Abrir menu principal

Inferência

página de desambiguação da Wikimedia
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2015). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Inferência (desambiguação).

Em Lógica, inferência ou ilação é operação intelectual mediante a qual se afirma a verdade de uma proposição em decorrência de sua ligação com outras proposições já reconhecidas como verdadeiras. Consiste, portanto, em derivar conclusões a partir de premissas conhecidas ou decididamente verdadeiras. A conclusão também é chamada de idiomática.

DefiniçãoEditar

O processo pelo qual uma conclusão é inferida a partir de múltiplas observações é chamado processo dedutivo ou indutivo, dependendo do contexto. A conclusão pode ser correta, incorreta, correta dentro de um certo grau de precisão ou correta em certas situações. Conclusões inferidas a partir de observações múltiplas podem ser testadas por observações adicionais.

Exemplos de InferênciaEditar

Aristóteles definiu uma série de silogismos, que podem ser usados ​​como blocos de construção para o raciocínio mais complexo. Começamos com o mais famoso de todos eles:

  • Todos os homens são mortais
  • Sócrates é um homem
  • Portanto, Sócrates é mortal.

O processo acima é chamado de dedutivo.

As premissas e a conclusão são verdadeiras, mas a lógica segue junto com inferência. Mas a verdade da conclusão nem sempre se segue da verdade das premissas. A validade de uma inferência depende da forma da inferência. Isto é, a palavra "válido" não se refere à verdade das premissas ou da conclusão, mas sim a forma da inferência. Uma inferência pode ser válida, mesmo se as partes são falsas, e pode ser falsa, mesmo se as partes são verdadeiras. Mas uma forma válida e com premissas verdadeiras sempre terá uma conclusão verdadeira.

Considere o seguinte exemplo:

A - Todos os frutos são doces.
B - A banana é uma fruta.
C - Portanto, a banana é doce.

Agora voltamos a uma forma inválida:

  • Todo A é B.
  • C é um B.
  • Portanto, C é um A.

Para mostrar que esta forma é inválida, buscamos demonstrar como ela pode levar a partir de premissas verdadeiras para uma conclusão falsa.

  • Todas as maçãs são frutas. (Correto)
  • Bananas são frutas. (Correto)
  • Portanto, as bananas são maçãs. (Errado)

Um argumento válido com premissas falsas podem levar a uma falsa conclusão:

  • Todas as pessoas gordas são gregas.
  • John Lennon era gordo.
  • Portanto, John Lennon era grego.

Quando um argumento válido é usado para derivar uma conclusão falsa de premissas falsas, a inferência é válida, pois segue a forma de uma inferência correta.

Um argumento válido pode também ser usado para derivar uma conclusão verdadeira a partir de premissas falsas:

  • Todas as pessoas gordas são musicistas
  • John Lennon era gordo
  • Portanto, John Lennon era um músico

Neste caso, temos duas falsas premissas que implicam uma conclusão verdadeira.

Inferência incorretaEditar

Uma inferência incorreta é conhecida como uma falácia. Os filósofos que estudam lógica informal compilaram grandes listas delas, e os psicólogos cognitivos têm documentado inúmeros casos onde tendemos a conclusões errôneas, principalmente em questões mais contra intuitivas.

Inferência logica automáticaEditar

Os sistemas de IA primeiro providenciaram "inferência logica automática". Uma vez que estes já foram temas de investigação extremamente popular, levaram a aplicações industriais sob a forma de sistemas especialistas e depois "business rule engines".

O trabalho de um sistema de inferência é o de estender uma base de conhecimento automaticamente. A base de conhecimento (KB) é um conjunto de proposições que representam o que o sistema sabe sobre o mundo. Várias técnicas podem ser utilizadas pelo sistema para estender KB por meio de inferências válidas.

Ver tambémEditar