Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJícama, pelenga, nabo-mexicano
Pachyrhizus erosus Blanco2.249-cropped.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Rosidae
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Subfamília: Faboideae
Tribo: Phaseoleae
Subtribo: Glycininae
Género: Pachyrhizus
Espécie: P. erosus
Nome binomial
Pachyrhizus erosus
L. e Urb. 1905
Sinónimos
Cacara bulbosa Thouars; Cacara erosa (L.) Kuntze; Cacara palmatiloba (DC.) Kuntze; Dolichos articulatus Lam.; Dolichos bulbosus L.; Dolichos erosus L.; Dolichos palmatilobus DC.; Pachyrhizus angulatus DC.; Pachyrhizus articulatus Walp.; Pachyrhizus bulbosus (L.) Kurz; Pachyrhizus erosus var. palmatilobus (DC.) R. T. Clausen; Pachyrhizus erosus var. typicus R. T. Clausen; Pachyrhizus jicamas Blanco; Pachyrhizus palmatilobus (DC.) Benth. & Hook.f; Pachyrhizus strigosus R. T. Clausen; Robynsia lobata M.Martens & Galeotti; Robynsia macrophylla M.Martens & Galeotti; Stizolobium bulbosum (L.) Spreng.; Stizolobium domingense Spreng.; Taeniocarpum articulatum (Lam.) Desv.[1]

A jícama, pelenga ou nabo-mexicano é uma planta leguminosa originária do México[2] . É cultivada especialmente pelas suas raízes tuberosas, que são comestíveis. A origem da palavra jícama é do Nahuatl xīcama ou xīcamatl[3], que significa raiz aquosa. Após a conquista, a jícama foi levada pelos espanhóis para as ilhas Filipinas, de onde se espalhou para muitas partes da Ásia. No Equador, é conhecida pelo nome de jícama al yacón, uma planta comestível da família das Asteraceae.

Apresenta-se com uma forma de bolbo de cor castanha clara, mas não é um bolbo. A sua pele não é comestível. A polpa é suculenta, crocante e doce, com um leve sabor castanho. É comida crua em salada ou cozida, como uma batata.


Referências

  1. en Eon
  2. Marten Sorensen (1996). Yam Bean (Pachyrhizus D.C.). Promoting the use of underutilized and neglected crops (PDF) (em inglês). [S.l.]: IPGRI. p. 7. ISBN 92-9043-282-9. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  3. Luis Cabrera, Diccionario de aztequismos, Editorial Oasis, S. A., México, 1980.