Igreja Episcopal dos Estados Unidos

Igreja Episcopal dos EUA
Catedral Nacional de Washington
Anglicanos 1,835,931 batizados (2018)[1]
Província Província da Comunhão Anglicana nos Estados Unidos da América
Origem 1785
Paróquias 6,423 (2018)
Primaz Rev. Michael Bruce Curry
Catedrais 97[2]
Líder espiritual Coat of arms of Justin Welby, 105th Archbishop of Canterbury.svgRev.Justin Welby
Website https://episcopalchurch.org/
Logo Shield of the US Episcopal Church.svg

A Igreja Episcopal é uma província eclesiástica da Comunhão Anglicana que abrange todo o território dos Estados Unidos da América, Honduras, Formosa, Colômbia, Equador, Haiti, República Dominicana, Venezuela, Ilhas Virgens Britânicas e partes da Europa.[3][4][5] A Igreja Episcopal está em plena comunhão com a Igreja da Inglaterra e reconhece o Arcebispo da Cantuária como líder espiritual.[6]

Esta Igreja foi organizada pouco depois da Revolução Americana quando foi forçada a separar-se da Igreja de Inglaterra pelo fato de os clérigos desta última serem obrigados a jurar fidelidade ao monarca Britânico.[7] Tornou-se, nas palavras do relatório de 1990 pelo Grupo do Episcopado do Arcebispo de Cantuária, "a primeira Província Anglicana fora das Ilhas Britânicas".[8] Hoje em dia está dividida em nove províncias e tem dioceses fora dos E.U.A.

Continuando a tradição e teologia Anglicana, a Igreja Episcopal considera-se uma via media, entre o Catolicismo Romano e o Protestantismo.[9]

A Igreja Episcopal tem sido ativa na Evangelização Social dos finais do século dezenove e desde os anos 1960s e 1970s tem tomado um papel de relevo no movimento progressista e em temáticas políticas relacionadas. Por exemplo, a Igreja Episcopal tomou posição sobre a pena de morte e apoiou o Movimento de Direitos Civis e Ação Afirmativa. Alguns dos seus dirigentes e pastores marcharam em demonstrações de direitos civis. A igreja reivindica a total igualdade civil para pessoas homossexuais. Desde julho de 2015, o matrimônio entre pessoas do mesmo passou a ser autorizado, sendo celebrado segundo o Livro de Oração Comum[10].

No que toca à questão do aborto, a igreja tem tomado uma posição mais suave. Sobre todas estas temáticas, membros individuais e clérigos podem, e frequentemente o fazem, discordar das posições oficiais da igreja.

A Igreja Episcopal também ordena mulheres para serem diáconas, presbíteras e bispas. Atualmente o Bispo Presidente da Igreja Episcopal é o Reverendíssimo Michael Curry. A Igreja Episcopal dos Estados Unidos é considerada a Igreja Mãe da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, quando, em 1890, aportaram no Brasil, missionários da Igreja americana para realizar cultos em português e converter brasileiros. A IEAB foi um distrito missionário da Igreja Episcopal americana por 74 anos, obtendo sua autonomia eclesiástica em 1965, quando se tornou a décima-nona província da Comunhão Anglicana. Sua Igreja Mãe foi, e ainda é, a principal influência do Anglicanismo no Brasil.

NomesEditar

A Igreja Episcopal Protestante nos Estados Unidos da América ( PECUSA ) e "A Igreja Episcopal" (TEC) são nomes oficiais especificados na constituição da igreja.[11] Este último é muito mais comumente usado.[12] Em outros idiomas, um equivalente é usado. Por exemplo, em espanhol, a igreja se chama La Iglesia Episcopal Protestante dos Estados Unidos da América ou La Iglesia Episcopal. [13] e em francês L'Église protestante épiscopale des États-Unis d'Amérique ou L'Église épiscopale.[14]

