Abrir menu principal

Information Technology Infrastructure Library

(Redirecionado de ITIL)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o topônimo, veja Itil.

ITIL[1] , uma sigla para Information Technology Infrastructure Library , é um conjunto de boas práticas detalhadas para o gerenciamento de serviços de TI que se concentra no alinhamento de serviços de TI com as necessidades dos negócios.

O ITIL descreve processos, procedimentos, tarefas e listas de verificação que não são específicos da organização nem específicos da tecnologia, mas podem ser aplicados por uma organização para estabelecer a integração com a estratégia da organização, entregando valor e mantendo um nível mínimo de competência. Ele permite que a organização estabeleça uma linha de base a partir da qual possa planejar, implementar e medir. Ele é usado para demonstrar conformidade e medir a melhoria. Não existe uma avaliação independente de conformidade de terceiros disponível para conformidade com a ITIL em uma organização. A certificação na ITIL está disponível apenas para indivíduos.

Desde julho de 2013, a ITIL pertence à AXELOS, uma junção entre a Capita e o Gabinete do Reino Unido[2]. A AXELOS licencia organizações para usar a propriedade intelectual da ITIL, credencia os institutos licenciados de exames e gerencia as atualizações da estrutura. Organizações que desejam implementar o ITIL internamente não precisam dessa licença.

O livro da Fundação ITIL 4 foi lançado em 18 de fevereiro de 2019 [3]. Em sua versão anterior (conhecida como ITIL 2011), o ITIL é publicado como uma série de cinco volumes principais, cada um deles abrangendo um estágio diferente do ciclo de vida do ITSM. Embora o ITIL sustente o ISO / IEC 20000 (anteriormente BS 15000), o padrão internacional de gerenciamento de serviços para gerenciamento de serviços de TI, existem algumas diferenças entre o padrão ISO 20000, o padrão ICT do IFGICT e o framework ITIL.

HistóriaEditar

Respondendo à crescente dependência de TI, a Agência Central de Computação e Telecomunicações (CCTA) do Governo do Reino Unido, nos anos 80, desenvolveu um conjunto de recomendações. Reconheceu que, sem padrões, as agências governamentais e os contratos do setor privado começaram a criar independentemente suas próprias práticas de gerenciamento de TI.

A Biblioteca de Infraestrutura de TI originou-se como uma coleção de livros, cada um abrangendo uma prática específica dentro do gerenciamento de serviços de TI. O ITIL foi construído em torno de uma visão baseada em modelo de processo de controlar e gerenciar operações frequentemente creditadas a W. Edwards Deming e seu ciclo PDCA (planejar-fazer-checar-agir) [4].

Após a publicação inicial em 1989-96, o número de livros cresceu rapidamente dentro da versão 1 do ITIL para mais de 30 volumes.

Em 2000/2001, para tornar o ITIL mais acessível (e acessível), o ITIL Versão 2 consolidou as publicações em nove "conjuntos" lógicos que agrupavam as diretrizes de processo relacionadas para corresponder a diferentes aspectos do gerenciamento de TI, aplicativos e serviços. Os conjuntos de Gerenciamento de Serviço (Suporte de Serviço e Entrega de Serviço) eram de longe os mais amplamente usados, divulgados e compreendidos das publicações do ITIL Versão 2.

  • Em abril de 2001, a CCTA foi incorporada no OGC , um escritório do Tesouro do Reino Unido. [5]
  • Em 2006, o glossário do ITIL Versão 2 foi publicado.
  • Em maio de 2007, esta organização emitiu o ITIL versão 3 (também conhecido como o ITIL Refresh Project), composto por 26 processos e funções, agora agrupados em apenas 5 volumes, organizados em torno do conceito de estrutura de ciclo de vida do serviço. A versão 3 do ITIL agora é conhecida como ITIL 2007 Edition.
  • Em 2009, o OGC anunciou oficialmente que a certificação da ITIL Versão 2 seria retirada e lançou uma consulta importante sobre como proceder. [6]
  • Em julho de 2011, a edição de 2011 do ITIL foi publicada, fornecendo uma atualização para a versão publicada em 2007. O OGC não é mais listado como o proprietário do ITIL, após a consolidação do OGC no Gabinete.

