Igreja de Santo Agostinho (Goa)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Igreja de Santo Agostinho.

A Igreja de Santo Agostinho, também conhecida como Convento e Igreja de Nossa Senhora da Graça, é uma antiga estrutura em ruínas localizada em Goa Velha, Goa, na Índia. A sua construção foi concluída em 1602, e faz parte do conjunto arquitetónico de Igrejas e Conventos de Goa, declarado Património Mundial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).[1]

Igreja de Santo Agostinho
O complexo e a torre imponente da igreja.
Nomes alternativos Convento e Igreja de Nossa Senhora da Graça
Tipo Igreja
Início da construção 1597
Fim da construção 1602
Religião Católica
Património Mundial
Critérios (ii)(iv)(vi)
Ano 1986
Referência 234 en fr es
Património nacional
Classificação Igrejas e Conventos de Goa
Geografia
País  Índia
Localidade Goa Velha, Goa
Coordenadas 15° 30' 1.5" N 73° 54' 23.8" E

HistóriaEditar

 
As ruínas da única torre remanescente.

A igreja foi construída no topo do Monte Santo entre 1597 e 1602 pelos frades agostinhos que haviam aterrado em Goa em 1587. A igreja era considerada uma das três grandes igrejas agostinianas no mundo ibérico, ao lado do Mosteiro do Escorial e da Igreja de São Vicente de Fora.[1]

A igreja foi abandonada em 1835, após o governo português expulsar muitas ordens religiosas em Goa sob as suas novas políticas. Tal ato, resultou no colapso da abóbada da igreja em 1842. Logo, o corpo da igreja ruiu e em 1871, o sino foi transferido da torre para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição em Pangim, onde permanece até a atualidade. Em 1931, a fachada da igreja e grande parte da torre desmoronaram e em 1938, a maioria das outras partes também desabaram. Atualmente, apenas uma parte da torre remanesce, sendo um dos destinos turísticos mais visitados de Goa. As ruínas foram destacadas na canção "Gumnaam Hai Koi" do filme indiano Gumnaam, realizado por Raja Nawathe em 1965.[1][2][3]

EstruturaEditar

A igreja possuía quatro torres, e apenas uma remanesce. A torre remanescente é uma estrutura de quatro andares, construída com laterita e tem 46 metros de altura. As escavações mostram que o complexo possuía oito capelas, quatro altares e um convento.[1][4]

Relíquias de Santa CatarinaEditar

 
As relíquias expostas num museu próximo.
 
A inscrição nas ruínas.

No final da década de 1980, os arqueólogos da União Soviética e da Geórgia trabalharam em conjunto para encontrar os vestígios e as relíquias de Catarina (Ketevan), a Mártir, uma rainha georgiana que se entregou como refém ao Abas I e foi martirizada a 13 de setembro de 1624, por se recusar a negar a sua fé.[5] Acreditava-se que as relíquias se encontravam em Goa. As escavações na igreja foram realizadas por uma equipa georgiana, e posteriormente pelo Serviço Arqueológico da Índia de forma independente. As missões procuravam por uma caixa preta que supostamente guardava os ossos da santa, com base nas informações coletadas pelo professor António da Silva Rego em 1958, a partir dos documentos históricos portugueses sobre as suas missões no Oriente.[3]

Um projeto de escavação realizado pelo Serviço Arqueológico da Índia em 2005, forneceu os fragmentos ósseos. As amostras foram testadas no Centro de Biologia Celular e Molecular para realizar os estudos de ADN. Os estudos reveleram a presença do haplogrupo U1b de ADN mitocondrial humano nos ossos, que não existe na Índia, revelando que pertencia a uma mulher. Com base nestes resultados e no material histórico disponível, concluiu-se que os ossos pertenciam provavelmente à rainha georgiana.[3]

Um jogo de tabuleiro multimédia sobre o projeto de escavação, intitulado The Travelling Hand foi produzido pelo realizador Gayatri Kodikal. O Festival Ketevan das Músicas Sacras do Mundo é realizado no complexo da igreja desde 2016.[6][7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «St. Augustine's Tower». Departamento de Turismo (em inglês). Governo de Goa. Consultado em 27 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2016 
  2. «Imagining the grandeur of St Augustine Church». The Navhind Times (em inglês). 20 de maio de 2017. Cópia arquivada em 20 de maio de 2017 
  3. a b c Perur, Srinath (9 de abril de 2016). «Hunting for a Georgian queen in Goa». Mint (em inglês). Cópia arquivada em 31 de março de 2017 
  4. Kapila, Surbhi (6 de abril de 2017). «St Augustine's Church: The ancient piece of Old Goa». India & You (em inglês). Media India Group. Cópia arquivada em 16 de junho de 2017 
  5. «Mártir da Geórgia "vive" escondida no Convento da Graça». Público. 22 de setembro de 2008 
  6. «History buffs, this multimedia board game lets you hunt for a Georgian queen's relics in Goa». Firstpost (em inglês). 6 de abril de 2017. Cópia arquivada em 7 de abril de 2017 
  7. Menezes, Vivek (16 de fevereiro de 2017). «Goa's Western classical music tradition is witnessing a revival, 500 years after its birth». Scroll (em inglês). Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2017 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Igreja de Santo Agostinho