Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde março de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaGallotia goliath
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Sauria
Família: Lacertidae
Género: Gallotia
Espécie: G. goliath
Nome binomial
Gallotia goliath
Mertens, 1942

Gallotia goliath é uma espécie extinta de sauropsida que vivia na ilha de Tenerife (Canárias, Espanha).

Sabe-se que este réptil viveu desde antes da chegada do homem. Ele foi descrito por Robert Mertens em 1942. Acredita-se que medir até um metro de comprimento e também poderia viver na ilha de La Gomera. Os fósseis deste animal, encontrados em cavernas vulcânicas de Tenerife, que geralmente aparecem em locais com outros lagartos gigantes extintos e até mamíferos também extintos.

A espécie Gallotia goliath era o réptil maior daqueles encontrados nas Ilhas Canárias, que atingiu um comprimento de 120 a 125 centímetros, embora não seja de excluir que pudesse ter amostras ainda maiores devido à descoberta em 1952 de um crânio 13,5 cm. Estes lagartos gigantes habitavam as planícies costeiras da ilha.[1]

Ele habitava a ilha de Tenerife a partir do Holoceno até o século XV. Encontramos restos de esqueletos desta espécie em diferentes sítios arqueológicos com marcas que mostram que foram consumidos pelos nativos da ilha (Guanches). Está escrito sobre a sua existência no século XV, de modo que a extinção deve ter ocorrido nos anos após a conquista da Ilhas Canárias.[2]

ReferênciasEditar

  1. Aportaciones de D. Telesforo Bravo al conocimiento de la fauna de vertebrados terrestres de las islas Canarias
  2. Morales Mateos, Jacob; Amelia Rodríguez Rodríguez Verónica Alberto Barroso M. Carmen Machado Yanes Constantino Criado Hernández (2007). «El impacto de las actividades humanas sobre el medioambiente de las islas Canarias durante la prehistoria» (PDF) (19): 72-81. Consultado em 19 de março de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 4 de setembro de 2014