Guerra polaco-lituana

A Guerra polaco-lituana foi um conflito armado entre a recém-independente Lituânia e a Polônia, no rescaldo da Primeira Guerra Mundial. O conflito ocorreu essencialmente por causa do controle territorial da região de Vilnius, incluindo Vilnius (em polonês: Wilno), e a Região de Suwałki, incluindo as cidades de Suwałki, Augustów e Sejny. O conflito foi formado em grande parte pelo avanço na Guerra Polaco-Soviética e os esforços internacionais de mediação na Conferência dos Embaixadores e mais tarde a Liga das Nações. Existem grandes diferenças na historiografia polaca e lituana em relação ao tratamento da guerra. Segundo historiadores da Lituânia, a guerra fez parte das Guerras de Independência da Lituânia e iniciaram-se a partir da Primavera de 1919 a novembro de 1920. De acordo com a Polônia, a guerra incluiu apenas combates pela Região Suwałki entre setembro-outubro de 1920 e foi parte da Guerra polaco-soviética.

Guerra polaco-lituana
Guerras de Independência da Lituânia
Guerra polaco-soviética[1][2]
Cavalry parade in Sejny
Desfile da cavalaria polonesa em Sejny
Data Historiografia Lituana: Primavera de 1919 - 29 de novembro de 1920;[3]
historiografia polonesa: 1 de Setembro - 7 de outubro de 1920
Local Região de Suwałki e Região de Vilnius
Desfecho Controle polonês de Suwałki e Regiões Vilnius, sem relações diplomáticas entre a Polônia e a Lituânia até o ultimato polonês de 1938
Beligerantes
Polónia Segunda República Polonesa Lituânia Lituânia
Comandantes
Polónia Józef Piłsudski
Polónia Adam Nieniewski
Polónia Lucjan Żeligowski
Lituânia Silvestras Žukauskas
Lituânia Antanas Smetona
Lituânia Mykolas Sleževičius

Em abril de 1919, a Polônia capturou Vilnius e entrou em contato com o exército lituano combatendo na Guerra lituano-soviética. Confrontados com um inimigo comum, as relações polaco-lituana não estavam imediatamente hostis. A Polônia esperava convencer a Lituânia a aderir algum tipo de união polaco-lituana (veja a federação Międzymorze), a Lituânia viu como uma perda de independência para o federalismo polonês. Como as relações bilaterais se deterioraram, a Entente desenhou duas linhas de demarcação com esperanças de parar mais hostilidades abertas. As linhas não agradaram a ninguém e foram ignoradas. Quando um golpe polonês contra o governo lituano em agosto de 1919, a frente se estabilizou até ao Verão de 1920.

Em julho de 1920, a Polônia estava perdendo a Guerra Polaco-Soviética e estava em plena retirada. Os lituanos em seguida recuaram as tropas polonesas para garantir o território atribuído a Lituânia pelo Tratado de Paz Lituano-Soviético. Os soviéticos foram os primeiros a entrar em Vilnius. Quando a Polônia conseguiu uma grande vitória na Batalha de Varsóvia e forçou os soviéticos a recuarem em agosto de 1920, os lituanos defenderam suas fronteiras. A Polônia não reconheceu o Tratado de Paz e afirmou que a Lituânia se tinha tornado um aliado soviético. Os combates eclodiram na região de Suwalki. Durante a batalha do rio Niemen, a Polônia atacou a Lituânia em uma frente ampla. A batalha alterou drasticamente a situação militar e Vilnius deixou em aberto a um ataque. Sob a pressão da Liga das Nações, a Polônia assinou o Acordo de Suwałki em 7 de outubro de 1920. O acordo estabeleceu uma nova linha de demarcação, que estava incompleta e não fornecia proteção para Vilnius.

Em 8 de outubro de 1920, o general polonês Lucjan Żeligowski encenou um motim entre as tropas polonesas e marchou em Vilnius para "defender o direito de autodeterminação dos poloneses locais." O motim foi planejado e autorizado pelo chefe de Estado polonês Józef Pilsudski. As forças de Żeligowski são capturadas em Vilnius, mas outros avanços foram detidos pelas tropas da Lituânia. Żeligowski proclamou a criação da República da Lituânia Central, com capital em Vilnius. Em 29 de novembro, um cessar-fogo foi assinado. A mediação prolongada pela Liga das Nações não mudou a situação e o status quo foi aceito em 1923. A República da Lituânia Central foi incorporada à Polônia como a voivodia de Wilno em 1922. A Lituânia não reconheceu estes desenvolvimentos e continuou a reivindicar Vilnius como sua capital constitucional. Não existiu relações diplomáticas entre a Polônia e a Lituânia até o ultimato polonês de 1938.

Ver tambémEditar

  • Linha Foch - linha de demarcação temporária na sequência da I Guerra Mundial

Referências

  1. (em alemão) Seibt, Ferdinand (1987). Handbuch der europäischen Geschichte. Friedrichstadt: Union Verlag. pp. 1072–1073. ISBN 3129075402 
  2. (em polonês) Wrzosek, Mieczysław; Grzegorz Łukomski, Bogusław Polak (1990). Wojna polsko-bolszewicka, 1919-1920: działania bojowe - kalendarium. Koszalin: Wyższa Szkoła Inżynierska. pp. 136–142. ISSN 0239-7129 
  3. (em lituano) Antanas Račis, ed. (2008). «Reguliariosios pajėgos». Lietuva. I. Science and Encyclopaedia Publishing Institute. pp. 454–456. ISBN 978-5-420-01639-8