Abrir menu principal

Proposição

conceito da lógica e da filosofia relacionado a asserções, sentenças e valores de verdade (comparar com Q3918409, 'proposta')
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde novembro de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

Proposição é um termo usado em lógica para descrever o conteúdo de asserções. Uma asserção é um conteúdo que pode ser tomado como verdadeiro ou falso. Asserções são abstrações de sentenças não linguísticas que a constituem. A natureza das proposições é altamente controversa entre filósofos, muitos dos quais são céticos sobre a existência de proposições. Muitos lógicos preferem evitar o uso do termo proposição em favor de usar sentença.

Diferentes sentenças podem expressar a mesma proposição quando têm o mesmo significado. Por exemplo, "A neve é branca" e "Snow is white" são sentenças diferentes, mas ambas dizem a mesma coisa, a saber, que a neve é branca. Logo, expressam a mesma proposição. Outro exemplo de sentença que expressa a mesma proposição que as anteriores é "A precipitação de pequenos cristais de água congelada é branca", pois "precipitação de pequenos cristais de água congelada" é a definição de "neve".

Na lógica aristotélica uma proposição é um tipo particular de sentença, a saber, aquela que afirma ou nega um predicado de um sujeito.

Proposições são usualmente consideradas como o conteúdo de crenças e outros pensamentos representativos. Elas também podem ser o objeto de outras atitudes, como desejo, preferência, intenção, como em "Desejo um carro novo" e "Espero que chova", por exemplo.

Também não é raro contrastar com a noção de proposição como conteúdo mental a noção de proposições russellianas. De facto, boa parte da discussão em torno da natureza da proposição travada no século XX e contemporaneamente, oscila e, por vezes, tenta conciliar ambas noções.

Objeções às proposiçõesEditar

Muitos filósofos e linguistas alegam que a noção de proposição é muito vaga ou inútil. Para eles, é apenas um conceito enganador que deve ser removido da filosofia e da semântica. Quine demonstrou que a indeterminação da tradução impede qualquer discussão com sentido de proposição e que a mesma deve ser descartada em favor das sentenças.

Todavia, como em réplica diz Alvin Plantinga (em The Nature of Necessity, Oxford:Clarendon Press,1974):

"Na medida em que a alegada debilidade [a falta de um claro critério de identidade] pode tornar-se toleravelmente clara, trata-se de uma debilidade que proposições compartilham com eléctrons, montanhas, guerras -- e sentenças." (p.1)

Por fim, ressalta-se que proposições filosóficas, não se confundem com as proposições de raciocínio lógico matemático. São matérias distintas. Nas proposições lógicas apenas são válidas frases declarativas (com sujeito e predicado definidos) frases com sujeito oculto não são proposições. Exemplo de uma proposição lógica válida: O Brasil é um país do continente americano. Agora, vejamos uma frase inválida como proposição: x é um número ímpar. Frase declarativa, porém x é sujeito indefinido, logo é uma sentença aberta, não se sabe o valor e não poderá ser considerada uma sentença lógica. Assim ocorre com frases com sujeito oculto como: Serei campeão. (eu sujeito oculto) sentença aberta, não se sabe quem é o sujeito, não é válida como uma proposição lógica.

Ligações externasEditar

  A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.