Abrir menu principal
Infidel: My Life
Mijn Vrijheid
Autor(es) Ayaan Hirsi Ali
Idioma Neerlandês
País Países Baixos
Assunto Autobiografia
Gênero Não ficção
Lançamento 2006
ISBN 0-7432-9503-X
Cronologia
De maagdenkooi

Infidel: My Life (2006/publicado em inglês em 2007) é a autobiografia de Ayaan Hirsi Ali, uma ativista, escritora e política somali-holandesa.

SinopseEditar

Hirsi Ali escreve sobre sua juventude na Somália, Arábia Saudita, Etiópia e Quênia; sobre seu voo para os Países Baixos, onde pediu asilo político, sua experiência universitária em Leiden, seu trabalho para o Partido Trabalhista, a sua transferência para o Partido Popular para a Liberdade e Democracia, sua eleição para o Parlamento e o assassinato de Theo van Gogh, com quem ela fez o filme Submission. O livro termina com uma discussão sobre a controvérsia a respeito de seu pedido de asilo e o estatuto da sua cidadania.

RecepçãoEditar

O lançamento do livro nos Países Baixos foi considerado um sucesso, com a tiragem inicial vendida em dois dias.[1] Uma revisão no Volkskrant concluiu que "qualquer um que descobre a tumultuada história de Hirsi Ali só pode simpatizar com ela."[2] A edição alemã do livro, Mein Leben, meine Freiheit ( "Minha Vida, Minha Liberdade"), estreou no top 20 da lista dos mais vendidos da revista Der Spiegel.[1][3]

O livro também foi bem recebido no lançamento da edição em inglês em 2007. Ao analisar a obra para o The Sunday Times, Christopher Hitchens chamou-lhe um "livro notável."[4] Hitchens forneceu um prefácio para a edição de 2008.

A autora vencedora do Prêmio Pulitzer Anne Applebaum, ao escrever no The Washington Post, disse: "Infidel é um livro único, Ayaan Hirsi Ali é uma escritora original e ambos merecem ir longe."[5] Uma revisão no The New York Times descreveu o livro como um "livro de memórias corajoso, inspirador e muito bem escrito".[6] Em uma entrevista, Fareed Zakaria, o editor da Newsweek o descreveu como "um livro surpreendente escrito por uma pessoa incrível".[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b van Zanten, Claudia (3 de outubro de 2006). «Boek Hirsi Ali in twee dagen uitverkocht» (em neerlandês). Elsevier. Consultado em 15 de março de 2016. Arquivado do original em 12 de junho de 2011 
  2. van Zijl, Frank (30 de setembro de 2006). «De zware beproevingen van een moslimmeisje» (em neerlandês). de Volkskrant 
  3. Broder, Henryk (2 de outubro de 2006). «Mohammed wird Liebe bedeuten» (em alemão). Der Spiegel 
  4. Christopher Hitchens (4 de fevereiro de 2007). «A voice that will not be silenced». Londres: The Sunday Times 
  5. Anne Applebaum (4 de fevereiro de 2007). «The Fight for Muslim Women». Washington Post 
  6. William Grimes (14 de fevereiro de 2007). «No Rest for a Feminist Fighting Radical Islam». New York Times 
  7. «Show 308 Transcript- February 23, 2007». Foreign Exchange. 23 de fevereiro de 2007 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.