Habermas vs Ratzinger

Joseph Ratzinger em sua época de cardeal

O debate entre o filósofo alemão Jürgen Habermas e o teólogo e na época cardeal Joseph Ratzinger, futuro Papa Bento XVI, ocorreu no dia 19 de janeiro de 2004, na Academia Católica da Baviera, em Munique. [1][2]

Discutiram "as bases pré-políticas e morais do Estado democrático." Temas de complementariedade e oposição entre razão e fé, críticas ao capitalismo globalizado e a necessidade de uma base moral em sociedades pluralistas em que a mídia tem um papel fundamental também foram abordados.

No debate com Habermas, Joseph Ratzinger chegou à conclusão de que havia uma "correlação necessária entre razão e fé", que precisam mutuamente uma da outra. Daí concluiu que o diálogo devia servir para pôr fim ao conflito. Segundo ele, era necessário rejeitar não só as patologias religiosas, ou seja, o fundamentalismo radical, mas também as patologias racionalistas (como as de inspiração marxista). [3]

As conclusões do debate foram resumidas em livro, Dialética da Secularização - Sobre Razão e Religião, editado por Florian Schuller.[4]

Referências

  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.