Até 1964, "A Igreja Episcopal Protestante nos Estados Unidos da América" ​​era o único nome oficial em uso. No século XIX, os membros da Igreja Alta advogaram a mudança do nome, que consideravam não reconhecer a herança católica da igreja. Eles se opuseram à ala evangélica da igreja, que sentiu que o rótulo "Episcopal Protestante" refletia com precisão o caráter reformado do anglicanismo. Após 1877, nomes alternativos foram propostos e rejeitados regularmente pela Convenção Geral. Uma alternativa proposta foi "a Igreja Católica Americana". Na década de 1960, a oposição ao abandono da palavra "protestante" havia diminuído bastante. Num acordo da Convenção Geral de 1964, padres e leigosos delegados sugeriram acrescentar um preâmbulo à constituição da igreja, reconhecendo "A Igreja Episcopal" como uma designação alternativa legal, mantendo o nome anterior. [15]

 
Bandeira da Igreja Episcopal.

A 66ª Convenção Geral votou em 1979 para usar o nome "A Igreja Episcopal" no Juramento de Conformidade da Declaração para Ordenação.[16] A evolução do nome pode ser vista no Livro de Oração Comum da igreja. No BCP de 1928, a página de rosto dizia: "De acordo com o uso da Igreja Episcopal Protestante nos Estados Unidos da América", enquanto na página de título do BCP de 1979 afirma: "'De acordo com o uso da Igreja Episcopal " . A Igreja Episcopal nos Estados Unidos da América (ECUSA) nunca foi um nome oficial da igreja, mas é uma alternativa comumente vista em inglês. Como várias outras igrejas da Comunhão Anglicana também usam o nome "Episcopal", incluindo a Escócia e as Filipinas, algumas, por exemplo, a Anglicans Online, adicionam a frase "nos Estados Unidos da América". [17]

O nome legal completo do órgão corporativo da igreja nacional é a "Sociedade Missionária Nacional e Estrangeira da Igreja Episcopal Protestante nos Estados Unidos da América", [18]que foi incorporada pela legislatura de Nova York e estabelecida em 1821. Os membros da corporação "deve ser considerado como compreendendo todas as pessoas que são membros da Igreja".[19] Isso não deve ser confundido com o nome da própria igreja, pois é um órgão distinto relacionado ao governo da igreja.[9]

HistóriaEditar

Era colonialEditar

 
A Igreja de St. Luke, construída durante o século XVII perto de Smithfield, Virgínia - a mais antiga igreja anglicana que sobreviveu em grande parte intacta na América do Norte.

A Igreja Episcopal tem suas origens na Igreja da Inglaterra, nas colônias americanas, e enfatiza a continuidade da Igreja ocidental universal e afirma manter a sucessão apostólica.[20] A primeira paróquia foi fundada em Jamestown, Virgínia, em 1607, sob o estatuto da Virginia Company of London. A torre da Igreja de Jamestown ( c. 1639-1643) é uma das mais antigas estruturas da Igreja Anglicana sobrevivente nos Estados Unidos. O próprio edifício da igreja de Jamestown é uma reconstrução moderna.[21]

Embora não existissem bispos anglicanos americanos na era colonial, a Igreja Anglicana possuía um status oficial em várias colônias, o que significava que os governos locais pagavam dinheiro de impostos às paróquias locais e as paróquias exerciam algumas funções cívicas. A Igreja da Inglaterra foi designada igreja estabelecida na Virgínia em 1609, em Nova York em 1693, em Maryland em 1702, na Carolina do Sul em 1706, na Carolina do Norte em 1730 e na Geórgia em 1758.[22]

A partir de 1635, as sacristias e o clero ficaram vagamente sob a autoridade diocesana do bispo de Londres. Depois de 1702, a Sociedade para a Propagação do Evangelho em Partes Estrangeiras (SPG) iniciou a atividade missionária em todas as colônias. Na véspera da Revolução, cerca de 400 congregações independentes foram relatadas nas colônias.

Era revolucionáriaEditar

 
Igreja Paroquial de Bruton em Williamsburg Colonial, fundada em 1674. O edifício atual foi concluído em 1715.

