Gliese 667 Cc

exoplaneta
Gliese 667 Cc
Exoplaneta Estrelas com exoplanetas
Gliese 667 Cc sunset.jpg
Concepção artística de Gliese 667 Cc. A maior estrela no céu é a anã vermelha Gliese 667 C no qual orbita. Existe outro planeta a orbitar essa estrela chamado Gliese 667 Cb. As outras duas estrelas no céu são Gliese 667 A e B, as outras componentes do sistema estelar triplo.
Estrela mãe
Estrela Gliese 667 C
Distância 22 anos-luz
 pc
Tipo espectral M3V
Elementos orbitais
Período orbital 28
Características físicas
Massa 4,39[1] M
Descoberta
Data da descoberta Fevereiro de 2012

Gliese 667 Cc é um exoplaneta que orbita uma estrela pertencente a um sistema estelar triplo e com baixa quantidade de elementos mais pesados que o hélio, conhecida como Gliese 667. O planeta era o mais promissor para se encontrar vida semelhante à nossa. Ele tem 4,39 vezes a massa da Terra[1] e está na zona habitável, com temperatura capaz de abrigar água em estado líquido. Está a 22 anos-luz da Terra e orbita sua estrela em 28 dias. O estudo foi publicado em fevereiro de 2012 pela revista Astrophysical Journal Letters.[2]

A descoberta prova que planetas rochosos podem se formar mesmo com estrelas de baixa metalicidade. A estrela é uma anã vermelha bem mais fria e pálida que o Sol, mas o planeta se situa a pouca distância, por isso recebe energia suficiente para a vida. Grande parte da luz é absorvida na faixa do infravermelho, garantindo temperaturas para manter a água em estado líquido. É esse tipo de planeta que os astrônomos procuram atualmente.[3]

CaracterísticasEditar

Massa, raio e temperaturaEditar

Gliese 667 Cc é uma super-Terra, um exoplaneta com massa e raio maior que o da Terra, mas menor que o dos planetas gigantes Urano e Netuno. É mais pesado que a Terra, com uma massa mínima de cerca de 3,7 massas terrestres[4]. A temperatura de equilíbrio do Gliese 667 Cc é estimada em 277,4 K (4,3 ° C; 39,6 ° F)[5]. Espera-se que tenha um raio de cerca de 1,5 R, dependendo de sua composição.

Estrela AnfitriãEditar

O planeta orbita uma estrela anã vermelha (tipo M) chamada Gliese 667 C, orbitada por um total de dois planetas. A estrela faz parte de um sistema de estrelas trinário, com Gliese 667 A e B sendo mais massivas que a companheira menor. Gliese 667 C tem uma massa de 0,31 M e um raio de 0,42 R. Tem uma temperatura de 3700 K, mas sua idade é pouco restrita, estima-se que tenha mais de 2 bilhões de anos. Em comparação, o Sol tem 4,6 bilhões de anos[6] e a temperatura da superfície é de 5778 K[7]. Esta estrela irradia apenas 1,4% da luminosidade do Sol a partir de sua atmosfera externa. Sabe-se que possui um sistema de dois planetas: reivindicações foram feitas por até sete, mas elas podem estar em erro devido à falta de explicação do ruído correlacionado nos dados de velocidade radial. Como as anãs vermelhas emitem pouca luz ultravioleta, os planetas provavelmente recebem quantidades mínimas de radiação ultravioleta.

Gliese 667 Cc é o segundo planeta confirmado fora de Gliese 667 C, orbitando ao longo do meio da zona habitável. De sua superfície, a estrela teria um diâmetro angular de 1,24 graus e pareceria ter 2,3 vezes o diâmetro visual do nosso Sol, como aparece da superfície da Terra. O Gliese 667 C teria uma área visual 5,4 vezes maior que a do Sol, mas ainda ocuparia apenas 0,003 por cento da esfera do céu do Gliese 667 Cc ou 0,006 por cento do céu visível quando diretamente acima do céu.

A magnitude aparente da estrela é 10,25, dando-lhe uma magnitude absoluta de cerca de 11,03. Está escuro demais para ser visto da Terra a olho nu, e telescópios menores ainda não conseguem resolvê-lo contra a luz mais brilhante das Gliese 667 A e B.

ÓrbitaEditar

A órbita do Gliese 667Cc tem um eixo semi-principal de 0,1251 unidades astronômicas, tornando seu ano com 28.155 dias terrestres. Com base na luminosidade bolométrica de sua estrela hospedeira, o GJ 667 Cc receberia 90% da luz que a Terra recebe; no entanto, boa parte dessa radiação eletromagnética estaria na parte infravermelha invisível do espectro.

