Frédéric Joliot-Curie

químico francês

Jean Frédéric Joliot-Curie (Paris, 19 de março de 1900 — Paris, 14 de agosto de 1958) foi um físico francês.[1] Recebeu o Nobel de Química de 1935.

Frédéric Joliot-Curie
Nascimento 19 de março de 1900
Paris
Morte 14 de agosto de 1958 (58 anos)
Paris
Nacionalidade França Francês
Cônjuge Irène Joliot-Curie
Alma mater Escola Superior de Física e Química Industrial de Paris
Prêmios Medalha Matteucci (1932)

Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1935)
Medalha Hughes (1947)
Prêmio Lenin da Paz (1950)

Campo(s) Física, química nuclear

VidaEditar

Casou com Irène Joliot-Curie, cujo apelido de solteira, Curie, já era famoso, devido a seus pais, Pierre Curie e Marie Curie.

 
Irène Curie + Frédéric Joliot (1934)

Trabalhou toda a sua vida com sua mulher no campo da física nuclear e da estrutura do átomo. Juntos demonstraram a existência do nêutron e descobriram a radioatividade artificial em 1934, o que lhes valeu o Nobel de Química de 1935.

Onze anos mais tarde, foi nomeado alto comissário para a energia atômica, e através deste cargo dirigiu a construção da primeira usina atômica, em 1948.

Recebeu o Prêmio Lênin da Paz, em 1950.

Referências

  1. «Jean Frédéric Joliot-Curie». Consultado em 20 de setembro de 2010 

Ligações externasEditar


Precedido por
Franco Rasetti
Medalha Matteucci
1932
com Irène Joliot-Curie
Sucedido por
Wolfgang Pauli
Precedido por
Harold Clayton Urey
Nobel de Química
1935
com Irène Joliot-Curie
Sucedido por
Petrus Josephus Wilhelmus Debye
Precedido por
John Randall
Medalha Hughes
1947
Sucedido por
Robert Watson-Watt