Inguar III de Kiev

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Inguar.

Inguar III ou Igor III de Quieve, também conhecido como Inguar Filho de Jaroslau (em ucraniano: Інгвар Ярославич; romaniz.: Ingvar Yaroslavich; antes de 1166 - após 1212)[1] foi príncipe de Dorogobuzo e príncipe de Luceória e então grão-príncipe de Quieve de 1202 até 1203 e brevemente em 1212.

Inguar III de Quieve
Grão-príncipe de Quieve
Reinado Outono de 1202 até
02 de janeiro de 1203
Antecessor(a) Rurique II
Sucessor(a) Rurique II
Grão-príncipe de Quieve
Reinado 1212
Predecessor Usevolodo IV
Sucessor Mistislau III
 
Nascimento Antes de 1166
Morte Após 1212
Descendência Iziaslau
Jaroslau
Vladimir
Gremislava
Casa ruríquida
Pai Jaroslau II
Mãe Desconhecida

VidaEditar

Inguar era filho do grão-príncipe Jaroslau II[2] e pai de Iziaslau, Jaroslau, Vladimir e Gremislava[3][4] Em sucessão de seu pai, tornar-se-ia príncipe de Luceória e Dorogobuzo.[5] Em 1180, apoiou o grão-príncipe Rurique II contra o príncipe Esvetoslau III.[6] No outono de 1201, Rurique foi expulso de Quieve por Romano I e Usevolodo III, respectivamente o primo e irmão de Inguar, que nomearam o último à posição de grão-príncipe.[7] Segundo Martin Dimnik, apesar não pertencer à linha principal e seus parentes próximos terem mais direito ao trono do que ele, sua nomeação deve ter sido medida paliativa, pois Romano, o príncipe com a melhor posição, não pretendia usurpar o trono para si.[8] Seu reinado, porém, foi muito breve, pois em 2 de janeiro de 1203, Rurique capturou e saqueou Quieve com ajuda dos cumanos.[2][7] Os eventos que se seguem são pouco precisos, inclusive o que teria ocorrido com Inguar, que pode ter sido capturado ou conseguiu escapar em direção a Luceória.[9]

Em 1204, Rurique foi novamente retirado de Quieve e Romano nomeou Inguar como seu tenente ou reinstalou-o em sua posição em Quieve.[10][11] Em 1211, Inguar enviou um de seu filhos com milícias de Luceória, Dorogobuzo e Chumsco ao Reino da Galícia-Volínia para ajudar Daniel, filho de Romano, a reclamar o trono, pois havia sido expulso da região desde a morte do pai em 1205.[12] Em junho de 1212, Inguar ajudou o grão-príncipe Mistislau III na luta para restaurar Daniel e seu irmão Basílio,[13] bem como na coalizão nobre que retirou o grão-príncipe Usevolodo IV de Quieve.[14] Inguar foi nomeado grão-príncipe antes de Mistislau e seus aliados seguirem Usevolodo até Czernicóvia. A escolha se deu, ao que parece, por ser o mais sênior entre os presentes e porque seu pai já havia sido governante da cidade, porém tão logo Usevolodo morre em agosto, Inguar foi removido e obrigado a voltar para Luceória e Mistislau foi colocado no trono.[15][16]

Referências

  1. Selart 2007, p. 33.
  2. a b Podskalsky 1982, p. 303; 323.
  3. Dimnik 2003, p. 296; 306; 343.
  4. Cawley 2017.
  5. Dimnik 1981, p. 161.
  6. Dimnik 2016, p. 208.
  7. a b Dimnik 2003, p. xxviii.
  8. Dimnik 2003, p. 242.
  9. Fennell 2014, p. 26.
  10. Fennell 2014, p. 28.
  11. Dimnik 2003, p. 248.
  12. Dimnik 2003, p. 251; 272.
  13. Dimnik 2003, p. 277.
  14. Dimnik 2003, p. 278.
  15. Dimnik 2003, p. 278-279.
  16. Fennell 2014, p. 35.

BibliografiaEditar

  • Dimnik, Martin (1981). Mikhail, Prince of Chernigov and Grand Prince of Kiev 1224-1246. Toronto: Instituto Pontifício de Estudos Medievais 
  • Dimnik, Martin (2003). The Dynasty of Chernigov, 1146–1246. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Dimnik, Martin (2016). Power Politics in Kievan Rusʹ: Vladimir Monomakh and His Dynasty, 1054-1246. Toronto: Instituto Pontifício de Estudos Medievais 
  • Fennell, John (2014). The Crisis of Medieval Russia 1200-1304. Londres e Nova Iorque: Routledge 
  • Podskalsky, Gerhard (1982). Christentum und theologische Literatur in der Kiever Rus' (988-1237). Francoforte: C.H.Beck. ISBN 3-406-08296-3 
  • Selart, Anti. Livland und die Rus' im 13. Jahrhundert. Viena e Colônia: Bohlau Verlag. ISBN 3-412-16006-7