A 4ª edição do ITIL começa com o livro ITIL Foundation, lançado em 18 de fevereiro de 2019.

Sistema de valor de serviçoEditar

O ITIL 4 Edition define como primeiro componente chave o sistema de valores de serviço (SVS). ITIL nomeou cinco componentes principais do ITIL SVS[7]:

Cadeia de valor de serviço ITIL

A cadeia de valor de serviço fornece um modelo de operação com seis atividades[8]:

  • melhorar
  • se empenhar
  • design e transição
  • obter / construir
  • entregar e apoiar.

Práticas ITIL

Os conhecidos processos ITIL são agora denominados como práticas[9]. Eles são agrupados como 14 práticas de gerenciamento geral, 17 práticas de gerenciamento de serviços e três práticas de gerenciamento técnico.

Princípios orientadores da ITIL

Estas são as principais mensagens do ITIL 4 e do gerenciamento de serviços em geral e são vistas em muitos outros frameworks, padrões e métodos como Lean, Agile, DevOps, COBIT, PRINCE2 e mais[10].

  • Foco no valor - Gere valor diretamente ou indiretamente.
  • Comece onde você está - preserve boas capacidades e melhore onde necessário.
  • Progrida de forma iterativa com o feedback - melhore frequentemente em pequenos passos e avalie o caminho a seguir.
  • Colabore e promova visibilidade - Trabalho transparente nas equipes, com as partes interessadas e parceiros.
  • Pense e trabalhe holisticamente - é uma responsabilidade End-to-End - o serviço e o SVS.
  • Mantenha-o simples e prático - O tamanho certo e o uso de processos, ferramentas e recursos são importantes.
  • Otimize e automatize - O trabalho manual é um erro. Reserve intervenção humana apenas para atividades realmente necessárias.

Governança

O sistema, que direciona e controla a organização[11].

Melhoria contínua

No ITIL SVS são três níveis de melhoria contínua:

a)    o modelo de melhoria contínua do ITIL, que é bem conhecido das versões anteriores do ITIL.[12]

  • Qual é a visão?
  • Onde estamos agora?
  • Onde queremos estar?
  • Como chegamos lá?
  • Tome uma atitude
  • Nós chegamos lá?
  • Como podemos manter o ritmo?

b)    a melhoria da atividade da cadeia de valor do serviço, que é introduzida lá.

c)    a prática de melhoria contínua, que abrange as atividades do dia-a-dia e é descrita com as outras práticas ITIL.

Estratégia de serviçoEditar

Como o centro e ponto de origem do Ciclo de Vida de Serviço ITIL, o volume Estratégia de Serviço ITIL (Service Strategy - SS) fornece orientações sobre esclarecimentos e priorização de investimentos em serviços dos provedores de serviços. Mas geralmente, a Estratégia de Serviço se concentra em ajudar as organizações de TI a melhorar e se desenvolver a longo prazo. Em ambos os casos, a Estratégia de Serviço depende em grande parte de uma abordagem orientada para o mercado. Os principais tópicos abordados incluem definição de valor de serviço, desenvolvimento de casos de negócio, os ativos de serviços, análise de mercado e os tipos de provedores de serviços.

Praticas do ITILEditar

Os conhecidos processos ITIL são chamados de 34 práticas. Eles fazem parte do ITIL SVS. Cada prática está relacionada com as seis atividades da cadeia de valor de serviço da ITIL: planejar, melhorar, engajar, projetar e fazer a transição, obter / construir, assim como fornecer e apoiar.


Práticas gerais de gestão

As 14 práticas com um foco não específico de gerenciamento de serviço são denominadas práticas gerais de gerenciamento:[13]

  • Gestão estratégica
  • Gerenciamento de portfólio
  • Gestão de arquitetura
  • Gestão financeira de serviços
  • Força de trabalho e gestão de talentos
  • Melhoria contínua - A parte operacional do dia a dia da melhoria contínua, juntamente com a visão estratégica e a melhoria da cadeia de valor do serviço.
  • Medição e relatórios
  • Gerenciamento de riscos
  • Gerenciamento de segurança da informação
  • Gestão do conhecimento
  • Gerenciamento de Mudanças Organizacionais
  • Gerenciamento de Projetos
  • Gestão de relacionamento
  • Gestão de fornecedores

