HD 41248
Dados observacionais (J2000)
Constelação Pictor
Asc. reta 06h 00m 32,8s[1]
Declinação -56° 09′ 42,6″[1]
Magnitude aparente 8,81[1]
Características
Tipo espectral G2 V[1]
Cor (B-V) 0,61[1]
Astrometria
Velocidade radial 3,30 km/s[1]
Mov. próprio (AR) 125,95 mas/a[2]
Mov. próprio (DEC) 59,13 mas/a[2]
Paralaxe 18,0059 ± 0,0277 mas[2]
Distância 181,14 ± 0,28 anos-luz
55,537 ± 0,085 pc
Magnitude absoluta 5,22 ± 0,08[3]
Detalhes
Massa 0,92 ± 0,05[3] M
Raio 0,78 ± 0,04[3] R
Gravidade superficial 4,48 ± 0,10 cgs (log g)[3]
Luminosidade 0,68 ± 0,03[3] L
Temperatura 5 713 ± 50[3] K
Metalicidade [Fe/H] = −0,43 ± 0,10[3]
Rotação >2,4 ± 0,2 km/s
(período de 16 dias)[3]
Idade 2+3
−2
[3] bilhões de anos
Outras denominações
CD-56 1377, HIP 28460, SAO 234250.[1]
HD 41248
Pictor constellation map.png

HD 41248 é uma estrela na constelação de Pictor. Com uma magnitude aparente visual de 8,81,[1] não pode ser vista a olho nu. De acordo com medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 181 anos-luz (55,5 parsecs) da Terra.[2] Sua magnitude absoluta visual é de 5,22.[3]

HD 41248 é uma estrela de classe G da sequência principal com um tipo espectral de G2 V e temperatura efetiva de 5 713 K, o que significa que é muito parecida com o Sol,[3] que tem tipo espectral de G2 V e temperatura efetiva de 5 778 K.[4] HD 41248 possui uma massa de 92% da massa solar, raio de 78% do raio solar e está brilhando com 68% da luminosidade solar. Sua idade estimada é de dois bilhões de anos e sua metalicidade, a abundância de elementos que não são hidrogênio e hélio, é significativamente menor que a solar, com uma abundância de ferro equivalente a 37% da abundância solar.[3]

Em 2013, foi anunciada a descoberta de duas super-Terras orbitando HD 41248, com massas mínimas de 12,3 e 8,6 vezes a massa da Terra e períodos orbitais de 18,357 e 25,648 dias, estando em, ou pelo menos próximas de, uma ressonância orbital 7:5 (o planeta mais próximo completa sete órbitas a cada cinco do mais distante). A descoberta foi feita pelo método da velocidade radial com uso de dados públicos do arquivo do espectrógrafo HARPS.[3] Em 2014 a existência desses planetas foi questionada em um estudo que apresentou evidências que os sinais dos planetas podem ser atribuídos à rotação da estrela.[5] Os descobridores originais dos planetas então reanalisaram os dados de velocidade radial da estrela e concluíram que existem evidências suficientes para apoiar a existência do par de planetas, mas que uma prova conclusiva só virá com instrumentos de observação futuros.[6]

O sistema HD 41248 [6]
Planeta Massa Semieixo maior
(UA)
Período orbital
(dias)
Excentricidade
b 9,8 +4,8
−3,9
M
0,166 +0,014
−0,018
25,595 +0,057
−0,044
0,09 +0,17
−0,09
c 7,6 ± 4,0 M 0,132 ± 0,014 18,361 +0,031
−0,024
0,10 +0,18
−0,10

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h «SIMBAD query result - HD 41248». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 11 de janeiro de 2015 
  2. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365 . doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  3. a b c d e f g h i j k l m Jenkins, J. S.; Tuomi, M.; Brasser, R.; Ivanyuk, O.; Murgas, F (julho de 2013). «Two Super-Earths Orbiting the Solar Analog HD 41248 on the Edge of a 7:5 Mean Motion Resonance». The Astrophysical Journal. 771 (1). pp. artigo 41, 13 pp. Bibcode:2013ApJ...771...41J. doi:10.1088/0004-637X/771/1/41 
  4. «Sun Fact Sheet». Goddard Space Flight Center. NASA. Consultado em 11 de janeiro de 2015 
  5. Santos, N. C.; et al. (junho de 2014). «The HARPS search for southern extra-solar planets. XXXV. The interesting case of HD 41248: stellar activity, no planets?». Astronomy & Astrophysics. 566. pp. A35, 14 pp. Bibcode:2014A&A...566A..35S. doi:10.1051/0004-6361/201423808 
  6. a b Jenkins, J. S.; Tuomi, M (outubro de 2014). «The Curious Case of HD 41248. A Pair of Static Signals Buried Behind Red Noise». The Astrophysical Journal. 794 (2). pp. artigo 110, 7 pp. Bibcode:2014ApJ...794..110J. doi:10.1088/0004-637X/794/2/110