Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Humor (desambiguação).
Uma das principais reações ao humor é o riso que, na maioria das vezes, é uma resposta impulsiva do corpo.

Lato sensu, humor (do latim humore, "líquido") é o estado de espírito de um indivíduo. Stricto sensu, é um determinado estado de ânimo cuja intensidade representa o grau de disposição e de bem-estar psicológico e emocional de um indivíduo.[1]

O humor (no sentido estrito) é uma das chaves para a compreensão de culturas, religiões e costumes das sociedades, sendo elemento vital da condição humana. Através dos tempos, a maneira humana de sorrir modifica-se, acompanhando os costumes e correntes de pensamento. Em cada época da história humana, a forma de pensar cria e derruba paradigmas, e o humor acompanha essa tendência sociocultural. Expressões culturais do humor podem representar retratos fiéis de uma época, como é o caso, por exemplo, das comédias gregas de Plauto e das comédias de costumes do brasileiro Martins Pena.

Para a psicologia e a neurociência afetiva, o humor é um estado afetivo, assim como as emoções. Diferentemente das emoções (que são reações intensas, breves e direcionadas a um estímulo), os humores são considerados mais difusos, menos intensos e independem de um objeto, pessoa ou evento desencadeador. Ou seja, as emoções são reações agudas, como a raiva, a tristeza, o medo e a alegria, enquanto a ansiedade, a depressão, a irritação (ou “mal humor”) e a felicidade poderiam ser classificados como humores.[2]

Etimologia e evolução do significadoEditar

A palavra humor surgiu na medicina humoral dos antigos gregos. Naqueles tempos, o termo humor representava qualquer um dos quatro fluidos corporais (ou humores) - sangue, fleuma, bílis amarela e bílis negra - que se considerava serem responsáveis por regular a saúde física e emocional humana. No século XVII, Ben Johnson adaptou o termo para caracterizar comicamente o que era considerado extravagante demais ou idiossincrático ao ridículo. Essa noção se popularizou ao longo dos séculos XVIII e XIX, abarcando o conceito romântico de humor como algo que indicava a excentricidade individual de uma pessoa.[3]

Principais linhas de pensamentoEditar

Há três grandes linhas de pensamento nos estudos do humor, sendo consideradas essencialmente complementares:[4]

Teorias da superioridadeEditar

Estas teorias, que datam desde a antiguidade, partem do pressuposto de que há, em toda instância de humor, uma relação de superioridade de um indivíduo frente a outro ou alguma situação. Traduz-se o riso como uma resposta a uma "glória repentina" advinda da percepção de superioridade por parte do indivíduo. A superioridade pode se dar não somente pela depreciação do outro mas também da depreciação da ética e da moral estabelecidas, como em piadas e trocadilhos que zombam das regras sociais ou mesmo das gramaticais. Assim, aqui há também a questão do que é socialmente aceitável ou condenável. Para alguns pensadores dessa corrente, como Platão e Aristóteles, o humor e o ridículo são potencialmente "vulgares", "perturbadores" e até "pecaminosos"; por isso, sua contenção e seu controle são por vezes advogados.[3]

Teorias da incongruidadeEditar

A incongruidade, aqui, é tida como força motriz de toda situação cômica, sendo a mesma identificada como uma "experiência frustrada". Immanuel Kant alegava que o humor surge da "transformação repentina de uma grande expectativa em nada". O humor é tido como a dissolução violenta de uma atitude emocional, produzida pela associação de duas ideias inicialmente distantes e até opostas. Segundo estes preceitos, a piada de boa qualidade deverá, necessariamente, mesclar dois elementos altamente contrastantes, de forma que se estabeleça forte relação entre ambos.

Para que a piada tenha boa aceitação pelo público, haja ideias opostas que se apresentam na piada. Da mesma forma, o comediante deve se inteirar sobre os aspectos socioculturais do público para que consiga estabelecer relações inusitadas para aquela plateia, uma vez que certas relações podem parecer inusitadas para um grupo e não para outro.

Teorias do alívioEditar

Segundo estas teorias, desenvolvidas principalmente a partir do século XIX, o humor pode provir da remoção de uma tensão e, por isso, tem efeitos positivos, como evitar o tédio e a melancolia.[4]

Sigmund Freud teorizou que esta tensão é resultado da ação da "censura", nome que deu às proibições internas que impedem o indivíduo de dar forma aos seus impulsos naturais. Segundo Freud, o humor seria uma forma de enganar a censura e, portanto, provocar alívio e, por conseguinte, o riso. A censura é enganada se a quebra da proibição for disfarçada por uma ideia que não denote algo proibido. Como um insulto dito como "brincadeira".

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Humor

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 909.
  2. Cabral, JC (2018). «Uma Introdução à Neurociência das Emoções». Universo Racionalista 
  3. a b Larkin-Galiñanes, 2017, p. 4
  4. a b Larkin-Galiñanes, 2017, p. 5

BibliografiaEditar

  • Larkin-Galiñanes, Cristina (2017). Attardo, Salvatore, ed. «An Overview of Humor Theory». New York, NY : Routledge, 2017 .ISBN 9781315731162. doi:10.4324/9781315731162-2