Práticas de gerenciamento de serviços

ITIL define 17 práticas específicas de gerenciamento de serviços:[14]

  • Análise de negócio
  • Gerenciamento de catálogo de serviços
  • Projeto de serviço
  • Gerenciamento de nível de serviço
  • Gerenciamento de disponibilidade
  • Gerenciamento de capacidade e desempenho
  • Gerenciamento de continuidade de serviço
  • Monitoramento e gerenciamento de eventos
  • Balcão de atendimento
  • Gerenciamento de incidentes
  • Gerenciamento de solicitações de serviço - inclui tanto o Gerenciamento de solicitações quanto o gerenciamento de acesso do ITIL V3
  • Gerenciamento de problemas
  • Gerenciamento de liberação - inclui uma explicação sobre liberações em ambientes acionados por cascata e organizações orientadas ao DevOps.
  • Controle de alterações - Anteriormente conhecido como gerenciamento de mudanças.
  • Validação e teste de serviço
  • Gerenciamento de configuração de serviço
  • Gerenciamento de ativos de TI

Práticas de gestão técnica

As três práticas técnicas de gestão são:[15]

  • Gerenciamento de implantação - Em alinhamento com o gerenciamento de versões e o controle de alterações para as atividades administrativas, o gerenciamento de implantação realiza todo o trabalho real em sistemas e nuvens. Incluindo uma lista de diferentes abordagens de implantação.
  • Infraestrutura e gerenciamento de plataforma - Ele vem com um amplo alinhamento para computação em nuvem.
  • Desenvolvimento e gerenciamento de software

Princípios orientados da ITILEditar

Estas são as principais mensagens do ITIL 4 e do gerenciamento de serviços em geral e são vistas em muitos outros frameworks, padrões e métodos como Lean, Agile, DevOps, COBIT, PRINCE2 e outros.

  • Foco no valor - Gere valor diretamente ou indiretamente.
  • Comece onde você está - preserve boas capacidades e melhore onde necessário.
  • Progrida de forma iterativa com o feedback - melhore frequentemente em pequenos passos e avalie o caminho a seguir.
  • Colabore e promova visibilidade - Trabalho transparente nas equipes, com as partes interessadas e parceiros.
  • Pense e trabalhe holisticamente - é uma responsabilidade End-to-End - o serviço e o SVS.
  • Mantenha-o simples e prático - O tamanho certo e o uso de processos, ferramentas e recursos são importantes.
  • Otimize e automatize - O trabalho manual é um erro. Reserve intervenção humana apenas para atividades realmente necessárias.

GovernançaEditar

Está relacionada ao desenvolvimento de um conjunto estruturado de competências e habilidades estratégicas responsáveis pelo planejamento, implantação, controle e monitoramento. Requisito fundamental para as organizações, seja sob os aspectos operacionais, seja sob suas implicações legais.

Melhoria ContínuaEditar

A melhoria contínua de serviços, definida no livro ITIL Continual Service Improvement. The Stationery Office[16], visa alinhar e realinhar os serviços de TI às mudanças nas necessidades de negócios, identificando e implementando melhorias nos serviços de TI que suportam os processos de negócios. Incorpora muitos dos mesmos conceitos articulados no Ciclo de Deming do Plan-Do-Check-Act . A perspectiva do CSI em melhoria é a perspectiva de negócio da qualidade do serviço, embora a CSI vise melhorar a eficácia do processo, a eficiência e a rentabilidade dos processos de TI durante todo o ciclo de vida. Para gerenciar melhorias, o CSI deve definir claramente o que deve ser controlado e medido.

