Grande mandamento

(Redirecionado de Grande Mandamento)

Grande mandamento é um termo utilizado no Novo Testamento para descrever o primeiro dos dois mandamentos citados por Jesus em Mateus 22 (Mateus 22:35-40) e Marcos 12 (Marcos 12:28-34). Os dois são paráfrases de passagens do Antigo Testamento e são considerados muito importantes para o desenvolvimento da moderna ética cristã.

Shemá Israel ("Ouve, ó Israel!"), primeira parte do trecho do Antigo Testamento no qual Jesus se baseou quando ensinou seu Grande Mandamento.
Gravação em bronze no menorá do Knesset, em Israel.

Em Mateus, quando perguntado «qual é o grande mandamento da Lei?» (Mateus 22:36), a resposta de Jesus foi: "Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento", uma referência à Shemá Israel («Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.» (Deuteronômio 6:4-5), antes de proclamar também o segundo mandamento, «Amarás ao teu próximo como a ti mesmo» (Mateus 22:39) (uma referência a «amarás o teu próximo como a ti mesmo» (Levítico 19:18). A maior parte das denominações cristãs considera estes dois mandamentos como o ponto central da religião cristã.[1]

Ama teu DeusEditar

 Ver artigo principal: Shemá Israel

Matthew Henry resume a questão do que é o grande mandamento:

Foi uma questão disputada entre os críticos da Lei. Alguns queriam que a circuncisão fosse um grande mandamento, outros, o sabá, outros, os sacrifícios, cada um de acordo com o que lhes afetasse mais e com aquilo que consideravam mais digno de zêlo; agora testariam o que Cristo responderia a esta questão, esperando inflamar o povo contra ele se ele não respondesse em acordo com a opinião popular; e, se ele realçasse a magnitude de um mandamento, eles o acusariam de estar vilificando os demais
 
Matthew Henry, Comentário sobre a Bíblia[2].

Ama teu próximoEditar

 Ver artigo principal: Ética da reciprocidade

A segunda parte da resposta de Jesus é considerada como sendo uma paráfrase do mais antigo texto conhecido da Regra de Ouro (c. 1300 a.C.),[3] que depois seria atribuída a Jesus Cristo e, "por vezes reivindicada pelo cristianismo como sua",[4] embora o próprio Jesus a utilize para sumarizar a lição da Bíblia judaica: "Faça aos outros o que espera que eles lhe façam. Este é o significado da Lei de Moisés e dos ensinamentos dos profetas".[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. CatholicityLDSGreatBibleStudy
  2. «Matthew Henry's Commentary on the Whole Bible - Matthew 22». Mhcw.biblecommenter.com. Consultado em 28 de março de 2013. Arquivado do original em 11 de março de 2013 
  3. Plaut, The Torah — A Modern Commentary; Union of American Hebrew Congregations, New York 1981; pp.892.
  4. Blackburn, Simon (2001). Ethics: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press. p. 101. ISBN 978-0-19-280442-6 
  5. The Holy Bible, New Century Version. 2005 by Thomas Nelson, Inc.