Abraçando os símbolos da presença britânica nas colônias americanas, como a monarquia, o episcopado e até a linguagem do Livro de Oração Comum, a Igreja Anglicana quase se extinguiu durante o levante da Revolução Americana.[23] Mais do que qualquer outra denominação, a Guerra da Independência dividiu internamente o clero e os leigos da Igreja Anglicana na América, e as opiniões cobriram um amplo espectro de visões políticas: patriotas, conciliadores e leais. Enquanto muitos patriotas suspeitavam do lealismo na igreja, cerca de três quartos dos signatários da Declaração de Independência eram nominalmente leigos anglicanos, incluindo Thomas Jefferson, William Paca e George Wythe.[24] Era frequentemente assumido que as pessoas consideradas "Igreja Alta" eram legalistas, enquanto as pessoas consideradas " Igreja Baixa " eram Patriotas: suposições com implicações possivelmente perigosas para a época.

Século XIXEditar

 
Antiga Igreja do Norte em Boston. Inspirado pelo trabalho de Christopher Wren, foi concluído em 1723.

Em 1856, a primeira sociedade para afro-americanos na Igreja Episcopal foi fundada por James Theodore Holly. Nomeada Sociedade Episcopal Protestante para Promover a Extensão da Igreja entre as Pessoas de Cor, a sociedade argumentou que os negros deveriam ter permissão para participar de seminários e convenções diocesanas. O grupo perdeu o foco quando Holly emigrou para o Haiti, mas outros grupos o seguiram após a Guerra Civil. A atual União dos Episcopais Negros traça sua história para a sociedade.[25] Holly fundou a Igreja Anglicana no Haiti, onde se tornou o primeiro bispo afro-americano em 8 de novembro de 1874. Como bispo do Haiti, Holly foi o primeiro afro-americano a participar da Conferência de Lambeth.[26] No entanto, ele foi consagrado pela Sociedade Missionária da Igreja Americana, um ramo episcopal evangélico da Igreja.

As missões episcopais fretadas por afro-americanos nesta época foram fretadas como uma missão episcopal de cor. Todas as outras missões (brancas) foram fretadas como uma Missão Episcopal Organizada. Muitas paróquias historicamente negras ainda existem até hoje.[27]

Quando a Guerra Civil Americana começou em 1861, os episcopais no sul formaram a Igreja Episcopal Protestante nos Estados Confederados da América. No entanto, no Norte, a separação nunca foi oficialmente reconhecida. Em 16 de maio de 1866, as dioceses do sul haviam retornado à igreja nacional.[28]

História recenteEditar

Nas últimas décadas, a Igreja Episcopal, como outras igrejas principais, sofreu um declínio no número de membros, além de controvérsia interna sobre a ordenação de mulheres e o lugar dos homossexuais na igreja. A Convenção Geral de 1976 também aprovou uma resolução pedindo o fim do apartheid na África do Sul e em 1985 apelou a "dioceses, instituições e agências" para criar oportunidades iguais de emprego e ação afirmativa políticas para abordar eventuais "desigualdades raciais" na colocação de clérigos. Devido a essas e outras questões controversas, incluindo o aborto, membros individuais e clérigos podem discordar e freqüentemente discordam da posição declarada da liderança da igreja. Em janeiro de 2016, a Reunião Anglicana de Primatas em Canterbury decidiu que, em resposta à "distância" causada pelo que chamou de "ação unilateral em questões de doutrina sem unidade católica" ", por um período de três anos, a Igreja Episcopal [não ] representam [a Comunhão] em organismos ecumênicos e inter-religiosos [...] [nem] participam da tomada de decisões sobre quaisquer questões relativas a doutrina ou política ".[29]

Livro de oração revisadoEditar

Em 1976, a Convenção Geral adotou um novo livro de orações, que foi uma revisão e modernização substancial da edição anterior de 1928. Ele incorporou muitas princípios da Igreja Católica Romana do movimento litúrgico, que havia sido discutido no Concílio Vaticano II. Esta versão foi adotada como livro de orações oficial em 1979, após um teste inicial de três anos. Várias paróquias conservadoras, no entanto, continuaram a usar a versão de 1928.