O CSI precisa de planejamento inicial, treinamento e conscientização, agendamento contínuo, funções criadas, participação atribuída e atividades identificadas como bem-sucedidas. O CSI deve ser planejado e programado como processo com atividades, entradas, saídas, funções e relatórios definidos. Melhoria de Serviço Continuada e Gerenciamento de Desempenho de Aplicativos (APM) são dois lados da mesma moeda. Ambos se concentram na melhoria com o APM unindo design de serviços , transição de serviços e operação de serviços, o que, por sua vez, ajuda a elevar o nível de excelência operacional para TI.[17]

As iniciativas de melhoria geralmente seguem um processo de sete etapas:

  • Identifique a estratégia para melhoria
  • Defina o que você vai medir
  • Reúna os dados
  • Processar os dados
  • Analise as informações e dados
  • Apresentar e usar as informações
  • Implementar melhoria

CríticasEditar

Enquanto um número de pesquisadores investigou os benefícios da implementação do ITIL[18], ele tem sido criticado em várias frentes, incluindo:

  • Os livros não são acessíveis para usuários não comerciais
  • Implementação e acreditação requerem formação específica
  • Debate sobre ITIL enquadrado nos frameworks BSM ou ITSM
  • Os detalhes do ITIL não estão alinhados com os outros frameworks como o ITSM

Acesso e mãos na massaEditar

Muitas equipes e profissionais sentem dificuldades em iniciar o uso da biblioteca ITIL em uma única implantação. Entre maiores críticas estão o quão acessível ela é aos usuários não comerciais e a necessidade de uma formação específica para utilizá-la. Algumas iniciativas surgiram com o tempo para ajudar a prática a crescer no mercado. No Brasil existem ferramentas que pegam os conceitos da biblioteca e transformam em uma interface que facilita a implantação da ITIL. Pelo fato de toda a estrutura possuir uma quantidade colossal de dados para ser gerenciada em automações, grande parte das ferramentas abraçam como base os princípios da biblioteca para estruturar workflows e sistemas de Service Desk para empresas e profissionais internos de TI.

Uma boa maneira de aplicar na sem demoras o ITIL é através de uma plataforma que administre as tarefas de uma equipe seguindo suas práticas. Seguindo as ideias de melhoria contínua e os pontos princípios orientados, por exemplo, é possível reunir dados da empresa e seu catálogo de serviços, investimento de esforços em cada serviço, retorno financeiro, problemas recorrentes de clientes, eficácia de cada atendente, gestão de contratos e rentabilidades, etc. A empresa brasileira TiFlux é um exemplo de promotora dessa prática para todos os profissionais e orientação de serviços para facilitar a aplicação de boas práticas.

Referências

  1. Hearsum, Phil (2018). ITIL's the name - you won't wear it out!. [S.l.]: AXELOS 
  2. «ITIL» 
  3. Axelos, Axelos (2019). ITIL® Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: Axelos 
  4. David Clifford, Jan van Bon (2008). Implementing ISO/IEC 20000 Certification: The Roadmap. ITSM Library. [S.l.: s.n.] 
  5. UK, Office of Government Commerce (5 de maio de 2005). «CCTA and OGC» 
  6. Office of Government Commerce (UK). Retrieved on 2009-08-19 from http://www.ogc.gov.uk/guidance_itil.asp.
  7. AXELOS (2019). «4.1 Service value system overview». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  8. AXELOS (2019). «4.5 Service value chain». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  9. AXELOS (2019). «5. ITIL management practices». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  10. AXELOS (2019). «4.3 The ITIL guiding principles». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  11. AXELOS (2019). «4.4 Governance». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  12. AXELOS (2019). «4.6 Continual improvement». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  13. AXELOS (2019). «5.2 Service management practices». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  14. AXELOS (2019). «5.2 Service management practices». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  15. AXELOS (2019). «5.3 Technical management practices». ITIL Foundation, ITIL 4 edition. [S.l.]: TSO (The Stationery Office) 
  16. Vernon Lloyd (2011). ITIL Continual Service Improvement. [S.l.]: The Stationery Office 
  17. «Prioritizing Gartner's APM Model: The APM Conceptual Framework». APM Digest. 15 Março 2012 
  18. Marrone, Mauricio; Kolbe, Lutz M. «Impact of IT Service Management Frameworks on the IT Organization». Business & Information Systems Engineering. Impact of IT Service Management Frameworks on the IT Organization. 3. doi:10.1007/s12599-010-0141-5 

Ver tambémEditar

  • ISO / IEC 20000 - Um padrão internacional para gerenciamento de serviços de TI
  • COBIT
  • BiSL®
  • BSM
  • ITSM

Ligações externasEditar