Abrir menu principal
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
James McCracken
Informação geral
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

James McCracken (Gary, 16 de dezembro de 1926 - 29 de abril de 1988) foi um tenor estadunidense. O jornal de renome mundial The New York Times o descreveu como "o tenor dramático de maior sucesso já nascido nos Estados Unidos, e o pilar do Metropolitan Opera durante as décadas de 1960 e 1970".

BiografiaEditar

McCracken nasceu em Gary, Indiana. Sua primeira experiência musical foi cantando em um coral de crianças da igreja. Enquanto ele estava na Segunda Guerra Mundial, atuando junto com a Marinha dos Estados Unidos, também cantou no Blue Jacket Choir. Estudou música na Universidade de Columbia e com Elsa Seyfert em Konstanz, Alemanha.

McCracken fez sua estreia profissional operística em 1952 com a Ópera da Cidade Central como Rodolfo na ópera La Bohème (Giacomo Puccini). Ele cantou em papéis menores no Metropolitan Opera de 1953 até 1957, enquanto continuava a estudar. Em 1957 ele mudou-se para a Europa e fez sua estreia na Ópera Estatal de Viena. Fez grande sucesso com a Ópera de Zurique. Começando em 1963, ele tornou-se um dos principais tenores dramáticos do Metropolitan Opera de Nova Iorque, cantando nas produções de Otello (1963 e 1972), Carmen (1972), Aida (1976), Le Prophète (1977) e Tannhäuser (1978).

McCracken fez inúmeras gravações, incluindo: Le Prophète (com Marilyn Horne e Renata Scotto, em 1976), Carmen (conduzido por Leonard Bernstein em 1972), Fidelio (com Birgit Nilsson em 1964), Otello (com Gwyneth Jones em 1968) e Pagliacci (1967).

Ele casou-se com a mezzo-soprano Sandra Warfield, com quem ele apresentou a obra Samson et Dalila de Saint-Saëns no Met. Ele retornou para o Met apenas algumas semanas antes de sua morte, aos sessenta e um anos de idade.

  Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.