Glucagonoma

Glucagonoma é um raro tumor das células alfa pancreáticas que resulta na produção excessiva da hormona, o glucagon. Normalmente associada a uma erupção cutânea chamada eritema necrolítico migratório, perda de peso e diabetes mellitus leve, a maioria das pessoas com glucagonoma contrai-o espontaneamente.[1] No entanto, cerca de 10% dos casos estão associados à síndrome da neoplasia endócrina múltipla tipo 1 (NEM-1).[1]

CausasEditar

Embora a causa do glucagonoma seja desconhecida, alguns fatores genéticos podem causar a doença. Uma história familiar de neoplasia endócrina múltipla tipo 1 (NEM-1) é um fator de risco.[1] Além disso, aqueles com doença de Mahvash têm um risco aumentado de glucagonoma, pois o gene do receptor de glucagon (GRGC) sofre mutação.[2]

MecanismoEditar

O glucagonoma resulta da superprodução de glucagon, um hormônio peptídico localizado nas células alfa do pâncreas.[3] Os sintomas clássicos incluem, mas não estão limitados a, eritema necrolítico migratório (ENM), diabetes mellitus e perda de peso.[3] O ENM se apresenta em cerca de 70% dos casos de glucagonoma,[4] e é caracterizado por lesões eritematosas nas extremidades distais e na região da virilha.[3] ENM foi ocasionalmente observado em pessoas que não têm glucagonoma.[2] Pessoas que desenvolvem glucagonoma da doença de Mahvash também não desenvolvem ENM, o que implica que os receptores de glucagon são necessários para que ENM esteja presente em uma pessoa.[3] A perda de peso, o efeito mais comumente associado ao glucagonoma, resulta do hormônio glucagon, que impede a captação de glicose pelas células somáticas.[3] O diabetes não está presente em todos os casos de glucagonoma,[3] mas freqüentemente resulta do desequilíbrio da insulina e do glucagon.[5]

DiagnósticoEditar

A presença da síndrome do glucagonoma, os sintomas que acompanham o tumor pancreático, bem como os níveis elevados de glucagon no sangue, são usados para diagnosticar o glucagonoma.[6] Quando uma pessoa apresenta uma concentração de glucagon no sangue superior a 500 mg/mL junto com a síndrome do glucagonoma, um diagnóstico pode ser estabelecido.[3] É importante observar que nem todos os casos de hiperglucagonemia levarão ao diagnóstico de glucagonoma.[3] Os níveis elevados de glucagon no sangue estão associados a outras doenças, como pancreatite e insuficiência renal.[3]

Cerca de 60% das pessoas com diagnóstico de glucagonoma são mulheres.[7] A maioria dos que são diagnosticados tem entre 45 e 60 anos de idade.[7]

TratamentoEditar

Pessoas que são diagnosticadas com glucagonoma esporádico geralmente apresentam uma taxa de mortalidade elevada em comparação com aquelas com NEM-1, já que o último grupo irá ao médico para visitas periódicas.[4] Pessoas cujo tumor apresentou metástase não podem ser facilmente tratadas, pois o tumor é resistente à quimioterapia.[4] A única terapia curativa para o glucagonoma é a cirurgia, e mesmo assim, nem sempre é bem-sucedida.[6][4]

A secreção aumentada de glucagon pode ser tratada com a administração da octreotida, um análogo da somatostatina, que inibe a liberação de glucagon.[8] A doxorrubicina e a estreptozotocina também têm sido usadas com sucesso para danificar seletivamente as células alfa das ilhotas pancreáticas. Eles não destroem o tumor, mas ajudam a minimizar a progressão dos sintomas.

HistóriaEditar

Menos de 251 casos de glucagonoma foram descritos na literatura desde sua primeira descrição por Becker em 1942. Devido à sua raridade (menos de um em vinte milhões em todo o mundo), as taxas de sobrevivência a longo prazo permanecem desconhecidas. O glucagonoma é responsável por aproximadamente 1% dos tumores neuroendócrinos, embora isso possa ser uma subestimativa, visto que o glucagonoma está associado a sintomas inespecíficos.[9]

Referências

  1. a b c Vinik, Aaron; Pacak, Karel; Feliberti, Eric; Perry, Roger R. (2000), Feingold, Kenneth R.; Anawalt, Bradley; Boyce, Alison; Chrousos, George, eds., «Glucagonoma Syndrome», MDText.com, Inc., Endotext, PMID 25905270, consultado em 24 de setembro de 2019 
  2. a b «Glucagonoma: Practice Essentials, Pathophysiology, Epidemiology». 1 de fevereiro de 2019 
  3. a b c d e f g h i Albrechtsen, Nicolai Jacob Wewer; Challis, Benjamin; Damjanov, Ivan; Holst, Jens Juul (1 de fevereiro de 2016). «Do glucagonomas always produce glucagon?». Bosnian Journal of Basic Medical Sciences. 16: 1–7. ISSN 1840-4812. PMC 4765933 . PMID 26773171. doi:10.17305/bjbms.2015.794 
  4. a b c d Roijers JF, Canninga-van Dijk MR, van Beek AP, de Haas ER, van Vloten WA, Lips CJ (novembro de 2004). «The glucagonoma syndrome and necrolytic migratory erythema: a clinical review». Eur. J. Endocrinol. 151: 531–7. PMID 15538929. doi:10.1530/eje.0.1510531 
  5. Koike N; Hatori T; Imaizumi T; Harada, N; Fukuda, A; Takasaki, K; Iwamoto, Y (2003). «Malignant glucagonoma of the pancreas diagnoses through anemia and diabetes mellitus». Journal of Hepato-Biliary-Pancreatic Surgery. 10: 101–5. PMID 12918465. doi:10.1007/s10534-002-0791-y 
  6. a b Song, Xujun; Zheng, Suli; Yang, Gang; Xiong, Guangbing; Cao, Zhe; Feng, Mengyu; Zhang, Taiping; Zhao, Yupei (março de 2018). «Glucagonoma and the glucagonoma syndrome». Oncology Letters. 15: 2749–2755. ISSN 1792-1074. PMC 5778850 . PMID 29435000. doi:10.3892/ol.2017.7703 
  7. a b Adams, David R.; Miller, Jeffrey J.; Seraphin, Kathryn E. (1 de outubro de 2005). «Glucagonoma syndrome». Journal of the American Academy of Dermatology. 53: 690–691. ISSN 0190-9622. PMID 16198793. doi:10.1016/j.jaad.2005.04.071 
  8. Cho K, Vinik AI, Moattari AR (1990). «Somatostatin analogue in treatment of coexisting glucagonoma and pancreatic pseudocyst: dissociation of responses». Surgery. 108: 581–7. PMID 2168587 
  9. «Glucagonoma: Practice Essentials, Pathophysiology, Epidemiology». 1 de fevereiro de 2019