InfluênciaEditar

 
Vários presidentes americanos foram anglicanos. Na foto o presidente Trump e os ex-presidentes Obama, Clinton e Carter, juntamente com suas respectivas esposas, fotografaram durante o serviço memorial a Bush na Catedral Nacional em 5 de dezembro de 2018.

No século XX, os anglicanos tendiam a ser os mais ricos[30] e mais instruídos (com mais diplomas de pós- graduação e pós- graduação per capita) do que a maioria dos outros grupos religiosos nos Estados Unidos[31], e eram representados desproporcionalmente nos altos escalões dos negócios americanos,[32] direito e política.[33]

Na década de 1970, um estudo da revista Fortune encontrou um em cada cinco dos maiores negócios do país e um em cada três de seus maiores bancos era dirigido por um anglicano.[30] Números das famílias americanas mais ricas e abastadas, como os Vanderbilts, Astors, Whitneys, Morgans e Harrimans, são episcopais.[30] A Igreja Episcopal também possui o maior número de diplomas de pós- graduação e pós-graduação per capita (56%) [34] de qualquer outra denominação cristã nos Estados Unidos[35], bem como os que mais recebem renda.[36] De acordo com um estudo de 2014 do Pew Research Center, os episcopais foram classificados como o terceiro grupo religioso mais rico dos Estados Unidos, com 35% dos anglicanos vivendo em famílias com renda de pelo menos US $ 100.000.[37]

EstruturaEditar

A Igreja Episcopal é governada de acordo com a política episcopal com seu próprio sistema de direito canônico. Isso significa que a igreja é organizada em dioceses lideradas por bispos em consulta com órgãos representativos. É um órgão unitário, na medida em que o poder da Convenção Geral não é limitado pelas dioceses individuais. A igreja tem, no entanto, uma estrutura e características altamente descentralizadas de uma confederação.[38]

