História da fabricação de velas

A confecção de velas foi desenvolvida independentemente em muitos lugares ao longo da história.[1]

Máquina de moldagem de velas na Indonésia, c. de 1920.

As velas foram criadas pelos romanos a partir de 500 a.C. Estas eram verdadeiras velas imersas e feitas em sebo. Os primeiros registros de velas feitas de gordura de baleia na China remontam à dinastia Chin (221-206 a.C).[2] Na Índia, a parafina da canela a ferver foi usada para a fabricação de velas nos templos.[2]

Em partes da Europa, do Oriente Médio e da África, onde o óleo de lâmpada feito de azeitonas estava prontamente disponível, a confecção de velas permaneceu desconhecida até ao início da Idade Média. As velas eram feitas principalmente de sebo e cera de abelha em tempos antigos, e também eram feitas de espermacete, gorduras animais purificadas (estearina) e cera de parafina nos últimos séculos.[1]

AntiguidadeEditar

Os romanos foram os primeiros a fazer velas imersas em sebo, começando por volta de 500 a.C.[3] Enquanto as lâmpadas de óleo eram a fonte de iluminação mais utilizada na Itália Romana, as velas eram comuns e regularmente fornecidas como presentes durante a Saturnália.[4]

Qin Shihuang (259-210 a.C.) foi o primeiro imperador da dinastia chinesa Chin (221-206 a.C.). Seu mausoléu, que foi redescoberto na década de 1990, a vinte e duas milhas a leste de Xian, continha velas feitas de gordura de baleia.[5] A palavra zhú (燭) em chinês originalmente significava tocha e poderia ter sido gradualmente definida como uma vela durante o período dos Reinos Combatentes (403-221 a.C.); alguns livros de madeira escavados daquela época apresentam uma estaca projetada para segurar velas.[6]

Na Dinastia Han (202 a.C. - 220 d.C.) o dicionário Jizhupian de cerca de 40 a.C. sugere que as velas talvez fossem feitas de cera de abelhas, enquanto o Livro de Jin (compilado em 648) cobria a Dinastia Jin (265-420) e faz uma referência sólida à cera de abelha para fabricar velas, segundo seu estadista Zhou Yi (d. 322).[6] Uma tigela de barro escavada do século IV d.C., localizada no Museu Luoyang, tem um buraco quase vazio onde foram encontrados vestígios de cera.[6] Geralmente estas velas chinesas eram moldadas em tubos de papel, usando papel de arroz enrolado para o pavio e cera de um inseto indígena[necessário esclarecer] que era combinado com sementes.[necessário esclarecer] No século XVIII, foram criadas novas velas chinesas que tinham pesos apoiados nos lados das velas - à medida que a vela derretia, os pesos caiam e faziam barulho quando tocavam em uma tigela. As velas japonesas eram feitas de cera extraída de nozes.

A cera da canela a ferver foi usada para as velas do templo na Índia.[2] A manteiga de Iaque também foi usada para velas no Tibete.[7]

Há um peixe chamado Eulachon ou "peixe-carvão-do-pacífico", um tipo de Osmerídeo que é encontrado de Oregon para o Alasca. Durante o século I d.C., os povos indígenas desta região usaram o óleo deste peixe para iluminação.[2] Uma vela simples poderia ser feita colocando o peixe seco em um bastão bifurcado e depois acendendo-o.

Idade MédiaEditar

 
As mais velhas e sobreviventes velas feitas de cera de abelha, encontradas no norte dos Alpes no interior do cemitério alamânico de Oberflacht, Alemanha, produzidas aproximadamente entre os séculos VI e VII.

Após o colapso do império romano, as trocas comerciais produziram o azeite, o combustível mais comum para lâmpadas de óleo, indisponíveis em grande parte da Europa. Como consequência, as velas se tornaram mais utilizadas. Em contraste, no Norte de África e no Oriente Médio, a produção de velas permaneceu relativamente desconhecida devido à disponibilidade de azeite.

As velas eram comuns em toda a Europa na Idade Média. Os fabricantes de velas (conhecidos como ladrilhos) faziam velas de restos de gordura coletadas da cozinha ou vendiam suas próprias velas dentro de suas lojas. O comércio dos ladrilhos também é registrado pelo nome mais pitoresco de "smeremongere", uma vez que supervisionaram a fabricação de molhos, vinagre, sabão e queijo. A popularidade das velas é mostrada pelo seu uso nas Festas da Candelária e nas festividades de Santa Luzia.

O sebo, a gordura de vacas ou ovelhas, tornou-se o material padrão usado em velas na Europa. O cheiro desagradável das velas de sebo é causado devido à glicerina que elas contêm. O cheiro exalado durante o processo de fabricação era tão desagradável que foi banido por uma regulamentação em várias cidades europeias. Mais tarde, descobriram que a cera de abelha era uma excelente substância para a produção de velas sem o odor desagradável, mas permaneceu restrita em uso para os ricos e para igrejas e eventos reais, devido à sua grande despesa.

Na Inglaterra e na França, a fabricação de velas tornou-se artesanato do século XIII. A Tallow Chandlers Company foi fundada c. de 1300 em Londres, e em 1456 foi concedido um brasão. A Wax Chandlers Company, que data de cerca de 1330, adquiriu sua carta em 1484. Em 1415, as velas de sebo foram usadas na iluminação pública. O primeiro molde de velas surge no século XV em Paris.[8]

Era modernaEditar

 
Moldes de vela cônica estilo "colonial".

Com o crescimento da indústria baleeira no século XVIII, o espermacete, um óleo que vem de uma cavidade da cabeça do cachalote, tornou-se uma substância amplamente utilizada para a fabricação de velas. O espermacete era obtido por cristalização do óleo do cachalote e foi a primeira substância da vela a ficar disponível em grande quantidades. Como a cera de abelha, a cera de espermacete não produzia um odor repugnante quando era queimada, e produzia uma luz significativamente mais brilhante. Também era mais rígido do que o sebo ou a cera de abelha, de modo que não se amoleceria ou se curvaria no calor do verão. As primeiras "velas padrão" eram feitas a partir de parafina de esperma.

Em 1800, uma alternativa ainda mais barata foi descoberta. O óleo de colza, derivado da Brassica rapa, era um óleo similar e derivado da colza, que fabricava velas que produziam chamas claras e sem fumaça. Os químicos franceses Michel Eugène Chevreul (1786-1889) e Louis Joseph Gay-Lussac (1778-1850) introduziram a estearina em 1825. Como o sebo, ela ela tinha origem animal, mas não continha glicerina.

Referências

  1. a b Willhöft, Franz; Horn, Rudolf. Ullmann's Encyclopedia of Industrial Chemistry (em inglês). [S.l.]: Wiley-VCH. doi:10.1002/14356007.a05_029 
  2. a b c d Telesco, Patricia (2001). Exploring Candle Magick: Candle Spells, Charms, Rituals, and Divinations (em inglês). [S.l.]: Career Press. p. 10. ISBN 1-56414-522-0 
  3. http://www.smith.edu/hsc/museum/ancient_inventions/candles2.html
  4. http://www.historyextra.com/feature/how-did-romans-celebrate-‘christmas’
  5. Dawson, Raymond (2007). Sima Qian: The First Emperor; Selections from the Historical Records. Preface by K.E. Brashier (em inglês). Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-922634-2 
  6. a b c Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 4, Physics and Physical Technology, Part 1, Physics (em inglês). Taipé: Caves Books Ltd. p. 79-80 
  7. http://picasaweb.google.com/mishalin77/082702#5111013648927170082[ligação inativa]
  8. «A Short History of Candles». Millhouse Candles