Guerra Civil na República Centro-Africana (2004–2007)

Guerra civil na República Centro-Africana
Birao burnt down.jpg
Data 2004-2007
Local República Centro-Africana
Desfecho Acordos de paz.
Violência esporádica.
Combatentes
Rebeldes:

Grupos menores:

Flag of the Central African Republic.svg República Centro-Africana

Chade Chade
França França
Flag of the United Nations.svg MINURCAT
MICOPAX [1]
CEAC

Líderes e comandantes
M. Detodia (UFDR, GAPLC)
Z. Damane (UFDR)
Cor. L. Maradas (APRD)
Cap. Laurent Woei (APRD)
A. Miskine (FDPC)
A. Saboune (MLCJ)
J. Hassane (FDC)
Flag of the Central African Republic.svg François Bozizé
Chade Idriss Déby
Flag of the United Nations.svg Y. Mahmoud
Flag of the United Nations.svg José Silva
Forças
APRD: 1.000[2]
UFDR: 1.240[2]
FDPC: 20[2]
ERS: 600-700[2]
Flag of the Central African Republic.svg 5.000 (2006)[3][2]
França 600 (2007)[4]
Flag of the United Nations.svg 5.525 (2009)[1]
vítimas civis:
centenas de mortos, 212 mil deslocados.[5]
Mapa da Guerra Civil na República Centro-Africana.

A Guerra Civil na República Centro-Africana[6] começou com uma revolta por parte dos rebeldes da União das Forças Democráticas para a Reunificação (UFDR), liderados por Michel Djotodia, após François Bozizé, tomar o poder em 2003. No entanto, os combates reais começaram em 2004.[7] A guerra civil pode ser ligada ao conflito de Darfur no vizinho Sudão. Cerca de 10.000 pessoas foram deslocadas por causa da conflito civil.[8]

A revolta consistiu em vários grupos rebeldes, vários dos quais eram de tamanho muito reduzido e fundados apenas no final do conflito. Além da UFDR, o conflito incluiu o Exército Popular para a Restauração da República e da Democracia (APRD), o Groupe d'action patriotique pour la liberation de Centrafrique (GAPLC), o Movimento dos Libertadores Centro-Africanos para a Justiça (MLCJ), a Front démocratique Centrafricain (FDC) e a União das Forças Republicanas (UFR).[9]


CitaçõesEditar

ReferênciasEditar