Isabelle Romée

Isabelle Romée, também conhecida como Isabelle de Vouthon e Isabelle d'Arc (Vouthon-Bas, 1377 - Orleans, 28 de novembro de 1458) e Ysabeau Romee, era a mãe de Joana d'Arc. Ela cresceu em Vouthon-Bas e mais tarde se casou com Jacques d'Arc. O casal mudou-se para Domrémy, onde eles possuíam uma fazenda que consistia de cerca de 50 acres de terra. Depois das famosas façanhas da sua filha, em 1429, a família ganhou status de nobreza pelo Rei Carlos VII, em dezembro do mesmo ano. Isabelle mudou-se para Orléans em 1440 após a morte de seu marido, e recebeu uma pensão da cidade. Ela pediu ao Papa Nicolau V para reabrir o caso no tribunal que tinha condenado Joana d'Arc por heresia, e depois, aos setenta anos de idade, dirigiu a sessão de abertura do julgamento de apelação, em Notre Dame. O tribunal de apelação anulou a condenação de Joana em 7 de julho de 1456. Isabelle morreu dois anos mais tarde, provavelmente em Sandillon, perto de Orleães .[1]

Isabelle Romée
Mãe de Joana d'Arc
Nascimento Vouthon-Bas, Meuse, França 
1377
Morte Orleans, França 
28 de novembro de 1458 (81 anos)
Gloriole.svg Portal dos Santos

BiografiaEditar

Isabelle Romée nasceu em Vouthon-Bas, uma vila perto de Domrémy, onde ela e seu marido Jacques d'Arc se estabeleceram. Juntos, eles possuíam cerca de 200.000 m 2 de terra e uma casa modesta. Isabelle Romée pode ter ganhado o sobrenome de uma peregrinação a Roma. Os sobrenomes não eram universais no início do século XV e uma mulher poderia ser conhecida por um sobrenome diferente ao do marido.[2]

Isabelle Romée deu à filha uma educação religiosa e católica e ensinou-lhe o ofício de fiar lã. Ela teve mais três filhos, Jacquemin, Jean e Pierre, e uma filha chamada Catherine. Como os outros membros da família, ela foi beneficiada pela concessão real em 29 de dezembro de 1429. Ela se mudou para Orleães em 1440 após a morte do marido e recebeu uma pensão da cidade.[3]

Isabelle Romée passou o resto da vida restaurando o nome da filha. Ela pediu ao papa Nicolau V que reabrisse o processo judicial que condenou Joana d'Arc por heresia. Um inquérito finalmente foi aberto em 1449. O inquisidor-chefe da França, Jean Bréhal, assumiu o caso e conduziu uma investigação inicial em maio de 1452. Em 7 de novembro de 1455, após o início do reinado do papa Callitus III, Isabelle viajou para Paris para visitar a delegação da Santa Sé. Embora tivesse mais de setenta anos, ela se dirigiu à assembleia com um discurso emocionante. Começou dizendo: "Tive uma filha, nascida em casamento legítimo, a quem fortifiquei dignamente com os sacramentos do batismo e da confirmação e suscitada no temor de Deus e respeito à tradição da Igreja ", e terminou,... "sem qualquer ajuda dada à sua inocência em um julgamento pernicioso, violento e iníquo, sem sombra de direito, eles a condenaram em de uma forma injusta e criminosa, e a fizeram morrer cruelmente em uma fogueira." Isabelle compareceu à maioria das sessões de julgamento, apesar da saúde debilitada. O tribunal de apelações anulou a condenação em 7 de julho de 1456.

Isabelle morreu em 28 de novembro de 1458, provavelmente na vila de Sandillon, perto de Orleães.

RetratosEditar

Referências

  1. Pernoud, Regine; Clin, Narue-Veronique (15 de outubro de 1999). Joan of Arc: Her Story (em inglês). [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 978-0-312-22730-2 
  2. [http://www.maidofheaven.com/joanofarc_isabelle_romee.asp «Joan of Arc - Maid of Heaven - Isabelle Rome� Mother of Joan of Arc»]. www.maidofheaven.com. Consultado em 20 de dezembro de 2019  replacement character character in |titulo= at position 45 (ajuda)
  3. «Les secrets de Jeanne : Isabelle Romée». jeannedomremy.fr. Consultado em 20 de dezembro de 2019 

Links externosEditar