Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Galegos (desambiguação).

Os galegos são um grupo de habitantes da região espanhola da Galiza, no noroeste da Península Ibérica. As principais línguas faladas na região são o castelhano e o galego.

Galego
Gaiteiros em romaria galega.jpg
População total

Flag of Spain.svg Espanha 3 111 677

 Argentina 118 085-1 000 000

 Venezuela 33 443

 Brasil 29 601-7 000 000

Suíça 29 075

Uruguai 28 470

 França 16 026

 Alemanha 13 254

 Cuba 11 114

 Reino Unido 10 051

 Estados Unidos 9 482

 México 7 741-4 000 000

Outros países 158 203

Regiões com população significativa
Línguas
galegocastelhano
Religiões
Catolicismoateísmoagnosticismo • outras
Grupos étnicos relacionados

Portuguesesasturianos


Dornas na ria de Arousa

A Comunidade Autónoma da Galiza, um conceito estabelecido na Constituição espanhola de 1978, é composta por quatro províncias: Corunha (em língua galega e oficialmente A Coruña[1], em reintegrado A Corunha ou Corunha[2], em castelhano La Coruña), Lugo, Ourense (em galego e oficialmente Ourense[1], em reintegrado Ourense, em castelhano Orense) e Pontevedra.

No Estatuto de Autonomia da Galiza de 1981 é reconhecida nacionalidade histórica. Na Sociedade das Nações foi reconhecida nacionalidade europeia em 1933[3].

Outras áreas de língua galega estão localizadas nas províncias espanholas de Leão e Zamora nas comunidades autónomas de Castela e Leão, das Astúrias e da Estremadura (xalimego).

PopulaçãoEditar

O organismo estatístico regional da Galiza é o Instituto Galego de Estatística (IGE). Segundo o grupo, em 2008 a população total foi de 2 783 000. As línguas oficiais são o galego e o espanhol. O conhecimento da língua espanhola é obrigatório[4] de acordo com a constituição espanhola e praticamente universal. Quanto ao uso do galego, após muitos anos de declínio. Atualmente, aproximadamente 82% da população da Galiza fala galego e cerca de 61% da população tem-no como língua materna.

CulturaEditar

CeltismoEditar

De raízes célticas, a cultura galega é rica e remonta à época pré-romana. Na Galiza, aproximadamente a metade dos topónimos não latinos transmitidos desde a antiguidade nas obras dos autores e geógrafos clássicos (Pompónio Mela, Plínio, Ptolemeu, etc.), ou nas inscrições epigráficas romanas, resultaram ser de origem celta.[5][6] Há historiadores que, sem negar essas raízes culturais, acreditam que foram usadas politicamente para afirmar as realidades nacionais da Galiza e de Portugal, em particular no século XIX.[7]

De qualquer forma, "celta" é um termo polissêmico como "latino" pode ser, e os laços entre Galiza e Irlanda foram historicamente destacados pela cultura irlandesa, desde o Lebor Gabála Érenn[8] até as peregrinações do St. James Gate em Dublin[9] ou o exílio após a Fuga dos Condes no século XVI. Santiago tornou-se, segundo o Bispo Thomas Strong (tio de Thomas White, fundador do Colégio dos Irlandeses de Compostela) a "verdadeira capital do povo irlandês no exílio".[10] Dois séculos mais tarde, esta tradição influiu no Rexurdimento e levou à consideração do mito fundador por vários intelectuais galegos (Vicetto, Murguía etc.) e a sua inclusão no hino Os Pinos de Pascual Veiga e Pondal.[11]

Portugal e GalizaEditar

A similaridade entre as culturas portuguesa e do noroeste da Espanha é marcante e perceptível, a ponto de muitos estudiosos não identificarem uma divisão nítida entre os dois povos irmãos. No que tange ao idioma, por exemplo, sabe-se que as línguas portuguesa e galega compartilham uma origem comum relativamente recente no galego-português e muitos linguistas ainda consideram o galego e o português contemporâneos como dois dialetos de uma mesma língua, corrente na qual se insere o movimento reintegracionista.[12][13]

Com base em tais semelhanças, as relações culturais entre Portugal e a Galiza têm-se vindo a fortalecer nos últimos anos e este movimento histórico de reaproximação já produz frutos concretos, refletindo-se nomeadamente no reconhecimento por parte da UE do Patrimônio Imaterial Galego-Português.

