Abrir menu principal

Igreja de Santiago Maior (Camarate)

igreja em Camarate, Portugal
Igreja de Santiago Maior
Fachada da Igreja de Santiago
Estilo dominante Barroco
Início da construção 1370
Restauro século XVII
Proprietário atual Diocese de Lisboa
Função atual Religiosa (igreja)
Património Nacional
Classificação  Imóvel de Interesse Público
Data 1996
DGPC 72893
SIPA 3124
Geografia
País Portugal
Localidade Camarate
Coordenadas 38° 48' 04.97" N 9° 07' 46.83" O

A Igreja Matriz Paroquial de Santiago Maior de Camarate localiza-se na confluência da Praça 1.º de Maio com as Ruas Avelino Salgado de Oliveira e Guilherme Gomes Fernandes, no centro da vila de Camarate, concelho de Loures[1], sendo em torno desta edificação que se procedeu ao crescimento urbano da povoação ao longo dos séculos.

Índice

HistóriaEditar

A primitiva igreja camaratense foi mandada edificar na década de 1370 pelo bispo de Lisboa D. Agapito Colona (que governou a diocese de 1371 a 1378). A igreja foi-se degradando com o tempo, dando lugar à reconstrução de uma nova por volta de 1511, na mesma altura em que a freguesia civil e eclesiástica de Camarate foi separada da vizinha Sacavém (por foral de D. Manuel I de 1 de maio desse ano). Contudo, o actual edifício data do início do século XVII, altura em que foi uma vez mais reconstruído.[1]

Características arquitectónicasEditar

 
Interior da Igreja de Camarate.

Trata-se de um templo de uma só nave e capela-mor.

A fachada é sóbria, tendo como elemento central o portal rectangular em mármore, encimado por um frontão triangular; sobre este, uma janela rectangular. À direita, acha-se a torre sineira, rematada por uma cúpula.

 
Imagem de Santiago Maior, padroeiro da Igreja, situada no altar direito da capela-mor.

No interior seiscentista, destacam-se os azulejos brancos e verdes dispostos em padrão geométrico, a pedra do altar em mármore e ainda o tecto recoberto de pinturas dos meados do século XVII representando cenas da vida de Cristo. Ao longo da nave encontram-se quatro altares laterais, e ainda dois a rodear a capela-mor, dedicados, respectivamente, a Santiago e a Nossa Senhora do Rosário.

De destacar também o belíssimo trabalho da talha dourada na capela-mor, bem como o tecto de estuque. Nas duas paredes laterais do altar-mor acham-se duas telas recentemente restauradas, pintadas por volta de 1710 por António Machado Sapeiro.[1]

No exterior, no adro da Igreja, acha-se também um magnífico cruzeiro manuelino, o único elemento do conjunto que remonta ao século XVI.[2]

ProtecçãoEditar

A Igreja Matriz de Camarate, com o seu recheio e o cruzeiro, foi declarada Imóvel de Interesse Público pelo decreto n.º 2/96, de 6 de Março de 1996[1].

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d «Igreja de Santiago, incluindo todo o seu revestimento de azulejo, talha e pinturas». Sistema de Informação para o Património Arquitetónico. Consultado em 2 de Setembro de 2018 
  2. «Igreja Paroquial de Camarate/Igreja de São Tiago». Direcção Geral do Património Cultural. Consultado em 2 de Setembro de 2018