HabitabilidadeEditar

Com base no cálculo da temperatura corporal negra, o GJ 667 Cc deve absorver radiação eletromagnética semelhante, mas um pouco mais geral que a Terra, tornando-o um pouco mais quente (277,4 K (4,3 ° C; 39,6 ° F)) e, consequentemente, colocando-o um pouco mais próximo do " borda interna "quente" da zona habitável que a Terra (254,3 K (-18,8 ° C; -1,9 ° F))[8]. De acordo com a PHL, o Gliese 667 Cc é (a partir de julho de 2018) o quarto exoplaneta mais parecido com a Terra, localizado na zona habitável conservadora de sua estrela-mãe.

Sua estrela hospedeira é uma anã vermelha, com cerca de um terço da massa do Sol. Como resultado, estrelas como Gliese 667 C têm a capacidade de viver de 100 a 150 bilhões de anos, 10 a 15 vezes mais do que o Sol viverá[9].

O planeta provavelmente está trancado por uma maré, com um lado de seu hemisfério voltado permanentemente para a estrela, enquanto o lado oposto está envolto em eternas trevas. No entanto, entre essas duas áreas intensas, haveria um pedaço de habitabilidade - chamado de linha terminadora, onde as temperaturas podem ser adequadas (cerca de 273 K (0 ° C; 32 ° F)) para a existência de água líquida. Além disso, uma porção muito maior do planeta pode ser habitável se suportar uma atmosfera espessa o suficiente para transferir calor para o lado voltado para longe da estrela.

No entanto, em um artigo de 2013, foi revelado que o Gliese 667 Cc está sujeito a aquecimento das marés 300 vezes o da Terra. Isso se deve em parte à sua pequena órbita excêntrica em torno da estrela hospedeira. Por esse motivo, as chances de habitabilidade podem ser menores do que as inicialmente estimadas[10].

DescobertaEditar

O Gliese 667 Cc foi anunciado pela primeira vez em uma pré-impressão divulgada ao público em 21 de novembro de 2011 pelo grupo HARPS (Radial Velocity Planet Searcher) do Observatório Europeu do Sul (HARPS), usando o método da velocidade radial (método Doppler). O anúncio de um relatório de periódico arbitrado foi publicado em 2 de fevereiro de 2012 por pesquisadores da Universidade de Göttingen e da Carnegie Institution for Science e apoiando a descoberta do grupo ESO HARPS[11].

Em ficçãoEditar

O Gliese 667 Cc aparece na história "The Audience", de Sean McMullen, na edição de junho de 2015 da Analog Science Fiction and Fact. Na franquia Alien vs. Predator, o Gliese 667 Cc foi o primeiro planeta a ser terraformado, sendo feito pela Weyland Corporation em 2039. Também é mencionado no romance de 2015 Not Alone, de Craig A. Falconer. Este planeta também é destaque em Arkwright.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b PHL's Exoplanets Catalog - Planetary Habitability Laboratory @ UPR Arecibo
  2. Planeta recém-descoberto é 'melhor candidato a abrigar vida' fora da Terra. Portal G1, acessado em 3 de fevereiro de 2012.
  3. [http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/1043494-super-terra-pode-ter-agua-liquida-como-nosso-planeta.shtml 'Super-Terra' pode ter água líquida ou não. Folha Ciência, acessado em 4 de fevereiro de 2012.
  4. «GJ 667 C c». exoplanetarchive.ipac.caltech.edu. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  5. «The Habitable Exoplanets Catalog - Planetary Habitability Laboratory @ UPR Arecibo». phl.upr.edu. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  6. Williams, Matt (22 de dezembro de 2015). «What is the Life Cycle Of The Sun?». Universe Today (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2019 
  7. Cain, Fraser (8 de outubro de 2013). «What Color is the Sun?». Universe Today (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2019 
  8. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 30 de junho de 2013. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  9. Adams, F. C.; Graves, G. J. M.; Laughlin, G. (0 de dezembro de 2004). «Red Dwarfs and the End of the Main Sequence». Revista Mexicana de Astronomia y Astrofisica Conference Series (em inglês). 22. 46 páginas  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Makarov, Valeri V.; Berghea, Ciprian (17 de dezembro de 2013). «DYNAMICAL EVOLUTION AND SPIN-ORBIT RESONANCES OF POTENTIALLY HABITABLE EXOPLANETS. THE CASE OF GJ 667C». The Astrophysical Journal (em inglês). 780 (2). 124 páginas. ISSN 0004-637X. doi:10.1088/0004-637x/780/2/124 
  11. Öffentlichkeitsarbeit, Georg-August-Universität Göttingen-. «Presseinformationen - Georg-August-Universität Göttingen». www.uni-goettingen.de (em alemão). Consultado em 24 de novembro de 2019 


  Este artigo sobre um planeta extrassolar é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.