Guerra Negra

Guerra Negra
Guerras Fronteiriças Australianas
Benjamin Duterrau - Timmy, a Tasmanian Aboriginal, throwing a spear - Google Art Project.jpg
Uma pintura de 1838 por Benjamin Duterrau de um aborígine da Tasmânia jogando uma lança
Data Meados da década de 1820 a 1832
Local Tasmânia
Desfecho Controle britânico da Tasmânia
Beligerantes
Império Britânico Império Britânico  Aborígenes australianos
Baixas
Mortos: 219
Feridos: 218
Total: 437[1]
Mortos: 600–900

A Guerra Negra foi um período da década de 1820 a 1832 de violento conflito entre colonos britânicos e aborígines australianos na Tasmânia. O conflito, travado em grande parte como uma guerra de guerrilha pelos dois lados, matou mais de 200 colonos europeus e entre 600 e 900 aborígines, quase aniquilando a população indígena da ilha.[2][3] A quase destruição dos aborígines tasmanianos e a incidência frequente de assassinatos em massa provocaram debates entre os historiadores sobre se a Guerra Negra deveria ser definida como um ato de genocídio.[4]

Referências

  1. Clements, Nicholas (2013). «Frontier Conflict in Van Diemen's Land (Ph.D. thesis)» (PDF). University of Tasmania. p. 343 
  2. Clements, Nicholas (2014). The Black War. Brisbane: University of Queensland Press. p. 1. ISBN 978-0-70225-006-4 
  3. Ryan, Lyndall (2012). Tasmanian Aborigines. Sydney: Allen & Unwin. p. 143. ISBN 978-1-74237-068-2 
  4. Clements, Nicholas (2014). The Black War. Brisbane: University of Queensland Press. p. 4. ISBN 978-0-70225-006-4 
  Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.