplação) se eles são mentalmente incapazes ou até mesmo dormindo. Plotino ignora esta afirmação, como a alma e o verdadeiro não dormir ou até mesmo existir no tempo, nem um humano vivo que tenha alcançado eudaimonia, de repente, parar de usar a sua maior e mais autêntica capacidade de apenas porque o corpo desconforto no reino físico. "...O proficiente é definida sempre e somente dentro." (Eneadas I. 4.11)

A teologia cristãEditar

Teólogos tem diferentes pontos de vista da natureza humana. No entanto, existem algumas "declarações básicas" em toda a "antropologia bíblica."[6]

  1. "A humanidade tem a sua origem em Deus, seu Criador."
  2. "Os humanos têm a 'imagem de Deus'."
  3. Os seres humanos devem "colocar o restante da criação em ordem."

ReferênciasEditar

  1. «Philosophical Anthropology facing Aquinas' Concept of Human Nature». Jacques Maritain Center. Consultado em 29 de agosto de 2017 
  2. a b «Philosophy of Human Nature». Spring Hill College. Consultado em 29 de agosto de 2017 
  3. Aristotle's Metaphysics
  4. A República. [S.l.: s.n.] 
  5. Plotinus (1950). The philosophy of Plotinus: representative books from the Enneads. [S.l.]: Appleton-Century-Crofts. p. vii. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  6. Justo L. González, Essential Theological Terms s.v.