Georges Balandier

Georges Balandier (21 de dezembro de 1920 - 5 de outubro de 2016) foi um etnólogo, antropólogo e sociólogo francês, professor emérito da Universidade de Sorbonne (Universidade Paris Descartes), diretor de estudos da Escola de altos estudos em ciências sociais e colaborador do Centro de estudos africanos.[1]

Georges Balandier
Nascimento 21 de dezembro de 1920
Aillevillers-et-Lyaumont
Morte 5 de outubro de 2016 (95 anos)
Paris
Cidadania França
Alma mater
  • Faculdade de Artes de Paris
Ocupação antropólogo, professor(a) universitário(a)
Prêmios
  • doutor honoris causa na Universidade Laval (1992)
Empregador École des hautes études en sciences sociales, Faculdade de Artes de Paris, Université de Paris V
Obras destacadas Ambiguous Africa: cultures in collision

BiografiaEditar

Georges Léon Émile Balandier nasceu em Aillevillers-et-Lyaumont, Alto Saona, filho de um trabalhador ferroviário e militante socialista. Começou seus estudos de filosofia mas a guerra e a ocupação dificultaram a continuação, já que ingressou no Serviço de Trabalho Obrigatório (STO) e depois na resistência. A partir desta experiência e no clima de efervescência intelectual que seguiu à libertação, frequentou a Michel Leiris e participou nos esforços para tentar definir uma política colonial alternativa.

Cuando llegué a Dakar en 1946 descubrí la pobreza tras la pompa de las vestimentas, pero también cierta turbulencia.
— Entrevista con G. Balandier en 1982.

Membro da Secção Francesa da Internacional Operária de 1946 a 1951, começa sua carreira de etnólogo e participa ativamente na campanha pela libertação da África. Em 1952 a tomada do partido pela independência em suas Cahiers de sociologie (Cadernos de sociologia).

Depois conduziu investigações na administração de Pierre Mendès France, mas rompeu com a política quando Charles De Gaulle colocou a Guiana Francesa de Sékou Touré para fora da União Francesa. Junto com Alfred Sauvy é co-autor do conceito de terceiro mundo para designar, em 1956 àqueles países que se assemelhavam ao terceiro estado da Revolução francesa.

Descobridor dos Brazzavilles noires, é um dos primeiros em pôr sua atenção sobre o estudo das sociedades tradicionais e sua mutação dentro do desenvolvimento contemporâneo africano. Em 1962 inaugurou a primeira cátedra de sociologia africana na Sorbona, e em 1982 fundou junto a Michel Maffesoli o Centre d'études sul l'actuel et lhe quotidien (Centro de estudos sobe a atualidade e o quotidiano). Foi diretor dos Cahiers de sociologie junto a Michel Wieviorka.

BibliografiaEditar

  • 1947 Tous comptes faits, Paris, edições do Pavois. (única obra de ficção)
  • 1952 "Contribution à une Sociologie da Dépendance", Cahiers Internationaux de Sociologie, XII, pg. 47-69.
  • 1952 (em colaboração com Pierre Mercier) Particularisme et Evolution: lhes pêcheurs Lébou (Sénégal), St Louis du Sénégal, IFAN.
  • 1952 Lhes villages gabonais, Brazzaville, Institut d'études centrafricaines
  • 1955 L'anthropologie appliquée aux problèmes dês pays sous-développés, Paris, Curso de direito, 376 p.
  • 1955 Sociologie dês Brazzavilles noires, Paris, A.colin.
  • 1955 Sociologie actuelle de l'Afrique noire. Dynamique dês changements sociaux em Afrique centrale, Paris, PUF.
  • 1957 (dir.) Lhe Tiers-Monde, sous-développement et développement, Paris, PUF-INED.
  • 1957 Afrique ambigüe, Paris , Plon : l'ouvrage à lire pour comprendre a démarche de l'ethnologue. Reeditado depois em edição de ebolsillo.
  • 1959 Lhes pays sous-développés: aspects et perspectives, Paris, curso de direito.
  • 1961 Lhes pays em voie de développement : analyse sociologique et politique, Paris, curso de direito.
  • 1965 A vie quotidienne au royaume de Kongo du XVIe au XVIIIe siècles, Paris, Hachette.
  • 1967 Anthropologie politique, Paris, PUF: obra fundamental da antropologia política.
  • 1968 (dir.) Dictionnaire dês civilisations africaines, Paris, Fernand Hazan
  • 1970 (dir.) Sociologie dês mutations, Paris, Anthropos
  • 1971 Sens et puissance : lhes dynamiques sociais, Paris, PUF.
  • 1972 Georges Gurvitch, sa vie, são oeuvre, Paris, PUF

As obras importantes:

  • 1974 Anthropo-logiques, PUF esta obra mostra claramente a construção social da desigualdade a partir de diferenças de sexo, idade, actividade social e grupo familiar.
  • 1977 Histoire d'Autres, Paris, Estoque
  • 1980 Lhe pouvoir sul scène, Paris, Fayard (éd. aumentada em 1992, depois em 2006)
  • 1981 Autour de Georges Balandier, Paris, Fondation d'Hautvillers
  • 1985 Lhe détour : pouvoir et modernité, Paris, Fayard
  • 1988 Lhe désordre : éloge du mouvement, Paris, Fayard
  • 1994 Lhe dédale : pour em finir avec lhe XXe siècle, Paris, Fayard
  • 1996 Une anthropologie dês moments critiques, Paris, EHESS
  • 1997 Conjugaisons, Paris, Fayard
  • 2000 Avec Leonardo Cremonini em connivence, Milan, Eleita
  • 2001 Lhe Grand Système, Paris, Fayard
  • 2003 Civilisés, dit-on, Paris, PUF
  • 2005 Civilisation et Puissance, Paris, L'Aube
  • 2008 Fenêtres sul um nouvel âge (2006-2007), Paris, Fayard
  • 2009 Lhe dépaysement contemporain : l'immédiat et l'essentiel, Paris, PUF

Referências

  1. «La mort de Georges Balandier, sociologue, spécialiste de l'Afrique» (em francés)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)


Links externosEditar