Entretanto vertentes mais ortodoxas e tradicionais, as quais afirmam que o galego é um idioma mais antigo que o português, têm uma postura diferente, considerando que o português é uma mistura do galaico-português medieval, miscigenado aos dialectos árabes que se usavam no território português ao sul da Península Ibérica, e portanto, idioma de mesma raiz, mas distinto do galego.

MigraçõesEditar

Como outras regiões da Espanha, a Galiza tem sido um paradigma da emigração em massa. A emigração galega foi notável para outras partes do país, Portugal, resto da Europa e América do Sul. Ao contrário de outras regiões espanholas (País Basco e Catalunha) — mais ricas e urbanizadas —, a Galiza manteve-se relativamente fraca, dominada pela agricultura e vilas rurais. Além do mais, o seu setor agrícola continua a ser um dos mais atrasados em Espanha. Por essas e outras razões, a Galiza era um exportador de mão de obra para o resto da Espanha. Entre 1900 e 1981, a saída líquida de pessoas da Galiza foi mais do que 825 000 pessoas. Na realidade, a cidade com o segundo maior número de população galega é Buenos Aires, na Argentina, onde imigração da Galiza era tão maciça que todos os espanhóis são agora conhecidos como gallegos (em espanhol, galegos). Durante o governo de Franco houve uma nova onda de emigração da Galiza a outros países europeus, nomeadamente França, Suíça e Reino Unido.

DescendentesEditar

Estima-se que haja, atualmente, cerca de 10 milhões de galaico-descendentes.

No BrasilEditar

O gentílico "galego" é atribuído em certas regiões brasileiras a pessoas brancas de cabelos e olhos claros,[14] e na Galiza há de facto uma percentagem de louros algo maior por causas históricas. Também houve uma grande mestiçagem dos descendentes de galegos no Brasil e outros países do mundo.

Referências

  1. a b «BOE.es - BOE-A-1998-5184 Ley 2/1998, 3 de marzo, sobre el cambio de denominación de las provincias de La Coruña y Orense.». www.boe.es. Consultado em 9 de abril de 2022 
  2. Maragoto, Eduardo (20 de dezembro de 2020). «Do ideário de Ricardo Carvalho Calero ao reintegracionismo do século XXI». Boletín da Real Academia Galega (em galego) (381): 239–259. ISSN 2605-1680. doi:10.32766/brag.381.795. Consultado em 9 de abril de 2022 
  3. «80 anos dende que Galicia é, oficialmente, nación». Praza Pública (em galego). 13 de setembro de 2013. Consultado em 9 de abril de 2022 
  4. «Título preliminar - Constitución Española». www.congreso.es (em espanhol). Consultado em 21 de abril de 2017 
  5. Curchin (2008) pp. 109, 130-131.
  6. Vallejo (2009) pp. 272-273.
  7. «Celtas e castrejos na Península Ibérica – questões sobre a identidade nacional e o substrato proto-celta». www.academia.edu. Consultado em 9 de abril de 2022 
  8. «Lebor Gabála Érenn: The Book of Invasions». www.maryjones.us. Consultado em 9 de abril de 2022 
  9. «Irish Society of the Friends of St.James » Practical Information». web.archive.org. 7 de outubro de 2011. Consultado em 9 de abril de 2022 
  10. «Thomas White | Real Academia de la Historia». dbe.rah.es. Consultado em 9 de abril de 2022 
  11. Castro, Fernanda (22 de novembro de 2013). «Breogán: o herói celta de Leabhar Gabhala Eireann ao poema de Eduardo Pondal». Breogán: o herói celta de Leabhar Gabhala Eireann ao poema de Eduardo Pondal. Consultado em 9 de abril de 2022 
  12. cfr. pág 1775, Díaz Pardo (2007)
  13. Associaçom Galega da Língua,. Ortografia galega moderna : confluente com o portuguães no mundo. Santiago de Compostela: [s.n.] ISBN 978-84-16545-08-7. OCLC 1003248390 
  14. «Significado / definição de galego no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». www.priberam.pt. Consultado em 5 de fevereiro de 2016 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Galegos