Francisco José Rufino de Sousa Lobato

Francisco José Rufino de Sousa Lobato (Azambuja, Vila Nova da Rainha, 30 de julho de 1773 — Lisboa, 6 de maio de 1830), primeiro barão e primeiro visconde de Vila Nova da Rainha,[1] foi um aristocrata e político português. Amante do rei Dom João VI de Portugal.

Francisco José Rufino de Sousa Lobato
Francisco José Rufino de Sousa Lobato (ao centro), com a sua esposa, Mariana Leocádia Bárbara de Barros e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa e o sobrinho paterno desta Manuel Francisco de Barros e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa, futuro 2.º visconde de Santarém.
Nascimento 30 de julho de 1773
Vila Nova da Rainha
Morte 6 de maio de 1830
Cidadania Portugal
Ocupação aristocrata, político

BiografiaEditar

Filho de José Joaquim de Sousa Lobato e de sua mulher Maria Joana von Henring, filha de Bernardo José da Silveira e de sua mulher Joanna Maria Christina Herrin von Henring (aristocrata alemã); neto paterno de Luís António de Araújo e de sua mulher Maria Luísa Antónia Raimunda (Lisboa, Santa Justa), filha de Gregório Raimundo Vieira e de sua mulher Luísa Maria da Cunha (Lisboa, São José); e bisneto de Matias de Sousa Lobato e de sua mulher Isabel Maria de Almeida, ambos de Lisboa.

Era irmão do 1.º barão de Magé e 1.º visconde de Magé e do 2.º barão e 2.º visconde deste título.

Casou a 5 de fevereiro de 1800 com Mariana Leocádia Bárbara de Barros e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa (9 de dezembro de 1759 - 7 de fevereiro de 1835), irmã de João Diogo de Barros e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa, 1.º Visconde de Santarém. Teve um filho com ela, Evaristo José de Sousa Lobato, e outro com sua criada de quarto Maria da Conceição Alves, aldeã pobre de 19 anos, Francisco Gomes da Silva, o Chalaça.

Recebeu o baronato por Decreto de 5 de junho de 1809 de D. Maria I de Portugal, e o viscondado por Decreto da mesma Rainha de 21 de maio de 1810, ambos quando já se encontrava no Brasil junto com o Príncipe Regente e a Família Real, refugiada da Europa, invadida por Napoleão.

Por ter falecido o seu único filho legítimo solteiro e sem geração em sua vida, foi renovado o título de visconde de Vila Nova da Rainha no seu sobrinho por afinidade, António de Barros de Saldanha da Gama e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa.

Referências

  1. «Portugal – Dicionário histórico». Arqnet. Consultado em 7 de Setembro de 2013