Abrir menu principal

O inverno árabe[1][2][3][4][5] ou inverno islâmico[6] é um termo usado para descrever a violência em larga escala e instabilidade que evoluiu na sequência dos protestos da Primavera Árabe em países da Liga Árabe em decorrência da repressão efetuada pelos radicais islâmicos e baathistas contra movimentos pró-democracia[7] com pouco apoio local[8] e manifestantes apoiados por potências estrangeiras que apoiam grupos que se associam a várias organização para alcançarem o califado.[9] O inverno árabe se refere aos eventos em todo o mundo árabe, incluindo a Guerra Civil Síria,[10][11] a insurgência iraquiana,[12][13] a crise egípcia[13] e a instabilidade no Iemên.[14] A evolução política, particularmente a restauração do autoritarismo e repressão das liberdades civis no Egito, desde 3 de julho de 2013, foram descritos como constituindo um "inverno militar" funcionando em oposição aos objetivos da Primavera Árabe.[15][16] As arenas de Líbano, Líbia e Bahrain também foram descritos como arenas menores do inverno árabe.[17][18][19] A Líbia foi colocada como um cenário do inverno árabe, juntamente com a Síria pelo Prof. Sean Yom.[20]

O inverno árabe é caracterizado pelo surgimento de várias guerras civis regionais, escalada da instabilidade regional,[21] declínio econômico e demográfico dos países árabes,[17] grande influxo de jihadistas estrangeiros e conflitos sectários étnico-religiosos.[22] A partir do verão de 2014, o inverno árabe produziu cerca de um quarto de milhão de mortes e milhões de refugiados.[23] Com a ascensão do inverno árabe, houve uma intensificação da discriminação contra as mulheres na região.[24]

De acordo com o Centro Moshe Dayan de Estudos Africanos e do Oriente Médio, a partir de Janeiro de 2014, o custo de turbulência do inverno árabe em toda a região é de cerca de 800 bilhões de dólares.[17] Cerca de 16 milhões de pessoas na Síria, Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia são esperados para requerer assistência humanitária em 2014.[17]

O conflito sírio começou com protestos contra Bashar al-Assad. Depois que um conflito armado eclodiu, o apoio a grupos islâmicos, como a Frente al-Nusra cresceu à medida que outros grupos como o Exército Sírio Livre foram acusados de corrupção e criminalidade.[25][26] Esta guerra também criou expansões no Líbano[27] e no Iraque.[28]

Os eventos têm ocorrido no Egito, que levaram à deposição de Morsi e a instituição do regime militar de al-Sisi em uma campanha anti-Irmandade Muçulmana.[29] Várias milícias e tribos começaram a combater na Líbia após a interrupção das negociações.[30] Mudanças também ocorreram na Tunísia, envolvendo uma mudança de governo.[29]

Ao contrário do termo "Primavera Árabe" que surgiu em uma revista neocon francesa em 2005 para descrever o crescimento da democracia na região sob influência americana e ocidental com a invasão do Iraque,[31] o termo "Inverno árabe" tem sua primeira citação durante a Guerra do Golfo[32] e sua presença na mídia começou a ser massificada em 2009, e depois desde então em 2009 e não tem nenhuma origem conhecida.[33] durante a Guerra do Iraque[34] Segundo James Baker, a primavera árabe nunca existiu, o que transcorreu no seu lugar foi o inverno árabe.[35] O inverno islâmico durante o século XXI matou mais de 4 milhões de muçulmanos apenas no Iraque, Líbia, Afeganistão e Paquistão.[36]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Middle East review of 2012: the Arab Winter - Telegraph». telegraph.co.uk. Consultado em 19 de julho de 2014 
  2. «Analysis: Arab Winter is coming to Baghdad». Telegraph.co.uk. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  3. «Expert Warns of America's Coming 'Arab Winter'». Cbn.com. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  4. «The Arab Winter». The New Yorker. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  5. «Arab Spring or Arab Winter?». Newyorker.com. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  6. Egyptian Plague or Spring of Youth? The Israeli Discourse regarding the Arab Spring
  7. Charles Krauthammer (21 de março de 2005). «The Arab Spring of 2005». The Seattle Times. Consultado em 17 de abril de 2013 
  8. ISIS Has Almost No Popular Support in Egypt, Saudi Arabia, or Lebanon
  9. Arab Winter may leave US out in the cold Global Times
  10. Fear and Faith in Paradise. [S.l.: s.n.] Consultado em 23 de outubro de 2014 
  11. «Arab Winter». America Staging. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  12. «Analysis: Arab Winter is coming to Baghdad». Consultado em 23 de outubro de 2014 
  13. a b «Egypt and Tunisia's new 'Arab winter'». euronews. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  14. «Yemen's Arab winter». Middle East Eye. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  15. «The Coup in Egypt: An Arab Winter?». The Nation. 5 de julho de 2013. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  16. «In Egypt, Arab Spring Gives Way To Military Winter». The World Post. 21 de janeiro de 2014. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  17. a b c d «Dr. Rivlin, P. Dayan Research Center» (PDF). Consultado em 5 de dezembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 23 de outubro de 2014 
  18. «The Coup in Egypt: An Arab Winter?». The Nation. 5 de julho de 2013. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  19. «In Egypt, Arab Spring Gives Way To Military Winter». The World Post. 21 de janeiro de 2014. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  20. «Lecture Explores Past and Future Arab Spring». Daily Gazette. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  21. «From Egypt to Syria, this could be the start of the Arab Winter». The Conversation. 17 de abril de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  22. [1]
  23. Displacement in the Middle East and North Africa - between the Arab Winter and the Arab Spring. International Affairs. [2]
  24. «Printemps arabes? Hivers islamiques?». Consultado em 20 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 6 de julho de 2015 
  25. Jabhat al-Nusra - Syria's jihadists - The Economist
  26. [3]
  27. Lebanon under fire: Two years of spillover from the Syrian civil war - The Daily Star
  28. The Iraq-Syria Civil War Challenges Both the US and Iran - THE NATION
  29. a b Egypt and Tunisia’s new ‘Arab winter’ - euronews
  30. Lecture Explores Past and Future Arab Spring - The Daily Gazette
  31. Charles Krauthammer (21 de março de 2005). «The Arab Spring of 2005». The Seattle Times. Consultado em 17 de abril de 2013 
  32. Arab Regionalism: A Post-Structural Perspective Silvia Ferabolli
  33. Comparar Termos de pesquisa Google Trends
  34. The Arab Spring Started in Iraq The New York Times6 de abril de 2013
  35. Conversations on Diplomacy Moderated by Charlie Rose Departamento de Estado dos Estados Unidos
  36. 4 Million Muslims Killed In Western Wars: Should We Call It Genocide?

BibliografiaEditar