Henrique I da Boêmia

Henrique VI da Caríntia (em checo: Jindřich Korutanský), circa 12652 de Abril de 1335) foi rei da Boémia em 1306 e de novo em 1307 até 1310. Foi ainda duque da Caríntia, marquês da Carniola e conde do Tirol de 1310 a 1335.

Henrique I da Boêmia
Nascimento 1265
Chéquia
Morte 2 de abril de 1335 (69–70 anos)
Castelo do Tirol
Sepultamento Stift Stams Austrian Grave
Cidadania Império Austríaco
Etnia alemães
Progenitores
Cônjuge Ana da Boêmia, Adelaide de Brunsvique, Beatriz de Saboia
Filho(s) Margarida, Condessa do Tirol, Adelheid von Görz und Tirol
Irmão(s) Inês de Görz e Tirol, Isabel de Gorizia-Tirol, Otto III., Conradino da Germânia, Alberto II de Gorízia-Tirol, Luís de Gorízia-Tirol
Ocupação governante
Título margrave, conde, titular king
Carinthia Arms.svg
Causa da morte cólera

VidaEditar

Henrique era filho de Meinardo, duque de Caríntia e de Isabel da Baviera, filha do duque Otão II da Baviera e viúva do Rei Conrado IV da Germânia. Henrique era meio irmão de Conradino da Germânia.

O pai de Henrique legou-lhe os estados da Caríntia e do Tirol. Ele garantiu a sua posição pelo apoio a o seu cunhado, o duque austríaco Alberto I, que derrotou o seu rival Adolfo I de Nassau em 1298, na Batalha de Göllheim e foi eleito Rei dos Romanos no mesmo ano.

Contudo, as tensões com a Casa de Habsburgo aumentaram quando Henrique se casou, em 1306, com Ana da Boémia, filha do rei Venceslau II da Boémia. O último rei Premislida, Venceslau III da Boémia, foi assassinado no mesmo ano. Assim, Henrique foi eleito Rei da Boémia (contra a vontade do rei alemão Alberto I de Habsburgo, que decidiu colocar o seu filho Rodolfo no trono boémio. Os Habsburgos rapidamente cercaram Praga e depuseram Henrique.

Rodolfo, contudo, nunca foi aceite na nobreza boémia e, após a sua morte no ano seguinte, a 4 d Julho de 1307, a Henrique foi-lhe devolvido o trono boémio, a 15 de Agosto. A ameaça da Casa de Habsburgo terminou com o assassínio de Alberto I em 1308. Mas o governo de Henrique não estava estabilizado e o novo rei alemão e futuro imperador, Henrique VII, da Casa de Luxemburgo, também cobiçou a Boémia. Assim, em 1310, casou o seu filho primogénito, João I da Boémia com Isabel da Boémia, a irmã mais nova do assassinado Venceslau III. Apoiado pelos nobres locais e pelo seu pai, João depôs Henrique pela segunda vez. João foi coroado rei, enquanto que Henrique e Ana foram forçados a retirarem-se para Caríntia.

Henrique conseguiu manter as suas propriedades da Caríntia e Tirol pela reconciliação com a Casa de Habsburgo. Insistindo no título de "Rei da Boémia" , ele fez parte da eleição de 1314 do rex Romanorum, votando no duque austríaco Frederico o Belo, da Casa de Habsburgo. O seu direito de voto impugnado foi uma das razões do resultado ambíguo, pois João votara em Luís IV de Wittelsbach. Henrique, mais tarde, ajudou a encontrar uma solução amigável entre os concorrentes.

Casamento e descendênciaEditar

Henrique casou três vezes:

Em 1306, ele casou-se pela primeira vez com Ana da Boémia (1290–1313). Não houve descendência.

Em 1313, ele casou-se pela segunda vez com Adelaide de Brunsvique (1285–1320), filha de Henrique I de Brunsvique-Luneburgo. Eles tiveram a seguinte descendência:

  1. Adelaide (1317–25 de Maio de 1325).
  2. Margarida

Em 1327, ele casou pela terceira e última vez com Beatriz de Saboia (1310–1331), filha de Amadeu V de Saboia. Não houve descendência.

Henrique reconciliou-se também com a Casa de Luxemburgo e em 1330 casou a sua filha Margarida com o filho do rei João da Boémia: João Henrique da Morávia. Desde que se apercebeu que era o último herdeiro masculino da Casa meinardina do Tirol, ele tentou manter as suas posses, mas falhou. Mesmo que o Imperador Luís IV, em 1330, tenha assegurado a sucessão da sua filha, Luís renegou à sua promessa num tratado secreto com a Casa de Habsburgo no mesmo ano. Após a morte de Henrique em 1335, o duque Alberto II da Áustria e o seu irmão Otão I da Áustria conquistaram a Caríntia e a Carniola. A filha de Henrique, Margarida, só conseguiu suceder ao pai no Tirol, mas em 1363, teve de legar a sua terra a Rodolfo IV da Áustria e a Frederico III da Áustria, filhos de Alberto II.

Precedido por
Otão II
Duque da Caríntia
1295–1335
Sucedido por
Alberto I e Otão III
Precedido por
Meinardo
Marquês da Carniola
1295–1335
Sucedido por
Alberto I e Otão III
Precedido por
Venceslau III
Rei da Boémia
1306
Sucedido por
Rodolfo I
Precedido por
Rodolfo I
Rei da Boémia
1307-1310
Sucedido por
João I
Precedido por
Meinardo
Conde do Tirol
1310–1335
Sucedido por
Margarida