Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Por Isolacionismo compreende-se, em geral, a prática oficial de um Estado ou Nação em fechar-se para os demais, quer econômica, quer politicamente. No mundo globalizado de hoje em dia, os únicos países que continuam adotando este tipo de política externa, são apenas a Coreia do Norte e o Butão. O Japão, durante o período do xogunato Tokugawa, também já adotou uma política externa isolacionista.[1]

Índice

Prática IsolacionistaEditar

Em determinados momentos históricos alguns países adotam uma postura de maior ou menor Isolacionismo, em determinados aspectos de sua política externa.

Nos Estados Unidos, por exemplo, há posturas como a que levaram o país a retardar seu ingresso na Segunda Guerra Mundial - levadas em geral pela opinião pública americana, tendente a ocupar-se dos assuntos internos (algo indicado em pesquisas de opinião - como durante a Guerra do Vietnã e a Invasão do Iraque).

ExemplosEditar

Albânia ComunistaEditar

Durante décadas o regime stalinista do líder comunista Enver Hoxha manteve isolada a Albânia, desde a ascensão, na antiga União Soviética de Nikita Khrushchov e o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética.

Neste caso, o objetivo era evitar o enfraquecimento do estado com a penetração de ideias, organizações ou elementos contrários ao regime, sobretudo no seio do Partido.

ButãoEditar

Antes de 1999, o Butão baniu a televisão e a internet para preservar sua cultura, o meio ambiente, a sua identidade etc. Quem levantou a proibição dos meios de comunicação foi o 4º Druk Gyalpo (Rei) do país, Jigme Singye Wangchuck. Seu filho, Jigme Khesar Namgyel Wangchuck foi eleito como o rei e atualmente o país está se transformando em uma democracia.

Coreia do NorteEditar

As relações exteriores da Coreia do Norte são normalmente tensas e imprevisíveis. Uma vez que o Acordo de Armistício coreano pôs fim à Guerra da Coreia em 1953, deixando uma trégua de facto em vigor desde então, o governo norte-coreano tem sido largamente isolacionista, tornando-se uma das sociedades mais autoritárias do mundo. Enquanto não existe um tratado formal de paz entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, tanto debates quanto embates diplomáticos tem ocorrido entre os dois países. A Coreia do Norte tem mantido estreitas relações com a República Popular da China, muitas vezes limitando o seu conta(c)to com outras nações. O governo norte-coreano proibiu todas as mídias de outros países (tais como vídeo games, jornais e bens de consumo), especialmente da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, e o contrabando desses produtos é ilegal. Além disso, o governo da Coreia do Norte impõe severas restrições à entrada e saída de pessoas do país.

JapãoEditar

Por quase 300 anos o Japão manteve em voga um sistema chamado Sakoku, onde não era admitida sequer a entrada de estrangeiros no país, bem como a saída de nativos para outro. O objetivo era manter inalterada a vida interna, e consequentemente seu equilíbrio.

ParaguaiEditar

Durante o governo do ditador José Gaspar Rodríguez de Francia, o Paraguai se manteve praticamente isolado do mundo exterior.

Ver tambémEditar

  1. «Neutrality, Political». Encyclopedia.com (em inglês). International Encyclopedia of the Social Sciences. Consultado em 10 de Agosto de 2018