Abrir menu principal

personagem bíblico
Pintura de William Blake, de Satã torturando Jó

ou Job (em hebraico: אִיּוֹב; transl.: Iyyov; em árabe: أيّوب; transl.: Ayyūb‎) é uma personagem do livro mais antigo da Bíblia, isto é, o Livro de Jó do Antigo Testamento. De acordo com a tradição, teria vivido na terra de Uz, local que até hoje não foi identificado ao certo pela ausência de evidências e pelo fato de a narrativa bíblica do mesmo se apresentar mais como uma poesia épica do que um relato factual. Sua existência como pessoa histórica é motivos de muitos debates, principalmente entre rabinos intérpretes da Torá (os cinco primeiros livros da Bíblia hebraica) muito embora ele seja citado como pessoa histórica no livro de Ezequiel (capítulo 14) e, mais tarde, mencionado na epístola de Tiago (5:11).

Primeiramente chamava-se Jó, e tendo tomado por esposa uma mulher árabe, teve dela um filho chamado Henon, seu pai foi Zerá, neto de Esau descendendo assim, em quinto grau de Abraão Gênesis 36,33 e estes são os reis que reinaram em Hedom, país que foi governado também por ele. O primeiro foi Balaque, filho de Beor, e sua capital chamava-se Denaba. Depois de Balaque, reinou Jobabe, que depois se chamou Job (Jó), e, depois deste Husam (Asom), que foi chefe da região de Temã; depois dele, Adade filho de Barade, que foi o que derrotou os Midianitas no campo de Moabe, e sua capital chamava-se Getaim Gn 36,31-35. Eis os amigos que foram o visitar: Elifaz de Temã (descendente de Esaú); Beldade de Chua, soberano dos saqueus e Sofar de Naamã, rei dos mineus. [1]

HistóriaEditar

Nasceram-lhe sete filhos e três filhas (Jó 1, 2). Possuía ele sete mil ovelhas, três mil camelos, mil juntas de bois e quinhentas jumentas, tendo também muitos servos; de modo que este homem era o maior de todos do Oriente.

Chegado o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles. Disse o Senhor a Satanás: "Notaste porventura o meu servo Jó, que ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, que teme a Deus, e se desvia do mal?" (Jó 1, 6,8). Satanás, entretanto, desafia a integridade de Jó, e então Deus permite que Satanás interfira na vida de Jó, resultando na tragédia de Jó: a perda instantânea de seus bens, de seus filhos e de sua saúde.

Jó, porém, não blasfemou contra Deus, mas, em vez disso, ele se levantou, rasgou o seu manto, raspou a sua cabeça e, lançando-se em terra, adorou ao Senhor; e disse: "nu saí do ventre da minha mãe, e nu tornarei para lá. Deus me deu, e Deus tirou; bendito seja o nome do Senhor" (Jó 1, 20-21).

Deus permitiu que Satanás ferisse Jó de úlceras malignas, desde a planta do pé até o alto da cabeça. (Jó 2, 7)

Após a narração desses fatos, sucederam debates entre Jó e seus amigos (Elifaz, Beldade e Sofar) sobre a grandeza dos propósitos da divindade e sobre os mistérios da vida humana e sua culpabilidade. Ao final, Deus aparece a eles e repreende-os, e Jó fala: "Antes eu Te conhecia de ouvir falar, mas agora meus olhos Te veem".

E Deus virou a situação de Jó, enquanto ele orava pelos seus amigos, e o Senhor devolveu a Jó em dobro a tudo quanto antes possuía de bens materiais, além de vir a ter outros sete filhos e três filhas, as quais vieram a ser consideradas como as mais belas da época. E quanto a Jó, ele viveu cento e quarenta anos, e morreu velho e farto de dias.

Referências

  1. Bíblia Sagrada. Edições Paulinas, São Paulo: 1969 (página 1593)
  Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.