Referências

  1. Table of Statistics of the Episcopal Church (2018)
  2. https://www.episcopalchurch.org/browse/cathedral/gmap
  3. edited by F. L. Cross.; F. L. Cross (Editor), E. A. Livingstone (Editor) (13 de março de 1997). The Oxford Dictionary of the Christian Church, 3rd edition. USA: Oxford University Press. p. 554. ISBN 0-19-211655-X 
  4. «Episcopal Church». The Columbia Encyclopedia, Sixth Edition. Columbia University Press. Maio de 2001. Consultado em 9 de setembro de 2007. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  5. «Episcopal Church USA». Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 9 de setembro de 2007 
  6. «The Anglican Communion». Episcopal Church (em inglês). 11 de julho de 2011. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  7. Hein, David; Gardiner H. Shattuck, Jr. (2004). The Episcopalians. New York: Church Publishing. ISBN 0898694973 
  8. Episcopal Ministry: The Report of the Archbishops' Group... [S.l.]: Church House Publishing. 1990. p. 123. ISBN 0715137360  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  9. a b «What makes us Anglican? Hallmarks of the Episcopal Church». Episcopalchurch.org. Consultado em 16 de novembro de 2008. Arquivado do original em 12 de junho de 2011 
  10. «USA: Episcopal General Convention approves marriage equality». www.anglicannews.org (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2018 
  11. http://www.episcopalarchives.org/e-archives/canons/CandC_FINAL_11.29.2006.pdf
  12. «Episcopal Church in the United States of America | autonomous church, United States». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 24 de maio de 2020 
  13. «Bienvenido a la Iglesia Episcopal». web.archive.org. 14 de dezembro de 2005. Consultado em 24 de maio de 2020 
  14. «Bienvenue à l'Eglise épiscopale». web.archive.org. 12 de dezembro de 2006. Consultado em 24 de maio de 2020 
  15. Church Publishing Incorporated. (2000). Annotated constitution and canons : for the government of the protestant episcopal church ... [Place of publication not identified]: Church Pub Inc. OCLC 947825856 
  16. «Acts of Convention: Resolution # 1979-A125». episcopalarchives.org. Consultado em 24 de maio de 2020 
  17. «Anglicans Online | The online centre of the Anglican / Episcopal world». morgue.anglicansonline.org. Consultado em 24 de maio de 2020 
  18. http://www.episcopalarchives.org/e-archives/canons/CandC_FINAL_11.29.2006.pdf
  19. «The Episcopal Diocese of Chicago». web.archive.org. 26 de julho de 2011. Consultado em 24 de maio de 2020 
  20. William Sydnor (1980). Looking at the Episcopal Church. [S.l.]: Morehouse-Barlow Co. 
  21. William Sydnor (1980). Looking at the Episcopal Church. [S.l.]: Morehouse-Barlow Co. p. 72 
  22. Roozen, David A.; Nieman, James R., 1956- (2005). Church, identity, and change : theology and denominational structures in unsettled times. Grand Rapids, Mich.: W.B. Eerdmans Pub. OCLC 57193221 
  23. Bell, James B., 1932- (2008). A war of religion : dissenters, Anglicans, and the American Revolution. Houndmills, Basingstoke, Hampshire [England]: Palgrave Macmillan. OCLC 213408619 
  24. Hein, David. (2004). The Episcopalians. New York: Church Publishing. OCLC 61918820 
  25. «17. The Heart Must Be Changed». New York Chichester, West Sussex: Columbia University Press. 31 de janeiro de 2005. ISBN 978-0-231-50888-9 
  26. «Office for Black Ministries». web.archive.org. 10 de julho de 2008. Consultado em 30 de maio de 2020 
  27. «Welcome · The Church Awakens: African Americans and the Struggle for Justice». www.episcopalarchives.org. Consultado em 30 de maio de 2020 
  28. Armentrout, Don S. (fevereiro de 2000). Brownell, Thomas Church (1779-1865), Episcopal bishop and college president. Col: American National Biography Online. [S.l.]: Oxford University Press 
  29. «Statement from Primates 2016». www.anglicannews.org (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2020 
  30. a b c Jr, B. drummond Ayres (28 de abril de 1981). «The Episcopalians: An American Elite with Roots Going Back to Jamestown». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  31. Kistler, Ernest L. (1975). «WASP A New Concept for Semisubmersibles». Offshore Technology Conference. Offshore Technology Conference. doi:10.4043/2286-ms 
  32. Hacker, Andrew (dezembro de 1957). «Liberal Democracy and Social Control». American Political Science Review. 51 (4): 1009–1026. ISSN 0003-0554. doi:10.2307/1952449 
  33. Baltzell, E. Digby (Edward Digby) (1964). The Protestant establishment: aristocracy & caste in America. [S.l.]: New York, Random House 
  34. «America's Changing Religious Landscape | Pew Research Center». www.pewforum.org. Consultado em 30 de maio de 2020 
  35. «Report-religious-landscape-study-full.pdf - Religion in America: U.S. Religious Data, Demographics and Statistics | Pew Research Center» (PDF). www.pewforum.org. Consultado em 30 de maio de 2020 
  36. Leonhardt, David (13 de maio de 2011). «Faith, Education and Income». Economix Blog (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2020 
  37. NW, 1615 L. St; Suite 800Washington; Inquiries, DC 20036USA202-419-4300 | Main202-857-8562 | Fax202-419-4372 | Media. «How income varies among U.S. religious groups». Pew Research Center (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2020 
  38. Podmore, Colin (maio de 2008). «A Tale of Two Churches: The Ecclesiologies of The Episcopal Church and the Church of England Compared». International journal for the Study of the Christian Church (em inglês). 8 (2): 124–154. ISSN 1474-225X. doi:10.1080/14742250801930822 
  Este artigo sobre construção civil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.