Franz Steindachner

Franz Steindachner (Viena, 11 de novembro de 1834 — Viena, 10 de dezembro de 1919) foi um zoólogo austríaco, zoólogo, ictiólogo e herpetólogo. Ele publicou mais de 200 artigos sobre peixes e mais de 50 artigos sobre répteis e anfíbios.[1] Steindachner descreveu centenas de novas espécies de peixes e dezenas de novos anfíbios e répteis.[2] Pelo menos sete espécies de répteis foram nomeadas em sua homenagem.[3]

Franz Steindachner
Nascimento 11 de novembro de 1834
Viena
Morte 10 de dezembro de 1919 (85 anos)
Viena
Cidadania Áustria
Alma mater
Ocupação zoólogo, ictiólogo, explorador, herpetólogo, naturalista
Empregador Universidade Harvard

Trabalho e carreiraEditar

Interessado por história natural, Steindachner iniciou o estudo de peixes fósseis por recomendação de seu amigo Eduard Suess (1831-1914). Em 1860, foi nomeado diretor da coleção de peixes do Museu Naturhistorisches, cargo que permanecera vago desde a morte de Johann Jakob Heckel (1790-1857).[4]

A reputação de Steindachner como ictiologista cresceu e, em 1868, ele foi convidado por Louis Agassiz (1807-1873) a aceitar um cargo no Museu de Zoologia Comparada da Universidade de Harvard. Steindachner participou da Expedição Hassler de 1871-1872 (uma viagem que circunavegou a América do Sul de Boston a São Francisco). Em 1874, ele retornou a Viena e, em 1887, foi nomeado diretor do departamento de zoologia do Museu Naturhistorisches. Em 1898 foi promovido a diretor do museu.[4]

Ele viajou extensivamente durante sua carreira, suas viagens de pesquisa o levaram por toda a Península Ibérica, Mar Vermelho, Ilhas Canárias, Senegal, América Latina, etc. Em seus estudos zoológicos, seus interesses eram principalmente do ponto de vista sistemático e faunístico.[5]

Entre seus trabalhos mais conhecidos em ictiologia estão Ichthyologische Notizen (1863, publicado em 8 edições), Ichthyologische Beiträge (1874) e Beiträge zur Kenntniss der Flussfische Sudamerikas (1879), o último trabalho lidando com peixes de rio da América do Sul . No campo da herpetologia , publicou Die schlangen und eidechsen der Galapagos-inseln (Cobras e lagartos das Ilhas Galápagos, 1875).[6]

A partir de 1875, ele foi membro da Academia de Ciências de Viena. Em 1892 tornou-se membro da Academia Alemã de Ciências Leopoldina.[5]

HomenagensEditar

  • Steindachneria, um gênero de peixe do Atlântico ocidental;[7] (Steindachneria argentea, comumente conhecida como pescada luminosa).
  • Steindachneridion, um gênero de peixe na América do Sul descoberto por Steindachner, leva seu nome.[8]
  • Steindachnerina, um gênero de peixe da América do Sul.[9]

Além disso, Steindachner é comemorado nos nomes científicos das oito espécies e uma subespécie de répteis: Amphisbaena steindachneri, Chelodina steindachneri, Lucasium steindachneri, Kinosternon subrubrum steindachneri, Lioscincus steindachneri, Micrurus steindachneri, Palea steindachneri, Phrynocephalus steindachneri (sinônimo de Phrynocephalus przewalskii), e Pseudalsophis steindachneri. [10]

ReferênciasEditar

  1. Kähsbauer P (1959). "Intendant Dr. Franz Steindachner, sein Leben und Werk ". Ann. Naturhist. Mus. Wien 63: 1-30.
  2. «"Search results".» 
  3. «"The Reptile Database"» 
  4. a b «"Naturhistorisches Museum Wien"» 
  5. a b Killy, Walther; Vierhaus, Rudolf (2011-11-30). Schmidt - Theyer. ISBN 9783110966299.
  6. «"Steindachner, Franz 1834-1919"» 
  7. «Jordan DS, Evermann BW (1898). "The Fishes of North and Middle America: a Descriptive Catalogue ..." Bulletin of the United States National Museum. Number 47, Part III.» 
  8. «fishbase.org/summary/48552.» 
  9. «fishbase.org/summary/53119» 
  10. Beolens, Bo; Watkins, Michael; Grayson, Michael (2011). The Eponym Dictionary of Reptiles. Baltimore: Johns Hopkins University Press. xiii + 296 pp. ISBN 978-1-4214-0135-5. ("Steindachner", p. 252).