Jānis Pujāts

Jānis Pujāts
Cardeal da Igreja Católica
Arcebispo-emérito de Riga
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Riga
Nomeação 8 de maio de 1991
Predecessor Dom Antonijs Springovičs
Sucessor Dom Zbigņev Stankevičs
Mandato 1991 - 2010
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 29 de março de 1951
por Dom Antonijs Springovičs
Nomeação episcopal 8 de maio de 1991
Ordenação episcopal 1 de julho de 1991
Catedral de São Tiago de Riga
por Dom Francesco Colasuonno
Nomeado arcebispo 8 de maio de 1991
Cardinalato
Criação 21 de fevereiro de 1998
(in pectore)
21 de fevereiro de 2001 (Publicado)

por Papa João Paulo II
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santa Sílvia
Brasão
Coat of arms of Jānis Pujats.svg
Lema AD JESUM PER MARIAM
Dados pessoais
Nascimento Nautrani, Lategália
14 de novembro de 1930 (90 anos)
Nacionalidade letão
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Jānis Pujāts (Nautrani, 14 de novembro de 1930) é um cardeal da Igreja Católica letão, arcebispo-emérito de Riga.

BiografiaEditar

Foi ordenado padre em 29 de março de 1951 pelo arcebispo Antonijs Springovics, em sua capela particular e em segredo, quando ainda estava no terceiro ano de seminário, com autorização papal.[1][2] Foi nomeado Prelado de Honra de Sua Santidade em 23 de fevereiro de 1988.[1]

Foi elevado a arcebispo metropolitano de Riga em 8 de maio de 1991, sendo consagrado em 1 de junho, na Catedral de São Tiago em Riga, por Francesco Colasuonno, arcebispo-titular de Tronto, representante da Santa Sé na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, assistido por Jānis Cakuls, bispo-titular de Tinista, bispo-auxiliar de Riga, e por Vilhelms Nukss, bispo-titular de Acci, bispo-auxiliar de Riga.[1][2]

Foi criado cardeal in pectore pelo Papa João Paulo II no Consistório de 21 de fevereiro de 1998, mas foi anunciado apenas em 28 de janeiro de 2001, nas vésperas do Consistório de 21 de fevereiro de 2001, quando recebeu o barrete vermelho e o título de cardeal-presbítero de Santa Sílvia.[1][2]

Renunciou ao governo pastoral da sé metropolitana de Riga em 19 de junho de 2010.[1][2]

Condenação da homossexualidadeEditar

Em maio de 2007, numa carta aberta protestando pela parada gay prevista para 3 de junho de 2007, que forma parte dos «Dias de amizade e orgulho» de Riga, referiu-se à homossexualidade como uma «depravação absoluta do comportamento sexual» e uma «forma não natural de prostituição»[3]. Continuou exortando aos fiéis a «estar preparados para sair às ruas» para protestar por esse acontecimento,[4] «não para criar desordem, mas para oferecer uma posição disciplinada em apoio ao governo, porque neste importante assunto moral, o governo está do lado dos cristãos».[5]

ConclavesEditar

Referências

Ligações externasEditar

Precedido por
Antonijs Springovičs
 
Arcebispo de Riga

19912010
Sucedido por
Zbigņevs Stankevičs
Precedido por
criação do título
 
Cardeal-presbítero de Santa Sílvia

2001
Sucedido por