Abrir menu principal

Hiran Silveira é um executivo da Central Record de Comunicação.

Ex-bancário,[1] Hiran assumiu a direção de dramaturgia da TV Record em 2004, quando foi produzido o remake A Escrava Isaura. Com o sucesso na novela, desde então a emissora não parou mais de produzir teledramaturgia. Em 2005, foi criado o RecNov, complexo de produção de novelas e minisséries da Record no Rio de Janeiro - até então os folhetins eram feitos na sede geradora da rede, em São Paulo, em uma área reservada.[2]

Hiran foi um dos principais responsáveis pelo início das operações do RecNov contratando profissionais técnicos, diretores e um elenco com mais de 200 atores.

Deixou a vice-presidência de teledramaturgia da Rede Record em 31 de julho de 2012, depois do insucesso de Máscaras, novela de pior audiência do canal desde que produções desse tipo foi reativada. A debandada de estrelas da Record para a Rede Globo também foi um dos motivos para a emissora tirar Hiran do cargo.[3]

Desde então, Hiran Silveira é diretor de aquisições e relações internacionais do Grupo Record.[4]

Referências